Gato siberiano

Gato siberiano

Gato siberiano

O gato Siberiano é o arquétipo de uma raça natural: este felino de tamanho médio, com aspeto primitivo, constituição robusta e pelo semicomprido surgiu sem intervenção de mão humana no seu país natal, a Rússia. A criação específica desta raça inicia-se apenas nos anos 80.

Os gatos Siberianos são verdadeiros amantes da natureza. O que mais impressiona os admiradores desta raça, conhecida na Rússia, seu país de origem, como Sibirskaja koschka, é o seu aspeto e personalidade tranquilos. O seu pelo abundante está adaptado aos invernos gelados e aos verões quentes da Sibéria, conseguindo assim manter-se quente na época mais fria do ano e suficientemente leve para os meses de verão.

Aparência do gato Siberiano

O gato Siberiano tem o encanto de um gato selvagem em miniatura. A sua pelagem de comprimento médio, com uma camada superior impermeável e resistente e uma camada inferior densa, confere-lhe um aspeto semelhante ao Maine Coon e ao Bosque da Noruega. É, no entanto, notavelmente mais pequeno que um Maine Coon e tem as patas mais largas que as do Bosque da Noruega. Os Siberianos são musculados e relativamente pesados, podendo alcançar os 9 kg. Isto justifica a sua chegada à idade adulta pelos 3 anos, bastante cedo.

Os gatos Siberianos não conseguem negar as suas origens. No inverno a sua pelagem apresenta uma camada dupla, impermeável e que o mantém quente graças à camada de subpelo denso e fino. É também excecional o colar de pelo longo no pescoço e no peito. Durante a época estival, pelo contrário, estes gatos perdem a sua camada de pelo inferior, tornando o seu pelo bastante mais curto e ligeiro, ideal para os quentes meses de verão do norte da Sibéria. Não obstante, a cauda mantém a pelagem densa mesmo durante este período do ano. As madeixas de pelo entre os dedos e nas orelhas permanecem também intactos durante o período de mudança de pelo. Os gatos Siberianos têm a cabeça redonda, com a frente curvada, olhos grandes e orelhas largas e de tamanho médio. A cor dos olhos deve ser uniforme e combinar com a cor do pelo. Aceitam-se, de acordo com os padrões de raça, todas as tonalidades desde o amarelo/dourado até ao verde, e, inclusivamente, o azul e cores que não combinem, no caso de exemplares de pelo branco ou bicolor.

Tal como acontece com inúmeras raças de gatos, as várias organizações de criadores têm exigências específicas relativamente ao aspeto do gato Siberiano. Segundo a filiação da organização, o criador aplicará os padrões de raça da associação internacional de criadores a que está associada a sua organização. Isto é mais evidente no que diz respeito à cor de pelo desejada. De acordo com a organização guarda-chuva TICA (The International Cat Association), o gato Siberiano pode apresentar «todas as cores tradicionais». Todavia, esta é a única com semelhante postura, já que a maioria das organizações de criadores excluem as cores canela, chocolate, lilás e fawn. A terminologia inglesa específica dos criadores descreve cores de pelo avermelhados e acastanhados, assim como diluições, que são ligeiras variações da cor.

A variante de cor vermelha do gato Siberiano é denominada cinnamon, ou «canela», em português. O termo fawn faz referência à diluição do vermelho. Os gatos Siberianos fawn são vermelhos-bege. A palavra inglesa chocolate refere-se ao castanho como cor de base, enquanto que lilac corresponde à sua diluição.

À exceção destas, são admitidas todas as cores, padrões e partes brancas. O Siberiano é a única raça de gatos do bosque na qual é também aceite a designação de cor point. De facto, os gatos Siberianos com marcas point recebem uma designação de raça própria: neva masquerdade. A FIFe (Federación Internacional Felina) considera a neva masquerade como uma raça independente. De acordo com o padrão do gato Siberiano, nos exemplares com marcas point admitem-se igualmente os olhos azuis, e quanto mais escuros, melhor. Para mais informação sobre o Neva masquerade, pode consultar o artigo correspondente na Magazine da zooplus.

Carácter do gato Siberiano

A originalidade do gato Siberiano não é apenas visível no seu aspeto – a sua personalidade tranquila e os seus bons instintos são também motivos de alegria. Os animais desta raça são excelentes caçadores, saltando e trepando como se a sua vida dependesse disso. Dado que adoram movimentar-se, não são a raça mais indicada como gato de interior. Um pátio seguro é mais apropriado aos traços de personalidade dos gatos de bosque. Neste aspeto, são tudo menos delicados e insistem em sair para o exterior, faça chuva ou sol. Além disso, adoram água, pelo que nem a chuva nem uma tempestade de neve os conseguem impedir de explorar o exterior.

Os gatos Siberianos são muito curiosos e sabem bem o que querem. São inteligentes e adoram aventuras – não são raros os casos de gatos Siberianos que aprendem a tocar à campainha em tenra idade! É certo que são felinos com ideias próprias, sendo, portanto, essencial criá-los da forma adequada, isto para garantir que o seu pequeno gato selvagem lhe obedeça. Apesar disto, são gatos que se entregam de corpo e alma aos seus donos. Uma curiosidade – inúmeros amantes desta raça garantem ter mantido «conversas» reais com os seus companheiros de bigodes!

