Terra-nova

Terra-nova

Terra-nova

É forte como um urso e nada como um peixe: o passado do Terra-nova como cão de trabalho, quando ajudava os pescadores a tirar as suas redes e barcos da água, é impossível de negar. A sua força, perseverança, resistência às temperaturas e paixão por nadar são características que o acompanharam até aos nossos dias, embora se tenha tornado num popular cão de família.

Características do Terra-nova

O Terra-nova é um cão cheio de alma: sempre calmo, pacífico e meigo. A docilidade dos seus fiéis olhos escuros confirma a sua personalidade benevolente e tranquila. Com todas estas qualidades, este gentil gigante é o cão de família ideal. Os Terra-nova desenvolvem uma relação particularmente especial com as crianças pois são muito pacientes. E a verdade é que também os restantes membros da família gozam do grande apreço e lealdade do Terra-nova. Esta é uma raça que aprecia os mimos e carícias de quem mais gosta e adora segui-los por todo o lado. Apesar da sua força e tamanho, é um animal sempre bem-vindo, isto graças à sua calma e à sua elevada sensibilidade. O “urso“ entre os cães não é de todo um atacante e a verdade é que raramente ladra – a sua aparência já é suficientemente impressionante. Porém, ao sentir perigo não hesitará em proteger os seus entes queridos e defendê-los, se necessário. O Terra-nova não se integra no grupo dos cães de guarda, isto apesar da sua enorme capacidade para atuar de forma independente em situações de emergência e da sua coragem, que o transforma num leal protetor.

A sua paixão pela água, que preservou até aos nossos dias, faz dele um excelente cão de resgaste. Na água, o Terra-nova sente-se como no seu habitat natural – adora nadar e mergulha sem receio nas águas mais agitadas. Exercício ao ar livre e muitas oportunidades para nadar são atividades essenciais para esta raça. A sua “pele de urso“ é resistente a temperaturas gélidas, chuva e vento, preferindo evitar o sol e resguardar-se à sombra no verão.

Aparência do Terra-nova

A aversão desta raça à luz intensa e o seu amor pela água em combinação com a sua pelagem densa e impermeável, guarnecida por um suave manto inferior, não é assim tão surpreendente.  O pelo, que faz o seu corpo forte e musculado parecer ainda mais massivo, pode, segundo os padrões de raça da Federação Cinológica Internacional (FCI), apresentar-se em três variantes de cor: preto, branco-preto e castanho.

O pelo preto, que deve ser o mais uniforme possível, é provavelmente o mais comum. No entanto, historicamente falando, a combinação branco-preto é de maior importância, dado que incidentalmente contribuiu para o desenvolvimento do Landseer.

De acordo com os padrões da FCI, são preferidos os animais com cabeça preta e uma listra branca, lombo e garoupa pretos. O resto do pelo deve ser branco, com poucas manchas. O castanho, que no Canadá não se enquadra nos padrões locais de raça, pode ir desde um castanho-chocolate até um bronze castanho-avermelhado. Manchas brancas no peito, dedos e ponta da cauda são permitidas em animais pretos ou castanhos.

O cinzento é aceite nos Estados Unidos da América. A criação de exemplares cinzentos da raça é, pelo contrário, desaconselhada, pois poderá dar-se o caso do “Blue Dog Syndrome“ e, em consequência, à queda de pelo.

Comum a todas as variantes do pelo é o manto superior moderadamente longo e a direito (uma pequena ondulação é permitida), combinado com um manto inferior forte e suave, mais denso no inverno do que no verão. Enquanto o pelo na cabeça, nas mandíbulas e nas orelhas é curto e fino, as patas dianteiras e traseiras e a cauda estão cobertas por pelo longo e denso.

