Camaleões

Poucos grupos de répteis são tão fascinantes como os camaleões. Olhamos para eles como seres fantásticos de tempos imemoriais que fazem lembrar dragões. E com alguma razão, pois os camaleões surgiram na Terra entre 60 e 100 milhões de anos. Os camaleões são excelentes habitantes para um terrário, pois chamam à atenção de quem os observa com a sua capacidade de se camuflarem ao mudarem a cor da pele e ficarem quase invisíveis. Aqui pode ler mais sobre esta capacidade única dos camaleões e o seu sofisticado comportamento.

Os camaleões no reino animal

Os camaleões são animais vertebrados que pertencem à ordem Squamata, a ordem dos répteis escamados e, mais especificamente, ao grupo dos lagartos. No entanto, estes répteis têm a sua própria família, a Chamaeleonidae. Por sua vez, esta tem duas subfamílias, a Chamaeleoninae, a que pertencem os camaleões propriamente ditos, e a Brookesiinae, a que pertencem répteis pequenos originários da África Central e Madagáscar. Estas duas subfamílias ainda se dividem em géneros:

Chamaeleonidae Brookesiinae
Bradypodion Brookesia
Calumma Thampholeon
Chamaeloe / Trioceros
Furcifer

Klaver & Böhme

A maior parte das espécies de camaleões pertence à subfamília Chamaeleonidae e vivem em arbustos e árvores. A espécie com maior dimensão é a Furcifer oustaleti, (Camaleão-de-oustalet ), cujos exemplares podem atingir 80 centímetros de comprimento. Por outro lado, a subfamília Brookesiinae tem apenas 40 espécies, os animais vivem no chão e atingem no máximo 16 centímetros de comprimento. Os animais da espécie Brookesia micra têm no máximo 29 milímetros e são os répteis mais pequenos que conhecemos na Terra.

Onde vivem os camaleões?

Investigadores da área da evolução das espécies consideram que os camaleões já existiam no período Cretáceo. Em estado selvagem, estes animais vivem apenas em alguns locais da Terra, ao contrário do que acontecia há milhões de anos, quando os camaleões estavam dispersos pelo planeta. Ao longo dos seus milhões de anos de existência, os camaleões adaptaram-se a diferentes ambientes e surgiram novas espécies com diferentes aspetos. Atualmente, os camaleões encontram-se principalmente na África central e Madagáscar. Nestas zonas vivem 80% das espécies mencionadas. Populações mais pequenas podem ser igualmente encontradas no Sul da Península Ibérica, em algumas ilhas do Mediterrâneo, Médio Oriente e mesmo no Sri Lanka. Os camaleões adaptaram-se a viver em florestas tropicais, desertos e savanas. E podem habitar tanto em ramos de árvores, como em arbustos baixos ou mesmo no chão.

Aspeto

Considerados deslumbrantes, impressionantes e bizarros, os camaleões são conhecidos pelo seu semblante colorido. Mas nem todas as espécies de camaleões são coloridas, na verdade, algumas são muito discretas. A anatomia dos camaleões também varia muito, de acordo com a espécie. Assim, existem camaleões que parecem ter um capacete na cabeça, outros têm focinhos alongados e outros ainda possuem pequenos chifres que despontam na zona do nariz. Algumas espécies possuem escamas especiais em forma de serrilha ao longo da coluna, na garganta ou na barriga. O tamanho das escamas pode igualmente variar. Enquanto nalgumas espécies, o tamanho das escamas é regular em todo o corpo, noutras, as diferentes partes do corpo estão cobertas por escamas de tamanhos e formas diferentes. Pode dizer-se que o aspeto dos camaleões tem uma diversidade quase infinita.

O habitat perfeito para os camaleões da subfamília Chamaeleonidae são as árvores e os arbustos. A cauda destes animais pode ser muito comprida e atingir uma vez e meia o tamanho do corpo e a sua função é servir como uma quinta garra. Por outro lado, a cauda dos camaleões das outras subfamílias é significativamente menor. Outra característica anatómica dos camaleões são as patas em forma de pinça com escamas especiais com propriedades adesivas, possibilitando assim que estes animais escalem, por exemplo, árvores e arbustos maiores.

