Boxer

Boxer

Boxer

Corpulento, mas cheio de vitalidade; teimoso, mas tranquilo; pacífico, mas preparado para defender… o Boxer parece estar cheio de contradições. É esta versatilidade, porém, que o transforma num cão multifacetado.

Características dos Boxer

É facto que o Boxer é, atualmente, um cão de família, não deixando de ser um bom guarda e um excelente protetor, tal como um cão de salvamento, de acompanhamento e desportista. A sua personalidade bondosa e brincalhona permite até que os donos deixem as crianças a seu cuidado, pois é um ótimo companheiro de brincadeira. Cumprirá com coragem qualquer tarefa que lhe proponha.

Tal se deve principalmente ao facto de os Boxer serem animais ansiosos por fazerem o que lhes pedem e por isso não é nada complicado educá-los nem treiná-los. São cães de trato fácil que aprendem com rapidez e desenvolvem uma simpatia quase inocente pelas pessoas. Graças a estas e outras características, como a tranquilidade e a serenidade, são cães de família excecionais e sentem-se confortáveis mesmo perto das crianças; nem mesmo os mais rebeldes os farão perder a sua extraordinária paciência. Acima de tudo, adoram crianças e gostam de brincar, mesmo em idade mais avançada.

Sendo animais fiéis e muito unidos aos seus, não deixam escapar nenhum detalhe que possa eventualmente perturbar a «paz familiar». Perante um desconhecido mostram-se, num primeiro momento, desconfiados e distantes, e, se necessário, não hesitariam em defender e proteger a sua família. Os seus valores e determinação fazem dele um cão de guarda de enorme confiança, mesmo em comparação com outras raças frequentemente classificadas como de guarda. Um Boxer nunca ataca nem morde sem razão; se o seu dono lhe transmitir que não há motivo para alarme, rapidamente se convence das boas intenções da visita e mostra-se aberto a travar uma nova amizade. A sua temperança inata e a sua fantástica confiança em si mesmo são sinónimos de um autocontrole constante e transformam as suas características, que à superficie parecem contraditórias, num puzzle com sentido.

Características dos Boxer

O Boxer é uma raça que conquista não apenas pela sua versatilidade, como também pela sua aparência inconfundível. O seu traço mais singular é a cabeça, cujo crânio é estreito e anguloso, e a mandíbula larga e forte. Traço identificativo é também o prognatismo, que faz com que a mandíbula inferior sobressaia, e o grosso lábio superior acabe por descansar sobre os dentes inferiores. O tom escuro do seu pescoço diferencia-se nitidamente da cor da cabeça. A Federação Cinológica Internacional (FCI) reconhece o Boxer leonado e o listrado; o primeiro pode apresentar diversas tonalidades, desde o leonado claro até a um vermelho escuro, tom de cervo; os padrões da raça dão preferência a uma tonalidade intermédia: o leonado avermelhado. No caso dos listrados, as linhas escuras ou negras devem distinguir-se bem da base leonada. As manchas brancas podem ocupar, no máximo, um terço da superficie do corpo.

A estrutura forte e musculada do Boxer é acentuada pelo pelo curto, brilhante e pegado ao corpo. Apesar do seu físico robusto, está longe de ser um animal desajeitado ou lento; é possível apreciar a força e a elegância da raça nos seus movimentos ágeis, fruto do trabalho das suas firmes patas traseiras. A sua constituição é quadrada, o que significa que a altura de ombro a ombro e o comprimento coincidem. O seu pescoço estende-se desde a nuca até aos ombros, formando uma curva graciosa.

A cauda e as orelhas tendem a deixar-se crescer de forma natural. Já são bastantes os países que proíbem o corte das orelhas, prática comum nos cachorros por volta das sete semanas de idade; do mesmo modo é proibido o corte da cauda. A Federeção Cinológica Internacional não considera a amputação das orelhas ou da cauda como algo que intervenha nos padrões de raça, se bem que, por princípio, rejeita o corte de membros por questões de estética. Se não cortadas, as orelhas apresentam-se no topo e ficam bem junto das bochechas. Os olhos são escuros, tal como os contornos das pálpebras, que conferem ao animal o seu aspeto enérgico, bem característico.