Em resumo, os gatos Siberianos são sinceros, autênticos e robustos, tanto no que diz respeito à sua aparência primitiva como ao seu carácter.

História

Estamos a falar de uma raça que somente se começou a criar de forma sistemática a partir dos anos 80. A partir de 1990 torna-se bastante popular entre os amantes de gatos nos Estados Unidos.

Na Rússia, seu país de origem, a denominação Sibirskaja koschka (gato Siberiano) utilizava-se principalmente como um termo coletivo para descrever os gatos domésticos musculados e com pelo denso e suave. Os gatos de pelo comprido podem encontrar-se em todas as regiões da Rússia e da Sibéria, embora em menor número do que os gatos de pelo curto.

Não é certo quando o gene do pelo comprido se terá disseminado com tanta expressão junto da povoação de gatos russa. Alguns especialistas acreditam numa mutação independente, enquanto outros dão como resposta a esta questão o cruzamento com gatos de pelo comprido do Oriente. Até mesmo no seu país nativo, a origem do gato Siberiano é um tema controverso. Durante muito tempo dava-se como certo que os gatos caucasianos selvagens seriam parentes próximos dos gatos Siberianos. Estes diferenciavam-se pela aparência física e pela textura do pelo dos gatos selvagens africanos, considerados os ascendentes de todos os gatos domésticos. Não obstante, os últimos estudos contradizem esta teoria. Um grupo de investigadores da Universidade de Oxford descobriu que os gatos domésticos de todos os continentes descendem do gato selvagem.

Os gatos de pelo comprido eram raridades na Europa até ao século XIX, razão pela qual a variedade russa chamou a atenção dos comerciantes e viajantes desde o início. Os gatos Siberianos eram já descritos em 1864 numa edição do Brems Tierleben, tendo depois figurado de forma esporádica em publicações europeias.

Os gatos de pelo comprido da Rússia integraram a primeira exposição de gatos do Crystal Palace de Londres, em 1871. Através do gene de pelo comprido herdado de maneira recessiva, apareceram de repente gatinhos de pelo longo numa ninhada de gatos de pelo curto. Estes exemplares são os que posteriormente formaram a base da criação dos gatos Siberianos.
Inicialmente, porém, a raça caiu no esquecimento depois da primeira exposição no Crystal Palace. Nesse momento, a criação de gatos Siberianos estava somente a começar. Os gatos de pelo comprido eram raridades e cruzavam-se entre si, isto para se obter descendência de pelo longo. Por isso, o Siberiano desapareceu no acervo genético dos persas e gatos semelhantes, dando lugar a outras raças de gatos mais populares e solicitadas. A situação política na Rússia soviética contribuiu igualmente para que este país desaparecesse, momentaneamente, da história no que diz respeito à criação de felinos desta raça.

Os anos 80 marcam o início de uma nova etapa para esta raça. Os gatos domésticos de pelo comprido da Rússia apareceram na República Democrática alemã, onde se estabeleceu uma raça experimental em 1985. Os gatos resultantes foram exibidos a partir de 1986. Depois disto, tudo se foi sucedendo: em 1987, o Siberiano, então denominado «gato do bosque siberiano», foi reconhecido oficialmente como raça independente. A primeira ninhada da nova raça nasceu a 12 de maio de 1988 na Alemanha de Este. O primeiro casal de gatos do bosque siberiano chegou às mãos de uma família de emigrantes da Alemanha oriental em 1987, o que deu lugar à primeira ninhada registada em 1989. A partir desse momento, a raça, então conhecida como «gato do bosque siberiano» foi ganhando mais e mais admiradores.

Mais ou menos durante a mesma época deu-se início à criação sistemática do gato Siberiano na Rússia. No entanto, cada associação de criadores listava diferentes padrões de criação, ou seja, o aspeto deste felino não era homogéneo. Os primeiros exemplares foram exportados da Rússia para os Estados Unidos da América, tendo o primeiro gato Siberiano sido acolhido num lar norte-americano em 1990. Porém, os elevados custos da importação a partir da Rússia restringiram consideravelmente a povoação de gatos russos de pelo comprido nos EUA.
Atualmente, os gatos Siberianos são já criados em todo o mundo. O nome passou de «gato do bosque siberiano» para «gato siberiano» em 1991, sobretudo para o diferenciar melhor do bosque da Noruega. A raça é reconhecida oficialmente pela World Cat Federation em 1992 e pela FIFe, em 1998. Em língua inglesa, esta raça é conhecida pelos nomes de «gato do bosque siberiano», «siberiano» ou «gato siberiano».

Cuidados

Os gatos Siberianos são fãs da natureza. Adoram movimentar-se e correr, saltar e caçar como se fosse uma questão de vida ou de morte, pelo que não são adequados para viver no interior até certo ponto. O ideal seria que pudessem ter acesso a um jardim seguro, pois gostam de trepar e arranhar as árvores, tanto pequenas como grandes, vaguear pelo mato e caçar ratos e pássaros.

