Educar um cão adulto

Educar um cão adulto

Educar um cão adulto

Como devo educar o meu cão adulto?

Quanto mais cedo os cães aprenderem as regras e comandos básicos, menos problemas terão mais tarde ao conviverem com os humanos. Isso é certo. Mas o que acontece se um cachorro não fizer essa aprendizagem? É possível educar cães adultos? Vamos mostrar-lhe o que deve ter em conta ao educar um cão adulto e os sete exercícios a fazer com ele.

Acabou de adotar um cachorro? Leia o nosso artigo sobre Como educar um cachorro.

Os cães aprendem ao longo de toda a vida

A boa notícia é que os cães têm capacidade de aprendizagem ao longo de toda a vida. Porém, tal como acontece com os humanos, também se pode dizer que nunca aprendem. Até à velhice são capazes de adquirir comandos, regras e certos comportamentos novos - assim como são capazes de se acomodar a padrões comportamentais indesejáveis, mesmo quando adultos. Como tal, a sua educação deve ser contínua e sistemática. O que aprendem em cachorros de nada vale se depois deixar o cão, júnior ou adulto, fazer tudo o que lhe apetece. Logo que o cão aprende os comandos e regras básicas, estes devem ser mantidos e reforçados ao longo de toda a vida. Uma ordem como “Fica” não pode transformar-se mais tarde em “Espera um momento, por favor”.

Educar cães adultos: as vantagens

Tal como acontece com as crianças, os cães aprendem mais rapidamente quando ainda são cachorros. São mais fáceis de “moldar” por serem extremanete curiosos, aprendem de forma lúdica e ainda olham para o ambiente que os rodeia com mente aberta. Todos estes aspetos favorecem a educação em cachorro. Por outro lado, os cachorros também precisam de aprender os comandos básicos – nenhum cachorro nasce ensinado e não vai deixar móveis ou sapatos por roer, a menos que oiça um “Não”. O treino e socialização dum cachorro geralmente exigem mais dedicação do que se estiver a educar cães adultos, uma vez que estes últimos já estão habituados a conviver com pessoas.

Por isso, a educação dum cão adulto também pode trazer benefícios. Os cães mais velhos são, normalmente, mais calmos e têm um comportamento mais estável do que os cães jovens. Já estão um pouco educados, podem ser deixados sozinhos e já adquiriram uma rotina diária relativamente fixa, que passa por dormir, comer e passear. É possível dar passeios mais longos com cães adultos e ao praticar exercícios estes cães precisam de menos intervalos do que os cachorros brincalhões, que ficam cansados mais rapidamente.

Que problemas podem surgir no treino de cães?

A educação de cães adultos também apresenta algumas desvantagens. Uma delas é o facto de, geralmente, um cão adulto ter um determinado comportamento enraizado, que se consolidou ao longo de meses ou anos. Se, de repente, esse comportamento é indesejado, o cão reage com teimosia e alguma insegurança. Mudar comportamentos em cães adultos exige muito esforço destes, bem como do dono que tem de ser consistente e, acima de tudo, muito paciente. Portanto, a questão não passa por saber se é possível ou não educar cães adultos, mas sim quando eles implementam o que aprenderam permanentemente. Um cão mais velho pode, efetivamente, ser educado tal como um cachorro – porém, é um processo um pouco mais lento.

O que fazer se se deparar com problemas comportamentais graves?

Se pretende educar cães que já desenvolveram problemas comportamentais graves, vai precisar de muita paciência. Antes de começar o “combate” ao comportamento indesejado com treino direcionado deve procurar saber qual a causa do referido comportamento. Por que motivo é que o meu cão está alterado? Por que motivo é que ele reage de forma agressiva? Porque é que ele não pára de ladrar? A raiva que provoca alterações de comportamento nalguns cães é, na sua maioria, resultado de transtornos psicológicos graves que podem ser desencadeados não apenas por experiências traumáticas ou dor crónica, mas também por stresse permanente, isolamento ou falta de exercício físico e mental. Quanto mais souber sobre as causas que motivam o comportamento do seu cão, mais direcionado será o treino que vai poder fazer com ele e, consequentemente, mais probabilidades terá de ser bem-sucedido. Se for um dono com pouca experiência recomendamos que procure ajuda especializada para lidar com estes casos. No entanto, mesmo para pessoas experientes na educação de cães adultos, consideramos que conversar com um treinador e visitar uma escola de cães pode ser útil.

No que consiste a educação básica dum cão?

