Pancreatite em gatos This article is verified by a vet

pancreatite em gatos

Pancreatite em gatos: Na maior parte dos casos os gatos apresentam sintomas gerais

O pâncreas é o órgão que produz, armazena e liberta as enzimas responsáveis pela digestão. No entanto, estas enzimas podem ser libertadas dentro do próprio pâncreas e desencadear um processo de autodigestão. E assim surge a pancreatite em gatos. Neste artigo encontra as informações mais importantes sobre esta doença.

A pancreatite em gatos é perigosa?

A pancreatite em gatos pode assumir a forma aguda ou crónica e ambas podem ser fatais para os gatos. Por isso é tão importante fazer um diagnóstico precoce e iniciar rapidamente o tratamento.

Quais são os principais sintomas da pancreatite em gatos?

Na grande maioria dos casos a pancreatite manifesta-se com sintomas pouco específicos. Além disso, como os gatos não costumam demonstrar que sentem dores, identificar o problema pode ser mais difícil.

Os seguintes sintomas podem ser sinais de que o seu gato tem uma pancreatite:

  • Falta de apetite
  • Fraqueza
  • Diarreia e desidratação
  • Falta de coordenação motora
  • Dificuldades respiratórias
  • Dores de barriga
  •  Vómitos

Como se faz o diagnóstico da pancreatite nos gatos?

Visto que os sintomas da pancreatite em gatos são muito gerais o diagnóstico pode ser difícil. Assim, o veterinário começa por fazer um exame geral e depois prescreve alguns exames. Por exemplo, através de análises ao sangue o veterinário verifica a presença da lípase pancreática felina. Felizmente existem hoje testes rápidos que permitem ao veterinário aceder ao resultado das análises em muito pouco tempo. No entanto, ainda que as análises indiquem que o gato tem pancreatite o diagnóstico tem de ser confirmado em laboratório.

O veterinário também costuma realizar uma ecografia para observar o pâncreas. O aumento de volume do pâncreas e acumulação de líquidos no seu interior são também sinais de pancreatite.

Quais os tratamentos para a pancreatite em gatos?

Em primeiro lugar as más notícias: regra geral os gatos com pancreatite aguda têm que ficar internados.

Em seguida o veterinário procura encontrar as causas ou fatores de risco subjacentes à doença. Por exemplo, gatos que tomem medicamentos que podem causar pancreatite devem interromper essa medicação.

Além disso, muitos gatos com pancreatite crónica também apresentam inflamações em outros órgãos situados no abdómem. Por exemplo, podem apresentar doenças intestinais inflamatórias (DII) ou colangite (infeção do sistema biliar). Naturalmente, estas doenças também têm que ser tratadas.

Para os gatos numa fase grave da doença a principal intervenção médica visa o alívio dos sintomas. Assim, o veterinário pode prescrever:

  • Terapia de fluidos
  • Alimentação adequada, e se necessários através de sonda gástrica
  • Administração de medicamentos para as dores
  • Administração de medicamentos contra enjoo e vómitos (antieméticos)

Deve aconselhar-se com o seu veterinário sobre a melhor alimentação para o seu gato. Na loja para animais zooplus encontra ração para gatos sensíveis.

Prognósticos: Qual a probabilidade de cura da pancreatite em gatos?

O prognóstico da pancreatite depende muito da gravidade da doença. Se o seu gato tiver uma pancreatite leve e for tratado rapidamente, a probabilidade de cura é elevada. Por outro lado, uma pancreatite grave que afete outros órgãos ou com complicações associadas pode ser fatal para o gato.

As pancreatites crónicas também podem ter consequências graves. A longo prazo podem causar outras doenças, como insuficiência pancreática exócrina ou diabetes mellitus.

Quais as causas possíveis de pancreatite em gatos?

Os veterinários não encontram a causa da pancreatite em mais de 90% dos casos. Nesse caso considera-se que o gato tem uma pancreatite idiopática.

No entanto conhecem-se alguns fatores de risco para a pancreatite:

  • Alimentação rica em gordura
  • Níveis altos de triglicerídeos e cálcio no sangue
  • Problemas circulatórios causados por acidentes ou intervenções cirúrgicas
  • Doenças infeciosas como por exemplo SIDA felina (FIV) ou toxoplasmose
  • Outras doenças, como por exemplo doença inflamatória gastrointestinal ou diabetes mellitus
  • Determinados medicamentos

Como posso evitar que o meu gato tenha pancreatite?

Visto que as causas da pancreatite em gatos são praticamente desconhecidas é difícil tomar medidas preventivas. No entanto existem fatores de risco, como uma alimentação rica em gordura, que deve ser evitada a todo o custo.

Encontra na Magazine zooplus mais informações sobre a alimentação dos gatos.

Informação adicional: qual a função do pâncreas?

O pâncreas é uma glândula alongada que está na cavidade abdominal dos gatos. Este órgão tem duas regiões que correspondem às suas duas funções: pâncreas endócrino e pâncreas exócrino.

O pâncreas exócrino produz enzimas essenciais para a digestão de proteínas, gorduras e hidratos de carbono. Por outro lado, o pâncreas endócrino produz hormonas que passam para o sangue e atingem todo o corpo. Entre as hormonas mais importantes estão:

  • Insulina: hormona que regula a concentração de açúcar no sangue do gato, pois promove a absorção do açúcar pelas células
  • Glucagon: esta hormona aumenta o nível de glicose no sangue e ajuda na libertação de glicose pelo fígado.
  • Somatostatina: entre outras funções, esta hormona inibe a produção de somatotropina, uma hormona do crescimento. Além disso diminui a secreção de hormonas gastrointestinais.
Os nossos artigos mais relevantes
7 min

O meu gato espirra: porquê e o que posso fazer?

Por espirro entende-se um reflexo involuntário que provoca a saída maciça de ar pelo nariz e pela boca. O objetivo deste mecanismo é a remoção do trato respiratório de corpos estranhos, como por exemplo, poeiras. Os gatos espirram frequentemente e as causas são muito variadas.