Olhos

Os olhos dos camaleões são uma das suas características mais admiradas, pois são telescópicos e movem-se independentemente em todas as direções. Assim, o camaleão consegue aperceber-se de tudo o que se passa ao se redor. Os olhos dos camaleões giram dentro de torreões abobados, ou seja, estão completamente protegidos pelas pálpebras. Estas apresentam apenas um pequeno orifício ao centro para a pupila. Pode parecer incrível, mas através desta pequena abertura o camaleão observa o ambiente à sua volta com bastante precisão.

A constituição do globo ocular dos camaleões é única no Reino Animal. Através de uma forma única de processar a luz, os camaleões conseguem aumentar de forma extraordinária um determinado aspeto do ambiente que os rodeia e vê-lo nitidamente. É como se os camaleões tivessem um zoom de uma máquina fotográfica incorporado no olho. Especialistas afirmam que os camaleões podem ver clara e nitidamente até 1 quilometro de distância. Neste processo, o camaleão deforma a perceção visual até 30 dioptrias e assim consegue calcular com elevada precisão a distância até à presa. Desse modo, o camaleão sabe até onde deve projetar a sua língua para capturar a presa.

Língua

Outro aspeto característico dos camaleões é a sua língua extremamente comprida. Nalgumas espécies, a língua tem o tamanho do corpo, mas noutras espécies pode ser ainda mais comprida. Trata-se de um órgão muscular e pegajoso com muita força, através do qual o camaleão consegue capturar, numa fração de segundo, a sua presa indefesa. Inicialmente pensava-se que os camaleões produziam uma secreção especial para prender a presa à língua. No entanto, a rapidez e força com que o camaleão projeta a sua língua e atinge a presa produz uma espécie de efeito de sução que a impede de fugir.

Comportamento

Os comportamentos dos camaleões são muito interessantes e variados. Por exemplo, estes animais usam diversas formas de comunicação. Além das conhecidas alterações de cor, os camaleões podem emitir sons semelhantes a assobios, podem exibir comportamentos ameaçadores abrindo a boca, inchando ou achatando o corpo ou fazendo movimentos com a cauda. Não é aconselhável manter os camaleões com outros animais, pois a maioria vive solitariamente e a partilha de espaço com outros animais pode ser stressante.

Mimetismo

Os camaleões são mestres no que diz respeito à capacidade de mudança de cor ou mimetismo. No entanto, cada espécie de camaleão tem a sua própria palete de cores e padrões. Contrariamente ao que muitos pensam, a mudança de cor é principalmente um meio de comunicação que indica o estado emocional ou de saúde do animal e não tanto um meio de camuflagem. Por exemplo, camaleões fêmea indicam através das cores a sua disponibilidade para acasalar ou o seu estado de gravidez. Por sua vez, os machos indicam poder e posse de território. Algumas doenças também podem causar mudanças de cor. Este processo é muito complexo e envolve subcamadas da pele com células de pigmento e de cristais.

Cuidados de saúde

Se pretende criar um camaleão, é aconselhável informar-se antecipadamente sobre os cuidados e necessidades dos camaleões, assim como sobre as características das diferentes espécies, pois os camaleões têm necessidades muito específicas relativamente ao espaço onde habitam e ao microclima. Não é possível reproduzir a 100% o ambiente natural dos camaleões num terrário, mas consegue criar um ambiente adequado para o seu novo animal de estimação.

Onde pôr o terrário

Provavelmente vai precisar de mais espaço do que imagina para o seu camaleão. Além do terrário principal, precisa de outro para manter os alimentos vivos e possivelmente outro para uma quarentena ou criação. Além disso, os camaleões devem ficar num local onde não são perturbados durante a noite com luz ou vibrações. E mesmo durante o dia, os camaleões preferem, em geral, estar em locais calmos.

Tamanho

Os camaleões da subfamília Chamaeleonidae vivem em árvores e por isso o terrário deve ser alto. Por outro lado, os da subfamília Brookesiinae precisam de mais espaço térreo. Se puder, faça um terrário com um tamanho um pouco maior do que o mínimo.

