Ácaros nos coelhos This article is verified by a vet

ac_1

Comichão e zonas sem pelo podem ser os primeiros sinais de uma infestação de ácaros nos coelhos. Saiba neste artigo como eliminar os ácaros o mais rapidamente possível e como evitar este problema que causa grande desconforto aos orelhudos.

Como identificar uma infestação de ácaros nos coelhos?

Muitas vezes os donos só se apercebem que os seus coelhos têm ácaros quando surgem outras doenças que debilitam o seu estado de saúde. Nessa altura, os coelhos podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Apresentar arranhões por se coçar muito
  • Queda de pelo
  • No caso de ácaros nos ouvidos: abanar a cabeça repetidamente
  • Zonas da pele vermelha e/ou com crostas
  • Formação de escamas na pele e zonas de pele mais grossa
  • O pelo deixa de estar solto e saudável
  • Nalguns casos surgem infeções causadas por bactérias ou fungos

De acordo com a gravidade e com outras doenças presentes no coelho, ele pode apresentar um mal estar geral, cansaço e perda e peso.

Causas de uma infeção por ácaros

Os ácaros podem passar rapidamente de um coelho para outro ou de outros animais de estimação para os coelhos. Além disso, alguns tipos de ácaros sobrevivem vários dias em objetos ou superfícies, ou seja, estes sobrevivem fora do hospedeiro.

Geralmente, os coelhos apanham ácaros nas lojas de animais, na altura de mudar o feno ou através do contato com outros animais. Assim, quando um coelho numa loja tiver ácaros, o mais provável é que todos tenham.

Diagnóstico

Na consulta, em primeiro lugar o veterinário recolhe informações importantes sobre o estilo de vida do coelho, tipo de alimentação, entre outras. Em seguida, mede os parâmetros vitais do seu orelhudo, como por exemplo temperatura, pulsação e frequência respiratória, e verifica cuidadosamente o estado do pelo e da pele.

Com a ajuda de uma lupa, o veterinário consegue visualizar os ácaros, que são pequenos pontos que se movem na pele ou no pelo. No entanto pode ser necessário verificar se existem ácaros no interior da pele. Para isso, o veterinário faz uma raspagem cutânea, ou seja, raspa um bocadinho da pele com uma lamina afiada. Este é um procedimento muito simples, e os coelhos mal sentem a raspagem.

O veterinário observa então a amostra de pele ao microscópio. Se existirem ácaros, o veterinário consegue identificar qual o tipo, uma informação extremamente importante para que a terapêutica seja a mais indicada e eficaz.

Coelho branco sobre a mesa do veterinário a ser examinado
Infestações por ácaros nos coelhos geralmente precisam de tratamento médico.

Tratamento dos ácaros nos coelhos

Regra geral, os ácaros não são um problema grave de saúde para os coelhos. De facto, uma infestação leve trata-se facilmente com medicamentos de venda livre. No entanto, se a infestação for mais séria deve levar o seu coelho ao veterinário que deve ser tratado com medicamentos específicos contra os ácaros. Estes medicamentos podem ser injetados ou na forma de pipetas, champô ou pomada.

Outro aspeto importante no tratamento dos ácaros nos coelhos é fazer o tratamento várias vezes. Estes parasitas têm vários estádios de desenvolvimento e por isso o tratamento só é eficaz se o medicamento eliminar os ácaros em todas as fases. Além disso, tem também que limpar muito bem todos os objetos e superfícies e colocar acaricidas. Para este fim existes sprays bastante eficazes.

Por fim, se tiver outros animais em casa eles também devem ser tratados, de forma a evitar uma nova infestação. Se seguir o tratamento e cuidados necessários, geralmente os ácaros desaparecem.

Quais os tipos de ácaros que atingem os coelhos?

Sendo aracnídeos, os ácaros têm naturalmente 8 patas e medem cerca de meio milímetro. Estes parasitas geralmente encontram-se sobre ou dentro da pele dos coelhos, onde se alimentam de restos de pele, pelos e do líquido que corre nos vasos linfáticos, a linfa. Os ácaros também podem atingir igualmente cães e gatos.

Os veterinários e especialistas identificam os diferentes tipos de ácaros pela sua forma e pelos locais onde se alojam nos animais.

Ácaros da pele

Os ácaros mais comuns nos coelhos são os denominados Cheytiella parasitivorax. Estes parasitas instalam-se na superfície ou interior da pele e raramente provocam problemas de saúde graves aos orelhudos.

Ácaros dos ouvidos

Os ácaros dos ouvidos (Psoroptes cuniculi) encontram-se, como seria de esperar, no pavilhão auricular, na base dos ouvidos e mesmo nos canais auditivos. No entanto, sem tratamento, estes parasitas podem migrar para o resto do corpo.

Os sintomas mais comuns de uma infestação com ácaros dos ouvidos são o engrossamento e a formação de crostas na pele. Em casos muito graves, estes parasitas podem causar inflamações no cérebro, provocar dores fortes e levar à morte dos coelhos.

Trixacarus caviae

Os ácaros desta espécie têm comportamentos diferentes de acordo com o género. Ou seja, só os machos é que andam em cima da pele. As fêmeas penetram nas camadas superiores da pele onde põem os ovos. Estes ácaros causam dermatites que sem tratamento adequado também podem ser fatais. Além disso, podem também causar convulsões semelhantes à epilepsia.

Neotrombicula autumnalis

As infestações com esta espécie de ácaros aumentam todos os anos entre junho e outubro. Em termos de sintomas, estes ácaros provocam comichão e perda de pelo, além de erupções cutâneas graves.

Prevenir o aparecimento de ácaros nos coelhos

Abaixo apresentamos várias dicas e truques para evitar que o seu coelho apanhe ácaros:

  • Limpe e desinfete regularmente a coelheira e todos os seus objetos. Para tal pode, por exemplo, usar água a ferver.
  • Se vai adotar um novo animal de estimação, seja um novo coelho ou outro, certifique-se que o seu novo amigo não tem ácaros.
  • Mude regularmente o feno da coelheira
  • Controle o pelo, as orelhas e ouvidos dos seus orelhudos.
  • Alguns tipos de ácaros também podem passar para os seres humanos. Assim, depois de limpar a coelheira e os acessórios do seu coelho, lave a roupa com temperaturas elevadas.

Franziska G., veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Gütgeman mit Hund

Estudei medicina veterinária na Universidade Justus-Liebig em Gießen, onde pude ganhar alguma experiência em vários campos, como medicina para pequenos e grandes animais, medicina exótica, farmacologia, patologia e higiene alimentar. Desde então, não trabalhei apenas como autora veterinária. Também trabalhei na minha tese, que foi influenciada cientificamente. O meu objetivo é proteger melhor os animais contra patógenos bacterianos no futuro. Além do meu conhecimento, partilho as minhas próprias experiências como dono de um cão e, assim, consigo entender e dissipar medos e problemas, bem como outras questões de saúde animal.


Os nossos artigos mais relevantes