Caracóis gigantes

Caracóis gigantes: caracol na mão de uma pessoa

O caracol gigante africano é um dos maiores caracóis terrestres.

Como o nome deixa antever, os caracóis gigantes são dos maiores do mundo. Estes caracóis podem atingir até 30 centímetros de comprimento. O habitat natural destes animais é muito variado e, por isso, encontramos estes caracóis no continente africano, em países tropicais e ainda em zonas pantanosas.

O aspeto dos caracóis gigantes

Nestas espécies de caracóis ativas durante a noite, a concha é de forma cónica e pode aingir entre 7 e 10 centímetros de diametro. No entanto, a concha afunila na ponta traseira. A concha costuma ser acastanhada, mas pode variar de acordo com a dieta. Por fim, com um comprimento médio de 20 centímetros, estes caracóis pesam até 500 gramas.

O grande pé, que permite que os caracóis se movam, constitui grande parte do corpo e as antenas e boca estão localizadas na cabeça. Tal como se passa com os moluscos, a boca destes caracóis tem uma rádula, uma estrutura muscular semelhante a uma língua. No entanto, a rádula tem várias filas de pequenos dentes que servem para o animal raspar e assim ingerir a comida. Por fim, os órgãos reprodutivos encontram-se no interior da concha.

Os caracóis jovem apresentam todas as características dos adultos, especialmente no que se refere ao aspeto da concha, diferindo apenas no tamanho. Por fim, existem também caracóis destas espécies na América do Sul. No entanto, nesta região eles são mais pequenos. Atingem apenas cerca de 10 centímetros de comprimento e 100 gramas.

Biodiversidade: espécies e subespécies

Existem diversas espécies e subespécies de caracóis gigantes que pertencem à família Achatinidae. As diferenças estão no aspeto da concha, tamanho, cores e formato. Entre estas a espécie Achatina achatina originária da África ocidental e a espécie Achatina fulica, que vive na África oriental são das mais conhecidas. Entre as subespécies mais conhecidas estão a Achatina immaculata e a Achatina reticulata que se encontra principalmente na Tanzânia e no Zanzibar.

Caracóis gigantes: um caracol de perfil sob fundo branco
Como o nome indica, o caracol gigante africano é originário de África.

Origem dos caracóis gigantes

Os caracóis gigantes são originários do continente africano. No entanto, com o tempo eles chegaram a outras regiões do mundo, como os países tropicais da América do Sul.

Estes caracóis protegem-se do calor e da seca que subsiste nestes países durante o verão, entrando numa espécie de hibernação. Durante esta fase, os caracóis passam vários dias sem se mexer e quase não comem. Além disso, a concha torna-se mais espessa nessa altura o que ajuda a que fiquem protegidos do calor. O período de hibernação dos caracóis gigantes depende da espécie. Por exemplo, os caracóis da espécie Achatina fulica geralmente reduzem significativamente a atividade sem entrar em hibernação. Já os caracóis da espécie Achatina achatina suspendem a atividade até 10 semanas e os da espécie Achatina immaculata dormem entre 2 e 5 meses.

A alimentação dos caracóis gigantes

Estes caracóis noturnos costumam dedicar cerca de duas horas por dia a alimentar-se. Neste período eles comem maioritariamente plantas, mas não sendo animais exigentes também comem fruta e vegetais.
No entanto, em cativeiro não dê frutos cítricos aos seus caracóis, já que o ácido naturalmente presente nestas frutas é prejudicial à sua saúde. Assim, aos caracóis que vivem em terrários dê-lhes cascas de banana, fruta e vegetais. Como fonte de proteína, dê aos seus caracóis comida em flocos com carne ou peixe. Pode também dar-lhes ração para gatos ou cães. Nesse caso misture água e tenha em atenção os ingredientes, já que os caracóis não devem ingerir sal ou cobre. Por outro lado, dado que o principal mineral presente nas conchas é o cálcio, a dieta dos caracóis deve incluir fontes de cálcio, como por exemplo osso de choco.

