Doenças hormonais em cães

doenças hormonais em cães_cão no veterinário após análises ao sangue

As hormonas são substâncias bioquímicas que atuam como mensageiros no corpo. O organismo precisa dos sinais que transmitem para manter numerosos processos orgânicos. Se o complexo equilíbrio hormonal for perturbado, o seu patudo irá rapidamente sentir-se desconfortável. As glândulas mais importantes são: hipotálamo e glândula pituitária, tiroide, gónadas como testículos e ovários, pâncreas e córtex adrenal. Existem alguns dos sinais de alerta para a presença de doenças hormonais em cães. Queda de pelo sem prurido, infeções cutâneas nas quais parasitas e alergias foram excluídos como causas, aumento da sede, fadiga, perda ou excesso de apetite.

Doenças hormonais em cães: diabetes

Uma das doenças hormonais mais comuns em cães é a diabetes mellitus ou simplesmente diabetes. Na diabetes tipo 1, a mais comum nos cães, o corpo não produz insulina, a hormona que regula o açúcar no sangue, em quantidade suficiente. Em resultado, os níves de açúcar no sangue aumentam subitamente.

A diabetes tipo 1 pode ser causada por predisposição ou infeção. Um dos sintomas mais evidentes é a sede intensa (um cão saudável bebe entre 40 a 60 ml de água por quilo, por dia) e, em consequência, aumento da micção. Muitos dos patudos perdem apetite a médio prazo e o seu pelo torna-se baço.

Desde que controlados com sucesso através de medicação, cães com diabetes podem levar uma vida normal e ter boa qualidade de vida. Para tal, o veterinário começa por medir o nível de açúcar no sangue em curtos intervalos e substitui a insulina em falta com uma injeção. Se o seu patudo tiver diabetes e ficar dependente de insulina a longo prazo, o veterinário explicar-lhe-á exatamente como lhe injetar a dose diária em casa. Em combinação com as injeções de insulina, é necessário assegurar uma alimentação equilibrada. O veterinário irá também aconselhá-lo nesta questão.

A diabetes tipo 2 ocorre sobretudo em cadelas não esterilizadas e como efeito secundário de certos medicamentos. Na maioria dos casos, é suficiente esterilizar o animal ou trocar ou fazer o desmame da medicação.

Doença de Cushing

Em cães saudáveis, as glândulas adrenais produzem adrenalina e cortisona de forma controlada. Ajudam o companheiro de quatro patas a lidar com situações de stress. A adrenalina é libertada em momentos de stress súbito. A cortisona, por outro lado, é libertada quando o stress é crónico.

Na doença de Cushing, também conhecida por hiperadrenocorticalismo, as glândulas adrenais produzem demasiada cortisona, normalmente devido a tumor. Esta doença também pode surgir como um efeito secundário de medicamentos que contenham cortisona. Tal como no caso da diabetes, os animais afetados têm mais sede. Além disso, é notável o aumento do apetite. Alterações na pele em termos de infeções, pele fina, de coloração escura ou perda de pelo, são muitas vezes observadas. Posteriormente, é comum desenvolver-se distensão abdominal, tornando-se o animal apático.

O diagnóstico é feito através de diversas análises à urina e ao sangue. Quanto ao tumor, pode ser identificado recorrendo-se a modalidades de imagem, como ecografias. Idealmente, e se o estado de saúde geral do patudo for positivo, o tumor pode ser cirurgicamente removido. Porém, a cirurgia nem sempre é possível, já que os cães mais velhos são especialmente afetados e a anestesia é mais arriscada. Em alternativa, a produção de cortisona é reduzida sob supervisão médica rigorosa.

Hipotiroidismo

Não é invulgar o hipotiroidismo ser incorretamente diagnosticado, pois são várias as doenças que afetam a tiroide. Então, em caso de dúvida não hesite em consultar uma clínica veterinária ou um especialista. Por norma, o diagnóstico exato requer uma análise especial ao sangue, isto é, que vai além dos exames regulares.

Devido a uma deficiência na tiroxina, hormona da tiroide, é frequente os cães afetados comportarem-se com apatia e indiferença. É comum procurarem zonas quentes e mostram muito apetite. Por sua vez, estes sintomas podem ser acompanhados por problemas de pele e pelo, como queda de pelo ou infeções. Alguns cães podem mostrar-se mais ansiosos ou agressivos.

O tratamento inclui a administração permanente de tiroxina e, se necessário, o tratamento de infeções cutâneas. Um suplemento alimentar rico em ácidos gordos polinsaturados pode ser útil. Cães tratados têm uma esperança de vida normal e sem sintomas.

Outras doenças hormonais em cães

São inúmeras as doenças de origem hormonal ou que podem afetar o equilíbrio hormonal. O hipertiroidismo é um exemplo de uma doença hormonal mais rara. Sintomas de hipertiroidismo, nomeadamente hiperatividade, aumento do apetite e da sede e perda de peso, podem ser evidentes em cães que ingerem goelas de vaca com frequência, pois acabam também por ingerir a tiroide da vaca.

Também rara é a doença de Addison, ou insuficiência adrenal primária. Afeta sobretudo jovens cadelas e manifesta-se em apatia, vómitos e diarreia. Regra geral, os cães afetados recebem cortisona para o resto da vida.

As hormonas sexuais também podem perturbar os animais. Por exemplo, tanto machos como fêmeas podem produzir estrogénio em excesso. Se assim for no caso dos machos, estes tornam-se subitamente atraentes para outros machos. Também as hormonas sexuais masculinas podem estar presentes em excesso em ambos os sexos - na maioria dos casos, a castração é o tratamento mais adequado.

Os nossos artigos mais relevantes
11 min

Castração de cães

A castração constitui um procedimento de rotina na medicina veterinária – mas será sempre recomendada? Qual a diferença entre castração e esterilização?
7 min

Comichão nos cães

Todos os cães sentem comichão de vez em quando, mas a comichão nos cães pode ser um sinal de parasitas ou fungos, alergias ou uma doença mais abrangente.