Chamaeleonidae Brookesiinae
Área do fundo (3 x CCC*) x (4 x CCC) (6 x CCC) x (4 x CCC)
Altura 6 x CCC 4 x CCC

*CCC significa o comprimento da cabeça e corpo, ou seja, o comprimento total do animal menos a cauda

Terrário

Os terrários que encontra nas lojas da especialidade devem ser adaptados às necessidades da espécie de camaleão que adquirir. Por exemplo, algumas espécies precisam de muito ar fresco, que os terrários convencionais não conseguem satisfazer. Assim, é preciso ampliar as entradas de ar fresco do terrário antes de o seu novo habitante chegar. Terrários de vidro também devem ser revestidos com painéis de cortiça, pois os camaleões não conseguem distinguir um animal verdadeiro da imagem espelhada. Sem esta alteração no terrário, o camaleão estará em stress permanente por pensar que está na presença de outro animal.

Luz, temperatura e humidade

Para poderem ver bem, os camaleões geralmente precisam de muita luz. Por isso, os terrários devem ter iluminação artificial com lâmpadas fluorescentes. Para os camaleões que são animais de sangue frio, e portanto, gostam de calor, é aconselhado usar refletores que ajudam a manter a temperatura corporal elevada. O terrário deve ser iluminado entre 11 e 13 horas por dia. Muitos camaleões gostam de uma temperatura de 30 graus durante o dia e até 15 graus durante a noite. Estas temperaturas atingem-se facilmente com iluminação artificial. É igualmente aconselhável criar pontos quentes onde a temperatura chegue até aos 35 graus. Além disso, a maioria dos camaleões precisa de um nível elevado de humidade, ou seja, níveis entre 70 e 100%. Para manter estes níveis de humidade pode borrifar regularmente o terrário, assim como o próprio camaleão. Por fim, para controlar a humidade do ar no terrário pode usar um higrómetro.

Configuração do terrário

Os camaleões da subfamília Chamaeleonidae adoram trepar. Assim, é crucial ter um terrário com muitas plantas e troncos que possibilitem escalar. O fundo do terrário deve consistir numa camada de cascalho coberta por uma camada de areia e turfa. Para estes camaleões, o ideal é acrescentar por cima uma camada de folhas.

Do que precisam os camaleões? Um resumo:

  • Terrários pré fabricados ou construídos especialmente para eles
  • O tamanho do terrário varia consoante a espécie viva em árvores ou no chão (consulte a regra)
  • Elevada necessidade de ar fresco
  • Paredes de vidro revestidas com cortiça (e assim evitar o efeito espelho)
  • Temperaturas entre os 30 graus (dia) e 15 graus (noite)
  • Iluminação artificial de acordo com a espécie
  • Elevada humidade (de 70 a 100%)
  • Fundo do terrário coberto de uma mistura de areia e turfa
  • Plantas em altura que permitam ao camaleão escalar e esconder-se
  • Outros animais: os camaleões são animais solitários
  • Os camaleões gostam de ambientes o mais sossegados possível

O que é que os camaleões comem?

Os camaleões alimentam-se de comida viva, como por exemplo, gafanhotos, grilos ou baratas. Animais maiores também comem ratos. Também pode dar ao seu camaleão qualquer tipo de fruta. Em termos de frequência, os camaleões adultos comem a cada dois ou três dias, enquanto os jovens comem diariamente. Por fim, deve dar água ao seu camaleão regularmente através de uma pipeta.

Conclusão

Os camaleões são animais exigentes e nem todos são adequados para uma vida num terrário. De acordo com especialistas, as espécies Furcifer lateralis, Furcifer pardalis e Chamaeleo calyptratus são as indicadas para ter em casa. Pretende adquirir um camaleão? Nesse caso aconselhamos vivamente que compre o seu novo animal de estimação a um criador. Assim, terá a possibilidade de obter informações e dicas preciosas sobre os cuidados que deve ter em primeira mão.

Desejamos que se divirta muito com o seu novo amigo!

Artigos relacionados
Artigos relacionados

Os nossos artigos mais relevantes