História da raça

O corpulento e poderoso brabante ou Bullenbeißer – termo de origem alemã que se pode literalmente traduzir por mordedor de toros – é considerado o antecessor direto do Boxer. Durante a Idade Média, cães semelhantes a este espalharam-se por numerosos países europeus. Inicialmente eram criados para a caça de animais selvagens, como ursos ou javalis. Em Inglaterra, entre os séculos XVI e XVIII, estes populares animais foram também treinados para participar em lutas com touros, utilizando a sua preparação como animais de caça. Graças à sua mandíbula larga, mordiam com tanta força o seu oponente que conseguiam efetivamente derrubá-lo. A criação estava, nessa época, praticamente confinada a caçadores, que selecionavam exemplares de pescoço largo e nariz empinado. Georg Franz Dietrich aus dem Winckell descreve o Bullenbeißer em 1820, no seu manual de caça, relato onde é já possível entrever a imagem do Boxer atual:

«O Bullenbeißer ou Bärenbeißer é uma raça de cães não excessivamente grande, mas forte e audaz, com cabeça achatada e grossa. Possui todos os atributos pelos quais é criticada. É frequente o corte das orelhas e da cauda pelas seis semanas de idade. A sua malícia pode revelar-se perigosa para outros animais e humanos; razão pela qual não é permitido em vários países.»

 Enquanto que o tamanho e a constituição física do Bullenbeißer se aproximavam dos traços físicos característicos do Boxer, a personalidade deste cão de família, tão apreciado, não tem praticamente nada a ver com a agressividade do primeiro. Esta alteração de carácter esteve intimamente relacionada com a chegada das armas de fogo, que substituíram a prática da caça e diminuíram os números da criação. Nos finais do século XIX, deu-se o cruzamento deste animal com o Bulldogue inglês, sendo o objetivo a criação de uma nova estirpe de aparência semelhante à dos seus antepassados, mas com diferenças de personalidade. Em 1895, os criadores desta nova raça reuniram-se em Munique e fundaram o primeiro Clube do Boxer. Tinham já uma ideia clara de como devia ser: «um elegante cão de família, que longe de desajeitado ou feio, não causasse repulsa». Em suma, este padrão estabelecido em 1905 está ainda em vigor atualmente.

Criação e cuidados de saúde

O Clube do Boxer, com sede em Munique, foi o responsável pelo estabelecimento dos padrões de raça, ainda que esta competência esteja agora nas mãos da FCI. Em 1924, foi oficialmente reconhecido como cão de utilidade; inicialmente, era sobretudo criado como cão de trabalho; hoje em dia, porém, é raríssima a criação com esse propósito. Apesar dos objetivos iniciais da criação, é importante ressalvar que os membros do Clube do Boxer sempre se propuseram à evolução da personalidade da raça, e, ao longo das várias décadas de história do clube, nunca a criação se focou unicamente em propósitos estéticos ou de trabalho. Desta forma, enquanto raça, o Boxer conseguiu desenvolver ao máximo as suas diversas facetas.

Aconteceu, na década de 30 do século passado, tornar-se mundialmente conhecido, quando o cinólogo Friederun Stockmann apresentou os seus Boxer vom Dom de constituição física perfeita em numerosas exibições e concursos. O seu cão Lustig vom Dom definiu as bases para a criação do Boxer atual, uma das raças mais célebres e acarinhadas.

Além do pioneiro Clube do Boxer, existem muitas outras associações dedicadas a esta raça e espalhadas por todo o mundo, cujo trabalho inclui a organização de concursos a nível nacional e internacional. Algumas delas investem regularmente em exposições de criação e provas de rendimento.