Para que a coexistência entre cão e pessoas funcione, é necessário haver certas regras. Nenhum outro animal vive tão intimamente com os humanos quanto o cão, e nenhum outro animal é mais "humanizado" do que o nosso amigo de quatro patas. Muitas vezes esquecemo-nos que o cão é descendente do lobo e, como tal, existe uma determinada hierarquia na sua "matilha" que lhe oferece segurança e orientação. Os cães precisam de regras claras que sejam seguidas de forma consistente. Qualquer exceção a essas regras vai destabilizar o animal e, em particular, leva a que as raças caracteristicamente mais autoconfiantes assumam a liderança.

A fim de evitar conflitos, é importante que o seu cão obedeça a comandos básicos como “Senta”, “Deita”, “Larga”, “Junto” e “Fica”. O cão não pode andar livremente na rua se o dono diz “Senta”, não deve andar pelo supermercado se o dono diz “Fica”, não deve perseguir o coelho ou a cadela do vizinho se o dono diz “Junto”. Os exercícios seguintes são uma estrutura que o seu cão deve dominar, não apenas para facilitar a sua vida, mas também a do próprio cão e do ambiente onde ele se movimenta.

O treino certo para cães adultos

Quer o seu cão seja ainda cachorro ou já adulto, o treino que lhe tem faltado não tem grande importância. No entanto, ao educá-lo a idade do cão é um fator que deve ter em conta. Embora possa usar o aspeto lúdico com os cachorros e os exercícios de treino devam ser de curta duração, os cães mais velhos geralmente precisam de mais incentivos e desafios para aprender coisas novas de bom grado. Os cães adultos já têm as suas preferências definidas. Quanto melhor conhecer o cão, mais bem-sucedido deverá ser o treino com ele. O treino dos cães funciona melhor através do reforço positivo. Se sabe do que o seu cão gosta, pode recompensá-lo logo que ele mostre o comportamento desejado. E não tem de ser sempre com guloseimas, pode ser um gesto afetuoso, uma palavra de elogio, um brinquedo ou um objeto –pau ou bola - para fazer um breve jogo de “busca”.

Os sete exercícios mais importantes, em resumo:

  • Andar com trela

Os cães devem ser habituados desde cedo a usar a trela frouxa. Devem aprender a ignorar pessoas ou outros animais quando estão “sob o controlo” da trela e não devem “puxar” o dono em determinada direção. Se um cão adulto se apercebe que os puxões funcionam para conseguir chegar onde quer, ele vai repetir o gesto continuamente. Porém, com um pouco de experiência e, sobretudo, muita paciência e consistência é possível re-educar o animal. Para o seu cão se afastar dum padrão de comportamento já adquirido, pode ser útil primeiro tentar mudar a situação envolvente. Por exemplo, se ele está habituado a usar coleira, experimente colocar-lhe um peitoral. Se o cão teve o mesmo comportamento – de puxar – com ambos os objetos e a mudança não surtiu qualquer efeito, também pode colocar-lhe um pano ao pescoço, no qual pode prender a trela. O cão deve ter consciência dessa mudança para algo "novo", deve mostrar-lhe o novo "equipamento de caminhada" e fazer com que ele o cheire devidamente. Deste modo, ele estará mais predisposto a envolver-se em algo novo.

Leia mais sobre como habituar o cão à trela.

Páre sempre que o seu cão der puxões

Se, ao começar a caminhada, o seu cão recuar ou der puxões, o dono deve parar. Não se mexa até que o seu cão se aproxime novamente de si e a trela fique novamente folgada. Se ele recomeçar a puxar, páre novamente. Mantenha este padrão consistentemente. Se o seu cão puxar a trela com muita força e se o dono não conseguir impedi-lo de avançar, chame-o para vir até si através do som ou da linguagem corporal. Outro exercício é colocar um snack ou o brinquedo preferido a uma certa distância (cerca de 20 m) numa posição bem visível. O seu cão provavelmente vai querer alcançá-lo imediatamente. Mas deve segurá-lo e pedir-lhe para vir até si. Assim que ele se virar, dê alguns passos para trás e mostre-lhe que só pode continuar se caminhar na sua direção. Somente quando o cão conseguir ficar com a trela folgada ao seu lado é que poderá aproximá-lo do objeto desejado. A recompensa só deverá ser dada ao patudo quando ele aprender a abrandar e a andar ao ritmo do dono.

  • Ordem “Senta“

Para ensinar o seu cão a obedecer ao comando “Senta” o uso duma guloseima pode ser muito útil. Segure o snack acima da cabeça dele. Se o cão tentar pular, mantenha a mão fechada. Para poder ver melhor a guloseima acima da cabeça, o cão deverá sentar-se rapidamente. Assim que as patas traseiras e as dianteiras estejam no chão, diga o comando "Senta" e dê-lhe o desejado snack. Deve compensar o cão elogiando-o ou com gestos afetuosos.

