Mastocitoma canino This article is verified by a vet

close up de cão com 3 nódulos antes da cirurgia

Múltiplos nódulos podem ser um sinal de cancro da pele nos cães.

Estava a fazer festinhas ao seu patudo e descobriu um nódulo no seu corpo? É uma questão que deve levar bastante a sério. Porque os mastocitomas caninos têm muitas faces e exigem a assistência do veterinário.

Sintomas: qual o aspeto de um mastocitoma canino?

Na verdade, os mastocitomas nos cães não têm um aspeto fixo. São considerados os camaleões entre os cancros da pele. Portanto, podem surgir isoladamente ou de forma múltipla.

Qual o aspeto ao toque?

Alguns tumores são elevados, outros, por seu lado, são achatados. A consistência também varia de macio até áspero. Já a pele em redor do mastocitoma pode manter-se intacta ou apresentar falhas.

Onde costumam surgir os mastocitomas?

A pele dos membros e do tronco é a mais afetada. Porém, os tumores também crescem na cabeça, pescoço e mucosas. A forma generalizada designa-se por mastocitose ou leucemia de mastócitos e surge mais raramente. Neste caso, os tumores primários crescem nos órgãos internos.

Outros sintomas de doença

Além do surgimento de um ou mais nódulos, o seu cão pode desenvolver outros sintomas. No caso da síndrome paraneoplásica, os veterinários detetam sintomas associados com o cancro (vómitos, comichão, perda de peso, distúrbios hormonais, por exemplo). No entanto, não surgem em resultado do crescimento do tumor em si.

Especialmente no caso dos mastocitomas, a libertação de substâncias, como a histamina, pelas células tumorais provoca também reações inflamatórias, como úlceras.

veterinário rapa o pelo do cão junto a um nódulo vermelho
Os mastocitomas são comuns nos cães. São muitas vezes chamados os camaleões dos cancros da pele.

Diagnóstico: como se deteta um mastocitoma canino?

Apercebeu-se do aumento de um nódulo ou de outras alterações na pele do seu patudo? Então, consulte um veterinário. O médico irá examinar e palpar a pele.

Ao suspeitar de um tumor, o veterinário recorre a um exame designado citologia aspirativa por agulha fina. Por outras palavras, aspira células com uma cânula fina e espalha-as sobre uma lâmina de microscópio. De seguida, o veterinário envia a amostra para um patologista. Este, por seu lado, tinge as células e examina-as sob o microscópio.

Ao detetar um mastocitoma, o patologista classifica-o de acordo com o grau (I, II e III) e o estadio. Portanto, o veterinário avalia os gânglios linfáticos circundantes e faz uma ecografia da cavidade abdominal. O objetivo é detetar possíveis metástases, por exemplo no fígado ou no baço.

Os veterinários dividem os mastocitomas em três graus histológicos:

  1. Bem diferenciado
  2. Moderadamente diferenciado
  3. Pouco diferenciado

Tratamento: como se tratam os mastocitomas caninos?

De acordo com o estadio, o grau e a localização do tumor, são vários os tratamentos elegíveis. Estes são realizados como terapia principal ou complementar:

  • Remoção abrangente do tumor (cirurgia)
  • Radioterapia
  • Quimioterapia (com prednisolona, ciclofosfamida, vimblastina, por exemplo)
  • Administração de inibidores da tirosina-quinase (masitinib, toceranib, por exemplo)

Além disso, os veterinários prescrevem medicação de suporte para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos cães. Aqui incluem-se, então, os antiácidos (omeprazol, por exemplo) que previnem as dolorosas úlceras gástricas.

Os anti-histamínicos também aliviam os sintomas alérgicos provocados pela libertação de grânulos ricos em histamina dos mastócitos.

cão a fazer quimioterapia com veterinário
Um cão com cancro faz quimioterapia por via endovenosa.

Causas: o que desencadeia os mastocitomas caninos?

Os mastocitomas malignos são causados por mutações (mutação do gene C-Kit). Têm a sua origem nas células estaminais hematopoiéticas.

O que são exatamente os mastócitos nos cães?

Os mastócitos contam-se entre as células hematopoiéticas derivadas da medula óssea. Portanto, desempenham funções importantes do sistema imunitário.

O nome destas células deriva do seu aspeto. São ricos em vesículas que contêm histamina, pelo que parecem "engordados" sob o microscópio.

Predisposição das raças: quais os cães mais afetados pelo mastocitoma canino?

O mastocitoma é o cancro da pele mais frequente nos cães. Pode surgir em qualquer idade, embora seja mais comum em cães mais velhos.

Regra geral, qualquer cão pode desenvolver um mastocitoma. Apesar disso, determinadas raças de cães apresentam um risco maior do que outras. Os boxer, os boiadeiro de Berna, os labrador retriever, os shar-pei e os weimaraner são, então, as raças mais afetadas.

Além disso, também as raças braquicéfalas (cães de focinho achatado), como os pug, têm tendência para os mastocitomas.

Prognóstico: quais as chances de recuperação?

O nível de gravidade do mastocitoma do seu cão depende de vários fatores. Falamos do estadio, dimensão do cancro (ocorrência de metástases e sintomas paraneoplásicos), localização e idade do cão.

Qual o tempo de vida de um cão com um mastocitoma?

O prognóstico de um mastocitoma de grau I ou II cirurgicamente removido é bastante favorável. Porque o índice de metástases é baixa. Nestes casos, a esperança de vida é normalmente superior a dois anos.

Por outro lado, a esperança de vida de um cão com um mastocitoma de grau III é claramente pior. Nestas situações, as recidivas são agressivas (isto é, os tumores recorrentes) e podem surgir metástases. De facto, ambas ocorrem com frequência alguns meses após o tratamento. Infelizmente, podem provocar a morte rápida do animal.

Prevenção: o mastocitoma canino pode ser prevenido?

Tal como tantos outros tumores, também o mastocima surge muito espontaneamente. Por isso, não é possível preveni-los. No entanto, algumas recomendações aplicam-se sempre: proporcione os melhores cuidados ao seu cão, além de uma alimentação equilibrada.


Franziska G., veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Gütgeman mit Hund

Estudei medicina veterinária na Universidade Justus-Liebig em Gießen, onde pude ganhar alguma experiência em vários campos, como medicina para pequenos e grandes animais, medicina exótica, farmacologia, patologia e higiene alimentar. Desde então, não trabalhei apenas como autora veterinária. Também trabalhei na minha tese, que foi influenciada cientificamente. O meu objetivo é proteger melhor os animais contra patógenos bacterianos no futuro. Além do meu conhecimento, partilho as minhas próprias experiências como dono de um cão e, assim, consigo entender e dissipar medos e problemas, bem como outras questões de saúde animal.


Os nossos artigos mais relevantes
12 min

Castração de cães

A castração constitui um procedimento de rotina na medicina veterinária – mas será sempre recomendada? Qual a diferença entre castração e esterilização?