Fisioterapia para cães

fisioterapia para cães

A fisioterapia é indicada para cães que sofrem de dor crónica.

O seu patudo sofre de artrose ou foi diagnosticado com uma hérnia discal dolorosa? Então talvez seja tempo de pensar em levá-lo à fisioterapia. Saiba em que situações é que a fisioterapia para cães faz sentido e quais os riscos associados.

Em que consiste a fisioterapia?

A fisioterapia é um tipo de tratamento conservador. Em oposição a uma cirurgia invasiva, a intervenção fisioterapêutica não tem um efeito radical.

A função curativa da fisioterapia é obtida quando o fisioterapeuta animal atua em zonas específicas do corpo. Então, se, por exemplo, o cão tem dores nas articulações ou tecidos inflamados, a fisioterapia pode ajudar a aumentar a circulação sanguínea e a acelerar o processo de cura.

Aplicações: quando é que a fisioterapia é útil para os cães?

A fisioterapia é aplicada em várias doenças. O foco desta abordagem terapêutica são as doenças do sistema motor, como os músculos ou as articulações.

A fisioterapia faz sentido nas seguintes situações:

  • Problemas neurológicos (por exemplo, hérnias discais)
  • Doenças articulares (por exemplo, artrose, desalinhamentos)
  • No âmbito do tratamento da dor
  • Perturbações musculoesqueléticas (por exemplo, fraqueza muscular, luxação)
  • Antes e depois de operações (na sequência de acidentes, por exemplo)
  • Aumento da mobilidade (em cães idosos ou desportistas, por exmplo)

Quais as modalidades de fisioterapia para cães?

Existem várias modalidades de fisioterapia para cães. Para restabelecer ou melhorar as funções corporais, os fisioterapeutas caninos utilizam os seguintes métodos:

Massagens

Cães feridos não conseguem movimentar suficientemente os músculos durante um longo período de tempo. Em consequência, os músculos ficam tensos e aderem ao tecido conetivo circundante.

Ao massajar as áreas afetadas recorrendo a pressões, o fisioterapeuta canino consegue, por vezes, desfazer estas ligações. Além disto, as massagens ativam a circulação sanguínea e aliviam o stress.

Exercício terapêutico

Movimentos orientados aceleram o desenvolvimento muscular e melhoram a coordenação. O fisioterapeuta de cães pode esticar passivamente os membros ou treiná-los ativamente com slalom, exercícios no trampolim ou corridas de obstáculos.

Passadeira aquática

Outra modalidade de fisioterapia para cães recorre a passadeiras aquáticas. Os terapeutas usam a água para reduzir o peso do paciente.

Devido à maior resistência, o treino é também mais eficaz do que no ar. Assim, a massa muscular cresce sem causar tanto impacto nas articulações. Os fisioterapeutas caninos usam frequentemente esta forma de tratamento para problemas crónicos nas articulações ou obesidade.

fisioterapia para cães
Com a ajuda de uma passadeira aquática os cães podem treinar os músculos sem sobrecarregarem as articulações.

Termoterapia

Na termoterapia, diferentes temperaturas contribuem para o processo de cura. Enquanto o calor aumenta a circulação sanguínea e relaxa os músculos, o frio alivia a inflamação e a dor aguda.

Acupunctura

A acupunctura conta com uma longa tradição nas medicinas humana e veterinária. Quando o fisioterapeuta de cães introduz agulhas muito finas em determinadas áreas do corpo, a sensação de dor crónica do cão diminui. O efeito baseia-se, entre outras coisas, no facto de a circulação sanguínea aumentar e do estímulo desencadeado estimular o sistema nervoso vegetativo.

Terapia com laser

Ainda que a terapia com laser pareça perigosa, não há motivo para recear. O laser não é doloroso para o seu cão. Os raios laser consistem em raios de luz agrupados que penetram através da pele em profundidade. Esta terapia aumenta a circulação sanguínea, acelera o processo de cura e a dor passa.

Os veterinários podem ajustar os raios laser a cada situação. Por esta razão a terapia com laser é frequentemente utilizada em lesões musculares e dos tecidos.

fisioterapia para cães
Os raios laser penetram nos tecidos em profundidade e estimulam as células a curar-se.

Eletroterapia de média frequência

A eletroterapia de média frequência também faz parte do repertório da fisioterapia para cães. Os fisioterapeutas caninos colam os elétrodos à pele do cão. Estes libertam impulsos elétricos, estimulando, assim, as fibras musculares espontânea e naturalmente. Consequentemente, o sistema musculoesquelético regenera mais rapidamente.

Quais os riscos da fisioterapia para cães?

Se o fisioterapeuta fizer o seu trabalho corretamente, o risco de efeitos secundários é bastante baixo. No entanto, se sobrecarregar alguma das partes do corpo a ser tratada ou não adaptar a fisioterapia à condição de saúde atual do animal, pode magoar ou provocar reações inflamatórias. Assim, é fundamental adaptar sempre a fisioterapia ao estado de saúde atual.

O que ter em atenção após a fisioterapia para cães?

Ainda que as sessões de fisioterapia já tenham terminado, isto não costuma significar que o corpo regenerou totalmente.

Sobretudo depois de lesões graves ou em casos de doença crónica, como desgaste das articulações, é importante continuar a fortalecer os músculos e articulações. Deixe que o fisioterapeuta canino lhe indique os exercícios que pode fazer em casa e ao que deve estar atento.

Se notar que o animal ainda está ou voltou a estar coxo, é recomendável dirigir-se novamente ao veterinário. Este pode optar entre mais fisioterapia ou, se necessário, por operar.

Os nossos artigos mais relevantes
11 min

Castração de cães

A castração constitui um procedimento de rotina na medicina veterinária – mas será sempre recomendada? Qual a diferença entre castração e esterilização?