Depois de apenas alguns exercícios, o cão terá aprendido a obedecer ao comando "Senta" – mesmo antes de lhe dar qualquer snack. Para praticar que o cão mantenha esta posição durante algum tempo, basta que prolongue o momento de dar a guloseima. Pode facilmente integrar esta ordem em várias ocasiões ao longo do dia: ao colocar e ao retirar a trela, quando vai à padaria, ou no sinal vermelho antes de atravessar a estrada.

  • Ordem “Deita“

Ao contrário de “Sentar” com este comando o cão deve-se “Deitar”. Quando está nessa posição, a garupa e os cotovelos estão assentes no chão. Pode ensinar esta posição ao cão quando ele está na posição sentada, segurando o snack à frente do nariz do animal e conduzindo-o daí, lentamente, até ao chão. Mantenha o snack na posição mais plana possível acima do solo. Para alcançá-lo o cão vai primeiro ter de baixar o focinho. Lentamente, afaste o snack com a mão para longe do focinho, segurando-o no chão. O cão seguirá a sua mão até que seja finalmente forçado a deitar-se. Nesse momento diga o comando "Deita" e dê-lhe a recompensa.

Antes do cão se levantar sozinho, deve ouvir da sua parte o comando “Senta”. Logo que o cão se sente, pode repetir o exercício ou terminar a sessão de treino. Pode treinar o comando “Deita” em muitas situações: no café, na paragem do autocarro, enquanto conversa com um vizinho, ou no restaurante. Para o sucesso da aprendizagem o fator oportunidade é relevante: quanto mais cansado estiver o cão, mais fácil será obedecer ao comando “Deita”. Pratique este comando após uma longa caminhada, por exemplo, e não no início da mesma, quando o cão ainda está cheio de energia.

  • Ordem “Aqui“

Ao ouvir o comando “Aqui” (ou algum apito correspondente) o seu cão deve vir a correr e de imediato ao seu encontro. De início, não se recomenda que os cães adultos corram livremente sem trela, já que até agora não lhes foi ensinado nenhum comando.

Passo 1: treinar em casa

Comece por treinar o comando “Aqui” em casa, de preferência no momento em que serve a refeição ao cão. Para este exercício precisa da ajuda de outra pessoa que possa segurar o cão enquanto lhe prepara a comida a alguma distância. Porém, o cão deve estar em posição que o veja a preparar a refeição. Ao dizer o comando “Aqui”, a pessoa que segura o cão deve soltá-lo. Se o cão vier até si, elogie-o extensivamente e coloque-lhe o comedouro no chão. Se ficar com a sensação que o cão associa a ordem apenas à refeição, pode começar a chamá-lo fora das refeições, dentro de casa, com um “Aqui” bem claro. Se o seu cão vier até si de imediato, recompense-o com uma guloseima e mostre claramente que está muito feliz com o comportamento dele. Como reforço adicional, pode experimentar o exercício no pátio ou no jardim.

Passo 2: treinar durante o passeio

O seu cão só estará pronto para passear sem trela e treinar os exercícios durante o passeio quando responder ao seu sinal e vier ao seu encontro imediatamente. Recomenda-se que o leve para uma área sossegada, sem o risco de encontrar outros cães que distraiam o seu. Em alternativa, pode fazer este exercício durante o passeio bem cedo ou ao final do dia, períodos em que há menos movimento na rua e no parque. Treine o comando “Aqui” no exterior só quando tiver a certeza que o cão vai obedecer. Se avistar outro cão, deve colocar a trela no seu e poderá soltá-lo novamente quando o outro cão já tiver ido embora.

Além disso, é recomendável o treino deste comando juntamente com o nome do cão. A experiência mostra que em situações de stresse os donos chamam o cão pelo nome.

  • Ordem “Junto“

Em zonas de trânsito intenso, ou zonas pedonais com muito movimento, ou ainda em zonas onde circulam outros cães, é útil que o seu cão ande ao seu lado com segurança. Isto significa que mediante o comando “Junto” ele fica junto à sua perna – independentemente do dono andar devagar ou depressa, sempre em frente ou se virar à direita ou esquerda, ou se o dono pára. Por norma o cão deve caminhar do lado esquerdo do dono mas, se preferir, pode habituá-lo a andar do lado direito. O importante é que ele fique ao seu lado. Para treiná-lo comece o exercício mostrando ao cão onde se localiza a posição “Junto” usando um snack na sua mão. Logo que o cão se encontre na posição correta diga a palavra de ordem apropriada.

