Coelhos

características dos coelhos

Os coelhos encontram-se entre os animais de estimação mais populares do mundo. Não é de estranhar – as suas orelhas compridas, pelo macio e olhos doces derretem o coração de qualquer um. Ao mesmo tempo, são considerados animais sociais, fáceis de cuidar e manter, além de económicos. Mas serão os coelhos os animais de companhia perfeitos? Neste artigo encontra inúmeras dicas, desde o que deve ter em conta antes de adquirir um coelho até como agir para corresponder às suas necessidades de espécie.

Comportamento

Até os coelhos têm as suas necessidades particulares

Estatisticamente, na lista dos animais de estimação mais populares do mundo, os coelhos, com as suas divertidas orelhas, estão em terceiro lugar – imediatamente a seguir aos gatos e aos cães. Não são nem demasiado grandes nem demasiado pequenos, são de confiança, comprar e manter um é bastante acessível economicamente e são poucas as suas exigências. Lamentavelmente, esta imagem nem sempre corresponde à realidade. Em consequência deste erro de julgamento, muitos coelhos são mantidos de forma pouco apropriada. Vivem em gaiolas pequenas, não tem contacto com outros animais da mesma espécie e raramente têm a oportunidade de sair do compartimento. Mesmo que não o demonstrem de forma direta, os coelhos têm necessidades significativas, as quais não devem, de modo algum, ser ignoradas pelos donos.

Dois coelhos – melhor que um

Uma das necessidades mais básicas dos coelhos é o seu desejo por interação e comunicação com outros exemplares da mesma espécie. E não são os humanos, nem outros pequenos animais, como porquinhos-da-índia, que irão satisfazê-los. Nem mesmo uma criança, que se dedique ao animal várias horas por dia, irá conseguir preencher a ausência de outro coelho. Em suma, um coelho nunca deve ser mantido sozinho. Se está interessado em adquirir um destes roedores como animal de companhia é fundamental que tenha consciência de que deve comprar pelo menos dois. Se optar por apenas dois, o melhor é ter um casal. Assim sendo, o macho deve ser castrado, já que as fêmeas podem entre cinco a dez crias por ano. Deste modo, a castração não só evita a multiplicação indesejável como também reduz as possibilidades de guerras territoriais e de estatuto, habituais em ambientes com diversos machos.

Cavar, esconder e outras brincadeiras – um coelho precisa de atividade

A necessidade de movimento e atividade dos coelho é muitas vezes subestimada, mas é transversal – gigantes ou anões, todos os coelhos precisam de espaço e de sair da sua habitação. Uma gaiola comercial não é suficiente como alojamento permanente. Em ambiente selvagem os coelhos correm e cavam passagens e caves subterrâneas, onde se reúne todo o grupo. No caso dos coelhos domésticos, este tipo de liberdade não é possível; apesar disso, os donos podem esforçar-se para satisfazer este instinto natural. Um recinto exterior com as maiores dimensões possíveis ou, por outro lado, um recinto interior estruturado com possibilidades de brincadeira diversificadas, combinado com saídas regulares da gaiola, são imprescindíveis para o coelho.

Um parque no jardim é o ideal

Os coelhos podem viver todo o ano no exterior, desde que o parque seja composto por uma zona de retiro abrigada, onde os animais se possam refugiar quando as condições climatéricas não forem as mais favoráveis (muito frio ou muito calor). Falamos de uma casinha de madeira, de um tronco oco de uma árvore, por exemplo. Colocar um cercado grande, seguro e protegido contra as intempéries no seu próprio jardim será o que se aproxima mais das necessidades destes amorosos roedores. Tendo oportunidade e as condições, o melhor é mesmo construir uma habitação no seu jardim. Preciosas dicas e material para a construção podem ser encontradas em lojas para animais e na Internet. O ideal é uma área cercada com cerca de seis metros quadrados, onde os coelhos possam libertar as energias a seu bel-prazer. Além do tamanho, é também importante que a superfície esteja bem protegida, tanto na parte superior como na inferior. O cercado deve ser fixado o mais fundo possível no chão, impedindo que os diligentes cavadores consigam fazê-lo por debaixo da grade. No topo, tanto um telhado como uma grade farão o papel de proteção dos coelhos contra gatos ou outros inimigos.

Os coelhos podem viver em apartamentos?

As saídas para o jardim são ideais, mas mesmo quem more num apartamento na cidade não tem que largar o sonho de ter o seu próprio coelho. Proporcionar conforto e bem-estar num apartamento é possível, apenas têm que ser respeitadas algumas condições. Um coelho que fique todo o dia numa pequena gaiola irá atrofiar psicologicamente. Neste sentido, certifique-se de que o animal tem a oportunidade de sair da gaiola algumas horas por dia. Para evitar que os coelhos se metam onde não devem, isto é, debaixo de tapetes, por entre cabos, tomadas ou plantas de interior, crie uma área de segurança. Assim, não precisa de estar sempre a olhar pelo animal. Por outro lado, é importante existirem oportunidades de ocupação e esconderijos: tocas e passagens feitas com vasos, troncos ocos, tubos, raízes e casinhas para dormir idealmente dispostos em vários níveis e ligados por rampas.

