Bichon frisé

Origem

Já na antiguidade existiam cães pequenos, parecidos com os caniche, que mais tarde se tornaram especialmente populares entre a nobreza francesa e espanhola. Desde sempre que estes "cães de colo" tinham uma única função: ser mimados. A sua simples presença encantava as pessoas sem terem que servir qualquer propósito. É por isto que integram o grupo dos "cães de companhia".

As suas origens remontam, provavelmente, às Ilhas Canárias, sendo por isto também conhecidos como "cão Tenerife". Quanto às raças que tiveram um papel no desenvolvimento dos bichon frisé, é algo que não está esclarecido. As opiniões vão desde os spaniel de água aos caniche miniatura.

No século XIV, os cães de colo chegam à Europa continental a partir de Tenerife. Os antepassados dos bichon frisé entram nos palacetes franceses no início do século XVI. Aí são perfumados e enfeitados pelas damas nobres e tratados como membros da alta sociedade.

Cães adorados durante séculos

Na década de 1930, assiste-se a um grande boom dos bichon frisé, especialmente em França e na Bélgica. Porém, em 1928 ainda eram exibidos como "caniches de seda encaracolada" em Duisburg, na Alemanha. Em 1933, os bichon frisé obtêm o seu padrão de raça e o seu nome oficial. São oficialmente reconhecidos como raça pela FCI (Federação Cinológica Internacional), em 1959.

A primeira ninhada de bichon frisé nasce na Alemenha em 1956. No mesmo ano, chega aos Estados Unidos da América (EUA) o primeiro representante da raça. Através dos EUA, o bichon frisé chega finalmente à Grã-Bretanha na companhia de imigrantes norte-americanos. E em 1974, nascem aí os primeiros cachorros desta raça franco-belga. A raça tem conhecido muita popularidade, em particular nos EUA. Além dos bichon frisé, o grupo dos "bichons" inclui mais quatro raças: maltês, bolonhês, havanês e o pequeno cão leão.

Aspeto dos bichon frisé

À primeira vista, os bichon frisé, que em francês são chamados "bichon à poil frisé", parecem uma bola de algodão macia com quatro patas. Regra geral, não pesam mais do que 6 kg e contam com 30 cm de altura ao garrote. O seu pelo exclusivamente branco pode ter 10 cm de comprimento e, de acordo com os padrões da raça, deve fazer lembrar as cabras da Mongólia. É sedoso e fino e os caracóis dão-lhe um ar de suavidade. No entanto, o subpelo é um pouco áspero. Na verdade, os caracóis estão na origem do nome da raça: bichon frisé significa "cão de colo com pelo encaracolado".  Os seus olhos curiosos são escuros e as orelhas caídas estão cobertas de caracóis. A cauda está dobrada sobre o dorso, mas não deve estar enrolada.

Carácter dos bichon frisé

Os bichon frisé sabem como cativar com o seu charme: são cães alegres e abertos que gostam de estar sempre ao lado do dono. A sua alegria irradia bom humor e contagia tudo em redor. Assim, conseguem o que querem da maioria das pessoas. Também adoram ser acariciados - sobretudo no colo do dono. São animais tranquilos e dão-se bem com outros cães. Além disto, são simpáticos com desconhecidos. Animados, os bichon frisé tendem a ser vigilantes, embora não sejam agressivos nem ladrem muito.

Perante situações novas ou ao cruzar-se com desconhecidos, não mime demasiado o seu bichon frisé. Alguns donos cometem o erro de tranquilizar o patudo de imediato, o que o torna mais inseguro. Tal acontece porque o animal classifica a situação como excecional. Se, pelo contrário, se mantiver calmo, também o animal ficará.

Saúde e cuidados

Estas animadas bolas de pelo branco pouco ou nada sofrem com doenças típicas da raça. Podem sofrer com mais frequência de olhos lacrimejantes, podendo ver-se vestígios castanhos das lágrimas na brancura do pelo. Para evitar irritação, é importante verificar-se que a área em redor dos olhos não tem pelos compridos. Por vezes, os bichon frisé têm tendência para inflamação das vias respitatórias.

