Lipoma nos cães This article is verified by a vet

O lipoma nos cães é uma situação sem particular gravidade, mas que deve ser tratada quando o nódulo se torna grande

Sentiu um nódulo na pele do seu cão? Pode tratar-se de um lipoma.

Encontrou um nódulo na pele do seu patudo? Então, ele pode ter um lipoma, ou seja, massa de gordura localizada por baixo da pele. Neste artigo encontra várias informações sobre o lipoma em cães incluindo os riscos deste problema e prognóstico.

O lipoma em cães é perigoso?

O lipoma é um tipo de tumor benigno que geralmente não implica risco de vida para o patudo. No entanto, nalguns casos os lipomas atingem tamanhos consideráveis e devem ser tratados. Existem também os lipossarcomas, um tipo de tumor maligno que se espalha rapidamente. Felizmente, raramente os cães desenvolvem liporssarcomas.

Quais os principais sintomas do lipoma nos cães?

Quando o lipoma é relativamente pequeno, os cães não apresentam quaisquer sintomas. Geralmente quando fazem festas ao seu patudo, os donos encontram o nódulo, ou seja, um alto na pele que se move facilmente. Contrariamente a nódulos inflamatórios, zona do lipoma não está mais quente do que o resto do corpo e o patudo não demonstra dor quando tocado.

Se o nódulo for muito grande é possível que dificulte a locomoção do patudo. Isto acontece principalmente quando o lipoma está localizado perto de uma articulação ou de músculos principais.

O lipoma infiltrativo

O lipoma infiltrativo é uma forma especial de lipoma. Como o nome indica este tipo de tumor tem um caráter difuso, ou seja, não está localizado e delimitado a uma zona do corpo. No entanto, é também um tumor benigno.

Jack Russel Terriers em pé com um enorme lipoma na coxa.
Jack Russel Terriers com um enorme lipoma na coxa.

Diagnóstico do lipoma

Se encontrou um nódulo no seu cão não hesite em levá-lo ao veterinário, pois é essencial saber se é um tumor benigno ou maligno. No consultório, o veterinário começa por fazer um exame geral a seu patudo, medindo a frequência cardíaca e respiratória, verificando o estado das mucosas e a temperatura corporal. Por fim, faz uma apalpação cuidadosa ao nódulo.

Em seguida, o veterinário recolhe uma amostra do tecido da massa para biopsia através de uma agulha muito fina que causa muito pouco ou nenhum desconforto ao patudo. A biopsia é o exame que verifica o tipo de células do nódulo e assim saber se o mesmo é benigno ou maligno. Entre os tipos de tumores malignos que se sentem ao toque está, por exemplo, o mastocitoma.

Em casos raros, o veterinário precisa de recolher uma amostra de tecido maior. Nesses casos o patudo é sedado, visto que a agulha usada é maior e pode causar dor.

Qual o tratamento do lipoma?

O veterinário remove o lipoma através de uma pequena cirurgia, um procedimento médico simples e seguro. Este tipo de intervenção nada tem a ver com cirurgias para tratamento de tumores malignos.

Antes de fazer a operação, o veterinário seda o cão e em seguida raspa o pelo na zona do nódulo. A seguir a desinfetar a pele, o veterinário faz uma incisão na pele e retira a massa.

Se o cão tiver um lipoma infiltrativo ou um tumor maligno, ele pode precisar de fazer radioterapia ou quimioterapia. Nalguns desses casos o veterinário opera o patudo para retirar parte ou a totalidade do tumor.

Cão a andar no jardim com uma cicatriz na zona dianteira após remoção de um lipoma
Aspeto da pele após a operação para remover o lipoma.

Quais as causas do lipoma nos cães?

O lipoma é um tumor benigno que se desenvolve nos adipócitos ou seja, nas células de gordura. Na grande maioria dos casos, o nódulo fica na zona subcutânea da pele. No entanto, surgem também lipomas nos músculos e no tecido adiposo de órgãos internos. Por fim, alguns patudos apresentam lipomas em diversos locais do corpo.

A origem dos lipomas não é ainda totalmente clara, mas alguns especialistas pensam que os lipomas podem ser de origem hereditária. O que sabemos com certeza é que este problema é muito mais comum em cães de meia-idade ou séniores do que em cães jovens e cachorros.


Franziska G., veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Gütgeman mit Hund

Estudei medicina veterinária na Universidade Justus-Liebig em Gießen, onde pude ganhar alguma experiência em vários campos, como medicina para pequenos e grandes animais, medicina exótica, farmacologia, patologia e higiene alimentar. Desde então, não trabalhei apenas como autora veterinária. Também trabalhei na minha tese, que foi influenciada cientificamente. O meu objetivo é proteger melhor os animais contra patógenos bacterianos no futuro. Além do meu conhecimento, partilho as minhas próprias experiências como dono de um cão e, assim, consigo entender e dissipar medos e problemas, bem como outras questões de saúde animal.


Os nossos artigos mais relevantes
12 min

Castração de cães

A castração constitui um procedimento de rotina na medicina veterinária – mas será sempre recomendada? Qual a diferença entre castração e esterilização?