As semelhanças do Terra-nova com um urso não se devem apenas à pelagem densa, mas também ao seu tamanho e musculatura impressionantes. Nos machos adultos, a altura ao garrote ronda os 71 cm, enquanto nas fêmeas adultas se fica pelos 66 cm. O corpo das fêmeas é normalmente um pouco mais longo e, consequentemente, menos massivo que o dos machos. O peso médio dos machos ronda uns respeitáveis 68 kg; as fêmeas pesam, em média, 54 kg.

neufundländer welpe im schnee

História da raça Terra-nova

Poder e resistência são características que já distinguiam os antepassados dos Terra-nova. A ilha Terra-nova, território canadiano situado no oceano Atlântico, é o local de origem da raça e de onde advém o seu nome. Estes animais resistentes à água, com a sua estatura imponente e uma imensa paixão pela água, ajudaram pescadores e marinheiros nas suas tarefas diárias. Mesmo perante condições climatéricas mais adversas, tempestade, neve e frio extremos, os Terra-nova não se deixavam abater. Como cães de água, ajudavam a puxar cargas pesadas, apanhando as redes de pesca e puxando os barcos para fora de água. Incansáveis, estes animais aventuravam-se sem receio nas águas mais revoltas, chegando a sair das fronteiras da ilha.

Embora as origens precisas desta raça sejam obscuras, pensa-se que a mesma seja um híbrido entre os cães dos primeiros pescadores europeus e os dos pescadores nativo-americanos, como os índios Micmac e os Beothuk. Os exemplares nativos dos índios cruzaram com diversos cães europeus trazidos por viajantes e colonos desde a Europa até à ilha atlântica. A densa camada de manto inferior dos Terra-nova sugere que mesmo os cães de trenó do Ártico tiveram um papel na sua génese, como os cães polares dos Innu e dos Inuit. A tese de que os enormes “cães-ursos“ pretos, introduzidos pelos Vikings por volta do ano 1100, estariam também na origem dos Terra-Nova, foi entretanto descartada.

Historicamente em primeiro lugar chamados Terra-novas, os cães rafeiros brancos e pretos que surgiram dos cruzamentos entre os cães dos nativos e os cães dos pescadores europeus, foram descritos, no século XVIII, no diário de um capitão inglês, Cartwright. A sua reputação como cães de trabalho e de resgaste depressa alastrou pela Europa e teve o seu auge no século XIX, verificando-se inicialmente o interesse das classes altas da França e da Grã-Bretanha. Chegaram até à Europa ecos dos atos de heroísmo do Terra-nova como cão de resgate, ao qual inúmeros marinheiros deveram a vida, sendo a raça difundida como de luxo.

Estes cães impressionantes foram exibidos pela primeira vez num concurso em 1860 na cidade de Birmingham, no Reino Unido. Quinze anos mais tarde, o Kennel Club inglês começou a manter um livro genealógico dedicado aos Terra-nova. Onze anos depois, em 1886, foi fundado em Inglaterra o "The Newfoundland Club", um dos mais antigos clubes de cães e o primeiro clube dedicado à criação desta raça.

Criação da raça e cuidados de saúde

Embora o Canadá seja o país de origem do Terra-nova, a Inglaterra é agora considerado o país fundador desta nobre raça de cães, pois é o berço dos primeiros padrões de raça e é também onde se deu início à criação sistemática destes animais. Nos padrões internacionais da FCI, o Terra-nova situa-se agora no número 50 do grupo 2 (pinscher e schnauzer, molosso, grande boiadeiro suiço) e na secção 2.2 (molosso, cão de montanha).

Se está interessado em adquirir um Terra-nova, deverá contactar um criador responsável cuja criação corresponda aos padrões de raça definidos pela FCI. Só desta forma se poderá garantir que esta nobre raça se mantenha pura e saudável.