Bichon frisé: cuidados do pelo

A camada superior do pelo, com a sua camada interna, é relativamente fácil de cuidar e protege os bichon frisé da humidade e do frio no inverno. No verão, pelo contrário, mantém o animal fresco.

Os bichon frisé não perdem pelo, o que é uma enorme vantagem para os donos. No caso dos cachorros, deve escovar-lhes o pelo dia sim, dia não, para evitar que se emaranhe e remover sujidade. O pelo dos adultos requer uma escovagem a fundo uma vez por semana. Também a "barba" do seu patudo precisa de ser limpa regularmente, em particular depois de ingerir comida húmida.

O pelo encaracolado do bichon frisé tem que ser cortado com frequência. Cães de companhia que não participem em exposições devem usá-lo mais curto, já que facilita os cuidados. O pelo não deve ser muito comprido, em especial à volta dos olhos, permitindo-lhes ver com clareza e prevenir irritações oculares.

Esperança de vida do bichon frisé

Os bichon frisé são considerados resistentes. Com cuidados regulares e uma alimentação apropriada podem viver até aos 15 anos.

Alimentação do bichon frisé: uma dieta apropriada à raça

Como qualquer cão também os bichon frisé precisam de uma dieta adaptada às suas necessidades. Já que a maioria destes patudos não é muito exigente com a comida, as opções são muitas. Ao escolher a comida, seja húmida ou ração, preste atenção à percentagem de carne, que deve ser elevada. A carne deve, então, ser o primeiro ingrediente da lista.

A alimentação deve ser composta por 30% de proteína, no máximo. Para cães medianamente ativos, isto é, que não pratiquem desportos nem corram longas distâncias diariamente, 25% de proteína bruta é suficiente.

O açúcar não tem lugar em comida de qualidade para os bichon frisé. Porém, esteja atento, pois, por vezes, aparece disfarçada como melaço. É também aconselhável evitar produtos que contenham subprodutos vegetais.

Se apenas dá ração ao seu patudo, certifique-se de que o animal bebe água em quantidade suficiente. Assim, é fundamental haver sempre água fresca disponível no bebedouro. Estão disponíveis rações especiais para cães pequenos, isto é, cujos croquetes são adaptados e mais adequados aos dentes destes cães. Pode ainda comprar snacks especiais para a higiene oral e brinquedos para prevenir o tártaro. Uma boa dica para dentes saudáveis é a ingestão regular de pedaços de carne crua. A mastigação intensiva tem um efeito de limpeza nos dentes.

Educação

Se não sucumbir ao charme deste bichon, será fácil educá-lo. Os bichon frisé têm vontade de aprender, são inteligentes e apropriados para principiantes. De qualquer modo, os donos devem familiarizar-se com os básicos do treino de cães. Seja amável mas consistente - assim será bem-sucedido com a educação deste patudo. A visita a uma escola para cães é, claro, recomendada. Lá o bichon terá contacto com outros cães desde cachorro. Experimente ainda ensinar-lhe alguns truques!

Ocupação para os bichon frisé

Para os vivazes bichon frisé, a ligação ao seu "grupo" é muito importante. Não exigem estar ocupados durante todo o dia. Porém, gostam de longos passeios e de bom grado acompanham o dono em caminhadas. Se andar de bicicleta pode levar o patudo consigo - aconselhamos usar um cesto para bicicleta. Uma vez por outra, o seu bichon adulto pode correr distâncias curtas ao lado da bicicleta e a uma velocidade adequada. Assim, tem oportunidade de gastar energias! Já que não são cães dados à caça, desde que bem treinados irão responder à chamada do dono. Assim, correr à vontade, sem trela, em zonas adequadas, não será um problema.

Além do mais, os bichon frisé são cães indicados para a prática de desportos para cães, como agility para cães pequenos. E nunca se esqueça: depois das vossas aventuras, o patudo apreciará longas horas de mimos.

Será um bichon frisé o cão indicado para mim?

