Clamidiose Felina This article is verified by a vet

Gato deitado num tapete. A Clamidiose felina é uma doença bacteriana que afeta os olhos dos gatos

A clamidiose felina é uma infeção causada pela bactéria Chlamydophila felis (conhecida como clamídea). Esta bactéria geralmente é responsável pelo aparecimento de conjuntivite crónica nos gatos. No entanto, em combinação com outro vírus ou bactérias, a clamídea também está implicada no desenvolvimento da gripe dos gatos. A esta doença está associado um complexo de sintomas, como por exemplo tosse, febre e espirros. Por fim, esta bactéria pode ser transmitida aos humanos.

Características da clamídea

Chlamydophila felis é uma bactéria que rapidamente morre se não estiver dentro de células hospedeiras de um outro ser vivo, neste caso os gatos. Geralmente as células hospedeiras desta bactéria são as células epiteliais, ou seja, células da cobertura da conjuntiva da pálpebra e por isso é que os gatos desenvolvem infeções oculares. Esta bactéria tem a particularidade de ter dois ciclos de desenvolvimento que correspondem a duas morfologias diferentes:

  • Corpos elementares: Quando a bactéria está neste ciclo de desenvolvimento, ela está fora das células e portanto não tem o metabolismo ativo. Nesta fase, a bactéria está no estado infecioso. Os corpos elementares da bactéria entram então nas células epiteliais durante a fagocitose e uma vez dentro da célula continuam o seu desenvolvimento.
  • Corpos reticulares: Nesta fase, a bactéria já tem o seu metabolismo ativado e por isso multiplica-se dentro das células. Quando a bactéria está completamente desenvolvida, formam-se novamente corpos elementares que se libertam dentro do corpo infetado através da exocitose ou pela dissolução das estruturas das células.

Transmissão da clamidiose felina

A bactéria Chlamydophila felis transmite-se quer por contato direto com secreções oculares contaminadas, quer por contato indireto através de secreções do aparelho respiratório. Assim, um gato pode apanhar esta doença ao entrar em contato com uma gotícula infetada de outro gato. No entanto, os cientistas já documentaram casos de transmissão desta bactéria de humanos para gatos e vice-versa. Os gatos infetados transmitem os corpos elementares por cerca de 60 das. No entanto, como já referido, esta bactéria não sobrevive por muito tempo fora do corpo. Em locais em que vivem muitos gatos, por exemplo, em abrigos para animais, a clamidiose felina surge recorrentemente.

Existem também casos conhecidos de gatos que vivem muito tempo com a bactéria sem que esta se desenvolva plenamente. Nesses casos, os pequenos felinos não apresentam sintomas. Mas se o sistema imunitário do gato ficar enfraquecido devido à presença de outras doenças ou apenas devido ao stress, as bactérias retomam o seu ciclo de desenvolvimento e surgem então os sintomas da doença.

Principais sintomas de clamidiose felina

O sintoma mais típico desta doença é o surgimento num olho ou nos dois de uma inflamação crónica. Gatos com esta inflamação apresentam os olhos vermelhos e/ou inchados assim como secreções oculares. As secreções são claras, mas no caso do desenvolvimento de infeções secundárias, estas secreções podem ficar mais espessas e purulentas. Sem tratamento, as infeções oculares nos gatos causam sérios danos aos olhos e podem mesmo levar à cegueira.

A bactéria Chlamydophila felis também está envolvida no complexo da gripe gelina, uma doença causada por vários patógenos virais, como herpesvírus felino 1 (FHV-1), calicivírus felinoe, vírus parainfluenza e patógenos bacterianos como o micoplasma, entre outros. A gripe dos gatos apresenta os seguintes sintomas:.

  • Tosse, espirros e febre
  • Fraqueza e mal estar geral
  • Inflamação dolorosa das membranas mucosas da boa
  • Perda de apetite e por conseguinte perda de peso
  • Enfraquecimento do sistema imunitário o que aumenta o risco de surgirem outras infeções

Diagnóstico da clamidiose felina

É relativamente comum os gatos apresentarem conjuntivite. E nem em todo os casos o gato tem clamidiose felina. A conjuntivite pode ser igualmente consequência de correntes de ar fortes, fumo ou ligeiros ferimentos. No entanto, se o seu gato tem os olhos inflamados por muito tempo ou recorrentemente deve levá-lo ao veterinário.

Na consulta, o veterinário começa por recolher dados sobre o estilo de vida do gato junto dos donos. Assim, provavelmente o veterinário quer saber se o gato está ou não sempre em casa, que vacinas tomou e qual a sua dieta. Se o gato não tiver sido vacinado contra a clamidiose felina o veterinário adota vários procedimentos para determinar se ele está ou não infetado:

Recolha de uma amostra de fluidos oculares com um cotonete. Em seguida, a amostra é analisada em laboratório, por exemplo, com um teste PCR para detetar a presença da bactéria. Além disso, o veterinário pode também recolher uma amostra de sangue e verificar se o gato tem anticorpos à bactéria Chlamydophila felis. No entanto, este teste só tem validade se o gato não tiver sido vacinado contra a clamidiose felina. Além disso, é aconselhável repetir várias vezes esta análise para ter a certeza do resultado.

Fazer análises ao sangue permite também verificar a presença de patógenos relacionados com a gripe felina. Por fim, visto que a grande maioria dos consultórios veterinários não têm laboratório, os resultados das análises costumam demorar entre 1 a 3 dias para serem entregues.

Tratamento

Apesar do comportamento e ciclo de vida da Chlamydophila felis se assemelhar ao dos vírus, esta doença é tratada com antibióticos. Assim, se o seu gato tem clamidiose felina, terá de lhe pôr uma pomada antibacteriana nos olhos. Em casos mais graves, terá de lhe dar comprimidos. Pomadas oculares com cortisona só devem ser administradas se o gato não tiver uma úlcera de córnea, um problema frequente em casos de infeção com o vírus do herpes felino.

Prognóstico

Regra geral, quando devidamente tratada a clamidiose felina tem cura. No entanto, é muito importante que a doença seja detetada precocemente para evitar efeitos secundários nos olhos e para impedir que outros gatos sejam infetados. Lembre-se também que esta bactéria tem potencial zoonótico, ou seja, que pode infetar humanos. Assim, pessoas com o sistema imunitário fraco, mulheres grávidas e crianças deve ter particular cuidado ao lidar com gatos infetados.

Prevenir a clamidiose felina

Felizmente existe uma vacina contra esta doença, No entanto, a vacina impede o desenvolvimento do quadro clínico, mas não impede que os gatos fiquem infetados. Assim, é essencial que os gatos com clamidiose felina sejam tratados. Além disso, é também importante adotar medidas de higiene que evitem a propagação desta doença.


Franziska G., veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Gütgeman mit Hund

Estudei medicina veterinária na Universidade Justus-Liebig em Gießen, onde pude ganhar alguma experiência em vários campos, como medicina para pequenos e grandes animais, medicina exótica, farmacologia, patologia e higiene alimentar. Desde então, não trabalhei apenas como autora veterinária. Também trabalhei na minha tese, que foi influenciada cientificamente. O meu objetivo é proteger melhor os animais contra patógenos bacterianos no futuro. Além do meu conhecimento, partilho as minhas próprias experiências como dono de um cão e, assim, consigo entender e dissipar medos e problemas, bem como outras questões de saúde animal.


Os nossos artigos mais relevantes
4 min

A idade dos gatos

Descubra neste artigo como determinar a idade dos gatos, quantos anos vive um gato, e com que idade é que um gato se torna idoso?