Equipamento básico

O que é necessário numa casota para coelhos?

  • Casas para dormir;
  • Objetos para brincar, movimentar-se e esconder-se;
  • Dispensador de feno
  • Garrafa de água indicada para pequenos animais.
  • Se além da casota tem também uma gaiola para coelhos, permita-lhes estar no jardim durante o dia e leve-os de volta para a gaiola à noite, apetrechando-a com feno e água fresca.
  • O chão da gaiola deve ser protegido com jornal, fácil de tirar e de substituir após a limpeza. Por cima do jornal disponha uma camada de substrato e palha.
  • É ainda recomendável disponibilizar ao coelho raízes, ramos ou pedaços de casca para este roer. A verdade é que os dentes dos coelhos estão em constante crescimento e têm que ser desgastados de forma natural.

Alimentação

De que se alimentam os coelhos?

Ao contrário de nós, os coelhos têm músculos gastrointestinais fracos. Assim, não é possível que a comida seja transportada pela contração dos músculos pelo trato gastrointestinal. Os coelhos fazem a digestão comendo constantemente. O processo é simples: a nova comida empurra a comida já presente no organismo do animal. Feno, colocado, por exemplo, num dispensador apropriado, deve estar sempre disponível para o animal. Porém, este não é suficiente para suprir as necessidades energéticas dos coelhos, pelo que ração, vegetais e fruta frescos e forragem integram também a sua alimentação. Os alimentos preparados devem ser disponibilizados como um suplemento. Em suma, o importante é certificar-se de que o coelhinho se alimenta de forma variada e absorve as quantidades de fibra de que precisa. Caso o animal tenha excesso de peso, tal significa que a sua dieta é demasiado calórica. Aconselhe-se com o seu médico veterinário sobre as mudanças nutricionais que pode fazer.

 

kleines Mädchen füttert hase

Os coelhos ingerem as próprias fezes?

Uma particularidade dos coelhos é que ingerem uma parte das suas próprias fezes, diretamente do ânus. Estas fornecem aos animais nutrientes essenciais e vitamina B. É somente através da excreção e da assimilação das fezes que as vitaminas decompostas são utilizadas pelo organismo. Mesmo que a cena o irrite, por favor, não impeça o seu coelho de o fazer, pois trata-se de um comportamento natural. A ingestão das fezes é essencial para uma digestão saudável e vital para a saúde do roedor.

 

Saúde e cuidados

Os problemas digestivos e as sequelas associadas constituem um sério problema de saúde para os coelhos. Na verdade, grande parte destas doenças está relacionada com o sensível sistema digestivo destes animais. Além das óbvias causas genéticas, os transtornos digestivos são muitas vezes precedidos por uma alimentação indevida e problemas dentários. A falta de desgaste dos dentes, em rápido crescimento, ou o facto de os dentes nascerem tortos, são condições a serem discutidas logo que possível com o veterinário. Infelizmente, os coelhos tendem a “silenciar” as suas queixas, pelo que os sintomas só são evidentes para os donos mais tarde.

De forma a detetar alterações tão cedo quanto possível existem alguns comportamentos a ter:

  • Check-ups regulares aos dentes;
  • Atenção aos comportamentos alimentares e à digestão dos animais;
  • Os exames de rotina no veterinário não devem também faltar;
  • Toma das vacinas recomendadas, tais como as contra a doença hemorrágica viral dos coelhos e a mixomatose.

 

Limpeza do lar dos coelhos

A higiene tem um papel fundamental para a saúde dos animais. A limpeza da gaiola (ou qualquer outro tipo de alojamento pelo qual tenha optado), na sua totalidade, é uma das tarefas principais. O substrato deve ser substituído e o chão limpo com água quente. Se mantém o animal no interior do apartamento e forra o chão com mantas ou tapetes, estes devem também ser lavados com frequência. Tanto o comedouro como a garrafa de água e a casa de banho (normalmente, trata-se de um canto da gaiola ou cercado ou uma espécie de casa de banho semelhante à dos gatos forrada com substrato para coelhos) devem ser limpos diariamente. Água bem quente, possivelmente misturada com um pouco de vinagre, é suficiente para este propósito. Produtos de limpeza antibacterianos só são necessários caso o animal esteja doente.

 

Será o coelho o animal de estimação indicado para si?

Ninguém arriscaria dizer o contrário – os coelhos são animais amorosos e dóceis. No entanto, no que toca ao trabalho que dão, não diferem de outras espécies. A verdade é que a gaiola não se limpa sozinha e, mesmo que o dono se encontre ausente, o animal irá continuar a querer comida fresca, água e uma habitação limpa. Assim, antes de adquirir um coelho deve ponderar cuidadosamente – será que tenho a disponibilidade requerida para lhe oferecer uma vida confortável? Os coelhos podem alcançar os 10 anos de vida. Podemos dizer que como “animais de teste” não são de todo os mais indicados. Antes de comprar estes roedores, pense onde e como os gostaria de manter.