Os bichon frisé adaptam-se a tudo, podendo viver no campo ou num apartamento na cidade. Adoram crianças e são excelentes companheiros de brincadeira. Antes disso, as crianças devem ser ensinadas a respeitá-los com cuidado, sobretudo os cachorros, pois são bastante pequenos. Os cães desta raça podem conviver com outros animais domésticos, incluindo cães e gatos. No caso de animais mais pequenos, tenha atenção e assegure-se de que não os veem como brinquedos vivos! No entanto, a convivência pode correr bem se se habituarem um ao outro desde jovens.

Viver com um bichon frisé

Os bichon frisé podem ser deixados sozinhos por algum tempo e, por norma, adaptam-se a qualquer rotina. Em resumo: são cães ideais tanto para famílias como para solteiros. O mesmo se aplica a idosos que queiram passar tempo na natureza com o seu patudo. Porém, antes da chegada do novo companheiro de quatro patas é importante certificar-se de que dispõe de tempo para lhe dedicar. Ter um cão é uma responsabilidade a longo prazo. Se mora num apartamento clarifique se é permitido ter um cão. Em qualquer caso, peça a autorização por escrito, a não ser que esteja explicitado no contrato de arrendamento.

Ainda que estes cães não percam pelo, todos os membros da família devem, antes da chegada do animal, ser testados para alergias a cães. Pense de antemão em quem poderá ficar com o cão durante as férias ou em caso de doença. São muitos os hotéis que atualmente aceitam cães - pondere esta opção. Além deste compromisso, pondere as despesas que terá nos próximos anos: o investimento no equipamento básico (escova, trela, cesto, camas e mantas, comedouros) e as despesas regulares (comida e snacks de boa qualidade, consultas veterinárias). E não se esqueça dos gastos imprevistos em caso de doença.

Como encontrar o bichon frisé dos seus sonhos

Se pretende comprar um bichon frisé a primeira coisa a fazer é procurar um criador reputável. Estes pertencem a uma associação de criadores e entregam os animais com prova de pedigree, boletim de vacinas, atestado médico e chip. Tome algum tempo para encontrar um criador de confiança. Além do mais, é um alguém que dá tempo à cadela para recuperar entre ninhadas. É também uma pessoa que responde pacientemente às suas perguntas e que pretende inteirar-se das condições de vida que aguardam o seu protegido. Durante uma visita ao criador pode não só conhecer os cachorros como os progenitores. Um criador responsável será ainda uma pessoa de contacto para todas as perguntas acerca do seu patudo.

Não compre a supostos criadores que vendem os animais sem prova de pedigree. Estas pessoas não querem mais do que lucros rápidos. A saúde, o tipo e o comportamento social dos cachorros e progenitores é muitas vezes menosprezado. Se à primeira vista a oferta parece atrativa, a longo prazo as despesas com o veterinário vão fazê-lo pensar o contrário. Assim, não tem qualquer garantia da filiação do patudo. Evite também comprar cachorros oriundos de ninhadas acidentais.

Bichons do canil

Se considera adquirir um bichon frisé mais velho, dê uma vista de olhos pelo canil da sua área de residência. Existem associações protetoras dos animais especializadas em encontrar novos lares para bichons. A vantagem dos cães seniores é que já estão educados. Por outro lado, alguns cães são devolvidos pelos donos por se sentirem sobrecarregados com a sua educação. Em conversa consigo, os responsáveis pelas associações de animais e canis podem avaliar se você e determinado bichon frisé serão uma boa dupla. Em caso de mediação privada, deve tentar conhecer melhor o patudo e acompanhá-lo num passeio, por exemplo. Dar um novo lar a um bichon frisé sénior pode ser uma experiência muito enriquecedora!

Desejamos-lhe as maiores felicidades para si e para o seu bichon frisé!

Os nossos artigos mais relevantes
12 min

Yorkshire Terrier

Está a pensar adotar ou comprar um Yorkshire Terrier? Saiba qual é a sua personalidade, tipo de alimentação, cuidados de saúde e muito mais.