Cuidados veterinários, realização de exames aos pais e aos irmãos para despistar possíveis doenças hereditárias, vacinação, uma dieta apropriada e oportunidades de socialização dos cachorros são apenas algumas das várias tarefas que um criador de cães profissional deve desempenhar e oferecer aos seus cachorros. Quase nem é preciso acrescentar que um animal cuidado desta forma não poderá ser comprado a um “preço ridículo“. Embora o preço possa variar ligeiramente dependendo do criador e da ninhada, deve estar preparado para desembolsar entre 1000 a 1500 euros por um cachorro saudável com toda a documentação. Os Terra-nova são, por vezes, oferecidos, isto em situações em que o primeiro dono já não possa manter o animal consigo, por razões profissionais ou pessoais. Em algumas circunstâncias, um rafeiro pode ser uma boa opção, pois a verdade é que mesmo em cães arraçados são visíveis os traços do Terra-nova. Se tiver sorte, o animal poderá mesmo herdar a personalidade da raça – e isto sem a suscetibilidade a determinadas doenças hereditárias.

Apesar de todas as medidas de precaução que possam ser tomadas pelo criador e pelo veterinário, a propensão dos Terra-nova para determinadas doenças hereditárias não pode ser totalmente evitada. À semelhança de outras raças de grande porte e de crescimento rápido, os Terra-nova podem padecer de problemas nas articulações, especialmente ao nível das ancas e dos cotovelos. Outras doenças como a lesão do ligamento cruzado, cardiomiopatia dilatada e cancro nos ossos são comuns nos Terra-nova.

E embora essas doenças não se possam evitar, a escolha de um criador responsável e de uma dieta e cuidados apropriados podem fazer toda a diferença. Além de conselhos relativos aos cuidados e educação a ter com o seu companheiro, o criador irá providenciar-lhe um plano alimentar para o cachorro, que deverá seguir. Tendo em conta que qualquer mudança na dieta poderá causar perturbações digestivas, lembre-se que as mudanças devem ser feitas gradualmente. Além disto, são essenciais as visitas frequentes ao veterinário, nas quais se incluem programas de vacinação, imprescindíveis para que o seu fiel amigo se mantenha forte e saudável.

Higiene e cuidados

Os Terra-nova são considerados cães muito robustos que conseguem (e querem!) aguentar frio e chuva; as condições climatéricas não desanimam esta raça. Apenas o sol poderá incomodar os Terra-nova, ao qual devem ser expostos moderadamente.

O pelo denso destes cães, que os protege perfeitamente da água e do vento, requere, naturalmente, cuidados intensivos. Escovas especiais, com as quais o pelo deve ser escovado diariamente, não podem faltar em sua casa. Pentear, por outro lado, não é recomendável, pois pode arrancar pelo saudável e magoar o animal. Tal como a pelagem, também olhos e orelhas necessitam de cuidados regulares. Para a limpeza dos dentes são normalmente suficientes ossos de roer.

Como potencial comprador, deve estar consciente dos custos implicados no cuidado de um animal tão grande e peludo. Pessoas muito dedicadas às limpezas podem não constituir os melhores donos, pois estamos a falar de um verdadeiro amante da natureza. A necessidade dos Terra-nova por atividades físicas de exterior e a paixão pelos mergulhos nos mais diversos cursos de água deve ser levada em conta no momento da sua aquisição. Uma habitação situada no meio da natureza, com o seu próprio jardim e perto de um lago, é o verdadeiro paraíso para um Terra-nova. Não são cães indicados para uma vivência urbana, pois para que estes animais se mantenham felizes não bastam longos passeios – é essencial que possam nadar para serem felizes. Experimente planear férias perto de um lago ou do mar!

O Terra-nova é então o cão ideal para famílias ativas e dinâmicas, que permitem aos seus companheiros de quatro patas participar em todas as aventuras – pois o amor dos Terra-nova pela água é igualado pelo seu amor pelas pessoas.

Os nossos artigos mais relevantes
Está a pensar adotar um Rafeiro Alentejano? Conheça todas as características da raça e se é o cão indicado para si.
Gosta de agradar, adora pessoas e é robusto: o Labrador Retriever é extremamente popular como cão de família.