 

  • Tem espaço suficiente no seu jardim ou apartamento para um recinto amplo para coelhos?
  • É possível que alguns membros da família sejam alérgicos ao pelo dos animais?
  • Que membros da família sem encarregariam dos cuidados de higiene e de limpeza?
  • Quem tomaria conta dos coelhos na sua ausência?

 

Quanto melhor se preparar para os seus companheiros de orelhas compridas e quanto melhor estiver definida a atribuição das tarefas de limpeza e de higiene, mais divertido será desfrutar da companhia destes animais tão sociais.

 

Coelhos e crianças

É bastante comum as crianças pedirem aos pais um animal de estimação, mas é também natural que não compreendam a extensão dos cuidados a ter. Os pais devem ter consciência de que a maior parte do trabalho vai sobrar para eles. As crianças pequenas sentir-se-ão sobrecarregadas com a limpeza do cercado (ou gaiola), ao passo que os mais velhos, que já podem assumir algumas responsabilidades, devido a motivos escolares ou profissionais não poderão comprometer-se com as tarefas durante dez anos. Ainda assim, na maior parte dos casos, os coelhos são benéficos para as crianças: aprendem a ser responsáveis e a ter em conta as necessidades de outros seres vivos. A interação com estes sociáveis roedores é sinónimo de alegria e de conforto em momentos mais difíceis. Se deseja concretizar o sonho do seu filho mas tem receio de eventualmente o trabalho ficar todo para si, recomendamos que se dirija a um abrigo para animais, onde poderá encontrar um coelho mais velho. Deste modo, estará não só a dar uma segunda oportunidade a um belo animal como também a testar a hipótese de manter um coelho durante um período de tempo mais alargado.

Compreender a linguagem dos coelhos

Os coelhos são animais bastante comunicativos e que interagem através de sons e de linguagem corporal. Ao compreender a sua “língua”, é mais simples ter em consideração as suas necessidades específicas. Até mesmo as crianças aprendem rapidamente a interpretar as posturas corporais destes roedores e a reagir em conformidade. Apresentamos, abaixo, uma visão global dos possíveis comportamentos:

  • O coelho espalma-se no chão, com as orelhas na horizontal. Na natureza, este gesto indica que o coelho se submete a outro. E mesmo os coelhos domésticos têm esta atitude quando tocados por pessoas, sendo sinónimo de desconforto e de ansiedade. Enquanto dono, deixe o animal só, tranquilo. Um novo contacto deve ter início muito cautelosamente.
  • O coelho mantém-se imóvel, sentado com os olhos abertos. Este comportamento é igualmente um sinal de que o roedor não deseja ser tocado nem interagir com pessoas. Em ambiente selvagem, os coelhos adotam esta atitude quando já não lhes é possível fugir do inimigo – o objetivo é fazerem-se “invisíveis”.
  • O coelho senta-se direito e levanta as orelhas – cuidado! O animal está pronto para atacar. Se, além disso, rosnar, o melhor é afastar-se dele.
  • O coelho tamborila com as pernas da frente, de forma decidida, no chão. Esta é a forma de os coelhos se alertarem uns aos outros. Pode acontecer que o animal sinta perigo e queira avisar os companheiros.
  • O coelho espalma-se no chão, vira-se de lado ou de costas e estica os membros – parabéns! Isto significa que o animal se sente verdadeiramente bem, seguro e descontraído.
  • O coelho salta e corre pelo cercado – excelente! O seu pequeno roedor parece ter um habitação suficientemente espaçosa. Ao contrário do que acontece na natureza, onde os coelhos se pretendem livrar dos inimigos correndo, os coelhos domésticos revelam com este comportamento pura alegria.

 

Tanta variedade!

Dada a sua personalidade comunicativa e sociável, os coelhos podem tornar-se preciosos companheiros. Um dono que aprenda a estar atento às necessidades dos animais, fornecendo-lhes oportunidades de exercício em boas doses e cuide da alimentação, higiene e limpeza, terá o prazer de ter na sua companhia um coelho tranquilo e feliz. Se na Idade Média estes roedores só eram criados como fontes de alimento e de pele, atualmente gozam de enorme popularidade enquanto animal de estimação. Não é então de estranhar que existam tantos coelhinhos domésticos. Entre as espécies mais conhecidas contam-se o coelho-anão (pesa menos de 2 kg), os coelhos de pelo comprido, como o angorá, o lop, com as suas orelhas caídas para os lados, ou o coelho-gigante (pesa mais de 5 kg!). Deixemos a questão no ar: qual a espécie que pretende adotar?

Os nossos artigos mais relevantes

Furão

Está a pensar comprar ou adotar um furão? Conheça as características deste animal, tipo de alimentação, cuidados de saúde etc.

Hamster

Conheça as características dos hamsters e os cuidados que deve ter.

Ouriço pigmeu africano

Os ouriços estão entre animais domésticos e exóticos. Saiba como os pode adotar e que cuidados deverá ter com a sua alimentação, saúde entre outros.