Os padrões de raça para uma criação bem-sucedida foram determinados, tal como anteriormente, pelo Clube do Boxer, em Munique. Para a criação apenas eram selecionados animais que cumprissem todas as condições e, além da aparência e da saúde do animal, eram também tidos em conta carácter e forma física. Sem exceção, cães que não superassem estas provas eram excluídos da criação. Desde o nascimento que os cachorros são seguidos e, cumprindo com as normas estabelecidas, são inscritos no livro de origens certificado pela FCI. Estes controles tão rigorosos têm como objetivo evitar que se disseminem as doenças hereditárias. Infelizmente, os Boxer são animais com tendência para alguns problemas de saúde, como deformidades nas articulações, displasia de anca, artrose ou espondilose, um tipo de artrose que afeta a coluna vertebral. Têm também predisposição para sofrer de cardiopatias ou tumores. É então fundamental, para uma raça tão delicada, uma criação responsável. Quando se estuda a saúde dos cães da criação é não só conveniente avaliar o estado de saúde dos progenitores, como igualmente dos irmãos, meios-irmãos, avós e tios. É essencial ter isto em conta quando um criador irresponsável tem à venda animais a preços demasiado baixos. Antes de adotar um Boxer, recolha informação sobre o criador, isto de forma a evitar elevadíssimas faturas veterinárias ou, pior, a perda do seu companheiro bem antes do tempo. Ser membro de algum Clube do Boxer oficial ou ter em sua posse um livro de origens reconhecido pela FCI são alguns dos pontos que identificam um criador profissional e comprometido. Os clubes podem oferecer-lhe informação sobre como ter, cuidar e criar um Boxer, e também sobre diferentes atividades desportivas.

Alimentação do Boxer

Os cães precisam de uma dieta rica em carne. Algumas marcas, como a Royal Canin (Boxer junior ou Boxer adult), ou a Eukanuba oferecem uma oferta especialmente adaptada para os boxers.

Certifique-se de que seu cão sempre tenha água potável.

Descubra a nossa gama de snacks de treino para cães e também snacks para dentes saudáveis.

Carácter e educação do Boxer

O Boxer é um cão simples e amistoso que faz de bom grado o que lhe é pedido; porém, para que traços de personalidade positivos, como estes, sejam desenvolvidos, é imprescindível uma educação saudável e consequente. A sua obediência e vontade de aprender fazem do Boxer um aluno exemplar, e verá como a educação não tardará a dar frutos. É essencial para esta raça que o treinador mantenha a tranquilidade, a calma e o bom humor. Perante a força e a violência, revela o seu lado mais teimoso, que certamente não agradará a quem se encontre perto. Se, pelo contrário, se sentir seguro, é fiel e mostra-se totalmente disposto a aprender.

O desporto é uma das suas atividades favoritas; os Boxer são cães muito ágeis e adoram praticar bastante exercício. Gostam de longos passeios em família, de corridas com os donos e de fazer viagens. Se ao exercício ao ar livre se somarem jogos e brincadeiras, não há quem os pare. O passar dos anos não afeta o entusiasmo que sentem ao brincar com bolas, paus e brinquedos com som… e não é então de estranhar que se dêem tão bem com os mais pequenos, pois ambos partilham da mesma alegria e de um insaciável instinto de jogo. Os Boxer sentem-se como peixes dentro de água com famílias com filhos, e tal inclui lares com crianças bem novas; embora o ambiente possa ser um pouco caótico, estes animais, graças à sua temperança, sabem manter-se serenos e amáveis. Os Boxer mais jovens poderiam representar um problema se, com a sua energia transbordante, assustassem os mais pequenos – ou os seus pais. O desejo de brincadeira dos cachorros de Boxer parece não ter limites e podem agir com demasiado impulso. Para que as crias aprendam a ter cuidado com as crianças, e também com os adultos, é importante que a sua educação seja consequente desde o início; somente desta forma perceberão que, na companhia de pessoas, existem regras que devem respeitar. Não obstante, tal não significa que cães adultos que não foram educados desde cachorros não possam interiorizar as regras. Se está a ponderar adotar um Boxer de uma associação, algumas horas de treino profissional serão, sem dúvida, muito positivas para o animal; certamente voltará a ter vontade de aprender.

Devido ao seu sentido de obediência inata e ao seu gosto pela aprendizagem, os Boxer são excelentes para donos principiantes. Isto não quer dizer, porém, que um dono sem experiência não se deva informar antes sobre esta raça. Se decidiu ter um Boxer e é o seu primeiro cão, é importante aprender, além das noções fundamentais sobre a raça, algumas das regras básicas de treino e vários exercícios para que o seu novo companheiro se sinta bem durante o período de treino e transformar-se-ão numa dupla inseparável!

Os nossos artigos mais relevantes
Está a pensar adotar um Rafeiro Alentejano? Conheça todas as características da raça e se é o cão indicado para si.
Gosta de agradar, adora pessoas e é robusto: o Labrador Retriever é extremamente popular como cão de família.