O pelo comprido dos gatos Siberianos pode emaranhar-se e fazer nós com facilidade, isto devido à densidade da camada inferior. Durante o inverno e no período de mudança de pelo precisam de alguma ajuda para cuidar do seu pelo. Se habituou o seu gato a pentes e escovas desde tenra idade, por norma não será um problema penteá-lo em profundidade de dois em dois dias, assim como retirar o pelo morto e desfazer os pequenos nós. Quando começa a época estival, os Siberianos perdem a maior parte do subpelo. Oferecendo-lhes pasta de malte ou erva para gatos poderá ajudá-los a eliminar os pelos ingeridos de forma natural. Nos meses de verão, estes felinos conseguem cuidar sozinhos do seu pelo, mais curto e leve. Todavia, não apenas os gatos que tenham acesso ao exterior ganham com escovagens regulares para separar as folhas e partes de plantas que tenham ficado presas durante o passeio. Com persistência conseguirá habituá-los mais facilmente e levar a bom porto sessões de cuidado do pelo mais longas durante o inverno.

Alimentação e saúde

Além do cuidado do pelo, a nutrição com alimentos adequados é fundamental para assegurar que o seu gato Siberiano disfrutará de uma vida longa, saudável e ativa. Sendo animais carnívoros, requerem uma alimentação rica em proteínas saudáveis e apenas devem ingerir uma pequena quantidade de hidratos de carbono. Além disso, a visita anual ao veterinário poderá ajudar a detetar, de forma precoce, possíveis problemas de saúde, e esclarecer dúvidas relativamente ao cuidado e à dieta do animal.

Criação do gato Siberiano

Os gatos Siberianos são animais primitivos. Dado que a criação de gatos robustos é bastante recente, apenas se verifica a existência de problemas de saúde hereditários típicos da raça. O cruzamento de diferentes raças e o denominado «em linha» podem dar lugar a doenças hereditárias, em casos isolados. A melhor forma de as prevenir consiste num cruzamento bem pensado e profissional, evitando-se o cruzamento de exemplares com grau de parentesco próximo. Tanto os criadores como os compradores de gatos Siberianos são os responsáveis pela salvaguarda destes amantes da natureza de patologias hereditárias, isto a pensar no futuro.

Como comprador, é importante que adquira o seu gato a um criador responsável e profissional. Pequenos anúncios a divulgarem gatos de raça a preços baixos podem parecer tentadores, mas vêm frequentemente acompanhados de reveses: na maioria destes casos, o bem-estar do gato não é uma prioridade. A criação de gatos é um passatempo dispendioso e criadores cuja intenção seja lucrar demasiado com a venda acabam por poupar em comida, cuidados de saúde e num cruzamento bem planeado. Um criador que se responsabilize pelos seus animais e crias não poupa gastos nem esforços. As visitas regulares ao veterinário e os exames para deteção de problemas de saúde conhecidos, como a miocardiopatia hipertrófica e quistos renais, devem constituir o mínimo dos cuidados. Desta forma, o criador pode apresentar aos compradores os resultados dos exames mais relevantes. Um criador profissional opta igualmente por excluir da criação animais doentes e, caso necessário, submetê-los-á a operações cirúrgicas. As associações de criadores não só oferecem documentação; monitorizam também os padrões da raça. Adicionalmente, os criadores sérios são membros de alguma das numerosas associações de criadores de gatos.

Os gatinhos devem permanecer as primeiras doze semanas com a mãe e os irmãos, altura em que estarão preparados para se mudarem para o seu novo lar. Durante esta fase fulcral de impregnação, os gatinhos aprendem tudo o que os prepara para uma vida longa e saudável. Os criadores supervisionam os seus animais de forma ininterrupta e colocam ao seu dispor tudo o que necessitam nesta fase de crescimento. Estão também dispostos a oferecer conselhos e ajuda aos clientes, mesmo depois da venda.

E é claro, tudo isto é sinónimo de investimento. Para cobrir estes gastos, um criador deve pedir determinado preço por cada gato. Os gatos Siberianos provenientes de um criador registado custam aproximadamente 700 euros cada um; os futuros donos devem estar cientes deste valor elevado, caso queiram ter mais do que um gato. Em troca, terá consigo um gato bem socializado e saudável que será um fabuloso companheiro durante muitos anos. Como alternativa, poderá visitar associações protetoras dos animais, que contam com numerosos animais, incluindo alguns de raça de pelo comprido, à espera de um novo lar.

Uma fantástica vida cheia de emoções junto do seu gato Siberiano é o que lhe desejamos!

Os nossos artigos mais relevantes
O bosque da Noruega conquista facilmente o coração de toda a gente graças ao seu aspeto selvagem e personalidade genuína.
Os gatos persas são das raças mais populares, antes de adotar um gato persa fique a saber...
Os british shorthair têm uma personalidade tranquila e equilibrada o que faz deles uma raça ideal para viver em família.