Em estado selvagem, os caracóis procuram comida quando a humidade do ar está elevada e a temperatura está acima de 24 graus. No entanto, os caracóis evitam a exposição direta ao sol, preferindo enterrar-se e dormir quando o sol está alto. Um aspeto muito interessante nestes animais é a sua capacidade de se lembrarem onde encontraram comida. Assim, os caracóis visitam regularmente locais onde se alimentaram para ver se encontram mais alguma coisa.

Caracol a comer uma fatia de pepino
Os caracóis gigantes comem principalmente plantas e pequenas ervas.

Cuidados com os caracóis gigantes

O terrário

Em cativeiro, os caracóis gigantes devem viver em terrários. No entanto, o tamanho do terrário e a temperatura interior do mesmo depende muito da espécie e local de origem dos animais. Por exemplo, os caracóis da espécie Achatina achatina precisam de um terrário grande devido ao seu tamanho. Naturalmente, quantos mais caracóis tiver, maior tem de ser o terrário. Assim, um terrário com 5 caracóis deve ter pelo menos 80 x 50 x 50 cm. Durante o dia a temperatura no terrário deve ser de 29 graus e durante a noite baixar para os 24 graus.

Por outro lado, se tiver caracóis da espécie Achatina fulica pode ter até 8 exemplares num terrário do mesmo tamanho. Em termos de temperatura, estes animais gostam de menos calor. Assim, durante o dia o terrário deve ter uma temperatura de cerca de 25 graus e durante a noite 22 graus. Para manter as temperaturas constantes dentro do terrário, pode instalar tapetes ou lâmpadas de aquecimento. Lembre-se que é muito importante manter a temperatura do terrário nos valores indicados para as espécies de caracóis, caso contrário eles podem ter problemas de saúde.

Outro aspeto importante é manter a humidade elevada dentro do terrário. Pode, por exemplo, usar um borrifador para humedecer o ambiente do terrário e um higrómetro para verificar o nível de humidade. Também no que se refere à humidade, os valores variam com a espécie. Por exemplo, os caracóis Achatina achatina precisam de um ambiente com níveis de humidade entre os 85% e 90%. Já a espécie Achatina fulica prefere um ambiente ligeiramente mais seco, com humidade a 80%.

Decoração do terrário

Para cobrir o chão do terrário pode usar terra ou húmus. Coloque também ramos e plantas que fazem parte do habitar natural dos caracóis. Pode ter também caixas de cortiça, madeira e musgo no terrário. Visto que os caracóis se alimentam das plantas é aconselhável ter várias em casa. Assim, quando uma planta fica mais comida substitua-a e deixe-a recuperar fora do terrário. Dessa forma, tem sempre plantas saudáveis para os seus caracóis. Por fim, coloque também uma tijela com água no terrário, onde os caracóis possam beber água e tomar banho.

Companheiros de terrário para os caracóis gigantes

Os caracóis gigantes devem viver sempre com outros exemplares, mas não com outras espécies de animais como, por exemplo, sapos. Contrariamente ao que possa pensar, o problema nesta convivência é para os sapos, que rapidamente ficam sem comida, já que os caracóis devoram tudo o que podem.

Quantos anos vivem os caracóis gigantes?

Em terrário, os caracóis gigantes vivem até cerca dos 10 anos. Estes animais são bastante robustos em termos de saúde e com uma boa alimentação e um habitat adequado são muito fáceis de cuidar.

Comprar caracóis gigantes

Encontra caracóis gigantes em lojas de animais mais especializadas em animais e acessórios para terrários. Encontra igualmente criadores ou donos de caracóis gigantes na internet que comercializam estes animais. O preço dos caracóis depende muito do tamanho, idade e espécie.

Os nossos artigos mais relevantes
11 min

Gecko Leopardo

Descubra mais sobre o comportamento e cuidados a ter com os Gecko Leopardo assim como informações sobre as características que o seu terrário deve ter.
11 min

Camaleões

Que terrário tem de comprar, o que comem os camaleões, que cuidados deve ter, como manter o terrário de forma a que o camaleão esteja saudável...
10 min

Dragão Barbudo

O Dragão Barbudo é um réptil muito popular pois com alguma paciência estes répteis podem ser domesticados e tornarem-se mesmo bastante dóceis.