Segure o snack na sua mão e deixe o seu cão lambê-lo enquanto se afasta. Para que haja um sinal visual extra pode, de vez em quando, bater com a mão na sua coxa. Após alguns metros de distância, dê o comando “Senta” e recompense o animal com uma guloseima. Aumente o grau de dificuldade do exercício, fazendo voltas ou mudanças de direção. Gradualmente deve afastar o snack do focinho do cão. Pode escondê-lo, por exemplo, no bolso e continuar a praticar o comando “Junto”. Ande mais devagar, depois acelere o passo, vire à direita e depois à esquerda, ande para a frente e recue e vá repetindo ocasionalmente o comando “Junto” ao qual pode associar o gesto de bater uma palma na sua perna. Só quando o cão ficar sempre ao seu lado é que deve tentar o exercício sem trela. Se o cão sair de junto de si quando lhe soltar a trela, não o puxe pela coleira. Deve voltar a colocar a trela calmamente e repetir o treino, com trela.

  • Ordem “Larga“

Ao ouvir a palavra de ordem “Larga“ o seu cão deve parar o que está a fazer ou largar o objeto que tem na boca. Se, por exemplo, o cão agarrou um sapato ou “mordeu” um brinquedo do seu filho, deve dar-lhe o comando “Larga” claramente, para lhe indicar que não deve ter aquele comportamento.

Primeiro ofereça-lhe algo em troca

Para que um cão adulto obedeça aos seus comandos, é necessário que lhe ofereça em troca um “objeto”, por exemplo uma guloseima ou um brinquedo. É o mesmo que dizer que vai ter de negociar com ele. Segure a guloseima em frente ao nariz do cão e diga "Larga". Assim que ele abrir a boca e soltar o objeto, dê-lhe a guloseima e elogie-o com palavras e afetos. Em breve não vai necessitar do snack nem do brinquedo, pois ele vai obedecer ao “Larga” recebendo em troca apenas afeto e elogios.

  • Ordem „Fica“

Os cães devem aprender a ficar sentados ou deitados num determinado sítio. É importante que estes comandos sejam cumpridos não só no supermercado, mas também quando alguém toca à campainha, bate à porta ou se o dono recebe visitas que têm medo de cães. Para tal é necessário que o cão domine eficazmente os comandos “Senta “ e “Deita”. Se o seu cão obedece calmamente às ordens de ficar sentado ou deitado, pode começar a treinar o comando “Fica”.

E assim se treina o “Fica” a partir do “Senta” ou “Deita”

Dê um sinal ao seu cão (por exemplo, aponte para o chão) e diga claramente “Fica”. Agora coloque-se na frente do cão e afaste-se um pouco, mas deixando a trela ainda frouxa. Páre um momento e depois aproxime-se novamente do cão. Se o patudo se manteve sentado ou deitado (na posição em que o mandou ficar), é o momento em que deve elogiá-lo explicitamente. Se optar por recompensar o cão com uma guloseima só lha deve dar quando se aproximar dele novamente e só no caso do cão ainda estar na posição em que o mandou ficar. Se o cão se manteve no lugar mas no último momento saltou ou desobedeceu, não deve dar-lhe a guloseima. Se lhe der a guloseima ele vai associar esse prémio ao ter saltado e não à ordem “Fica”. Pode treinar o exercício numa fase inicial com uma trela longa e mais tarde sem trela. Além disso, gradualmente deve alongar os períodos em que manda o cão “Ficar” num sítio.

Vale a pena visitar uma escola de cães?

Praticar os comandos descritos aqui não requer apenas muito tempo, mas também muita disciplina. Particularmente se estiver a educar cães adultos que já tenham manifestado comportamentos errados, o dono vai precisar de paciência e perseverança, além de consistência e tato. Não desanime se não funcionar imediatamente. É natural que demore algum tempo para um cão se envolver em comportamentos novos e perceber que vale a pena ouvir os seus comandos. As visitas regulares a uma escola para cães podem ser uma boa motivação. Especialmente se estiver a treinar o seu primeiro cão, pode ser muito esclarecedor conversar com especialistas e outros donos de cães. Mesmo que leia muitos guias de orientação, no fim vai ter de por em prática o que leu. É importante que o conceito da escola de cães seja adequado para si e para o seu cão. Basicamente, os grupos não devem ser grandes demais, pois assim será possível ao treinador dedicar-se a cada cão (e ao respetivo dono) e responder prontamente a cada questão.

Desejamos-lhe a si e ao seu cão muito sucesso nesta caminhada em conjunto!

Os nossos artigos mais relevantes