Dragão Barbudo

Dragão Barbudo

O Dragão Barbudo é um réptil muito popular e não apenas pelo seu aspeto fascinante. Também com alguma paciência estes répteis podem ser domesticados e tornarem-se mesmo bastante dóceis. Além disso, mesmo que seja um novato na área dos répteis pode ter um Dragão Barbudo. No entanto, é importante saber quais as espécies que existem e os cuidados a ter com um destes répteis.

Características do Dragão Barbudo

Estes animais são répteis diurnos e existem oito espécies documentadas. A espécie mais comum entre os amantes de répteis e jardins zoológicos é o Pogona vitticeps, um animal de porte médio com cerca de 50 a 60 centímetros. Os Dragões barbudos são originários da Austrália e as várias espécies distribuem-se por todo o continente.

A origem das espécies de dragões barbudos

  • Pogona microlepidota, Noroeste da Austrália
  • Pogona minima, Austrália ocidental
  • Pogona mitchelli, Noroeste da Austrália
  • Pogona nullarbor, Centro sul da Austrália
  • Pogona barbata, Leste da Austrália
  • Pogona vitticeps, zona central e sul da Austrália
  • Pogona minor, zona oeste a central da Austrália
  • Pogona henrylawsoni, Noroeste da Austrália central

No entanto, as espécies mais populares entre os amantes de répteis são o Pogona vitticeps ou Dragão Barbudo comum e o Pogona henrylawsoni ou Dragão Barbudo de Rankin.

Habitat natural

Tal como mencionado, estes répteis vivem no continente australiano. No entanto não se encontram Dragões Barbudos nas regiões mais húmidas, como nas zonas mais extremas do sudeste e sudoeste australiano. Assim, o habitat natural destes animais são as zonas secas como os semidesertos, zonas áridas e rochosas e ainda florestas secas com pouca vegetação.

O aspeto do Dragão Barbudo

O aspeto peculiar destes répteis chama bastante à atenção. De acordo com a imaginação de quem os vê, eles podem parecer pequenos dragões, dinossauros miniatura ou mesmo criaturas míticas. A longa cauda, as escamas pontiagudas e a "barba" na zona inferior do pescoço e nos lados da cabeça tornam este réptil facilmente identificável. Outra particularidade destes animais é a sua reação quando se sente ameaçado pois nessa altura eriçam as escamas da garganta e cabeça formando um impressionante leque. Além disso, as escamas pontiagudas no dorso também ficam eriçadas.

A cabeça destes répteis tem a forma triangular. De cada lado encontra-se uma abertura oval que corresponde ao ouvido do Dragão Barbudo. O olho parietal, também conhecido por terceiro olho, situa-se na parte superior do crânio. Este órgão permite ao Dragão Barbudo percecionar as diferenças de brilho.

A pele dos Dragões Barbudos é especialmente grossa e protegida por uma densa camada de escamas. Assim, estas espécies de repteis estão particularmente bem protegidas contra os raios ultravioleta, ferimentos e perda de líquidos. Trata-se, portanto, de um animal perfeitamente adaptado ao seu habitat seco e quente. As cores de base das escamas do Dragão Barbudo são o cinzento, o bege e o castanho avermelhado, ou seja, o espetro de cores mais aproximado das cores das zonas desérticas da Austrália. Desta forma o Dragão Barbudo está camuflado e seguro contra predadores. No entanto, eles também podem mudar de cor se necessário. Por exemplo, quando estão ao sol e querem aquecer-se, as escamas ficam pretas para melhor absorver o calor. Mas se o calor for em excesso, as escamas ficam claras e brilhantes, de forma a refletir a luz do sol.

Quais as diferenças entre machos e fêmeas?

Não é possível distinguir um Dragão Barbudo fêmea de um macho à primeira vista. Assim, para saber qual o sexo do seu Dragão Barbudo tem que observar a parte inferior da cauda, onde se situam os órgãos sexuais. Os machos apresentam duas bolsas nessa zona, as chamadas protuberâncias hemipénias. Por outro lado, as fêmeas apresentam apenas uma bolsa.

Características do Dragão Barbudo

Se quer um ter um lagarto no seu terrário no qual possa também tocar, então o Dragão Barbudo é uma ótima opção. Estes répteis desenvolvem uma relação de confiança com os donos e parecem gostar da companhia. No entanto, contrariamente a outros répteis, os Dragões Barbudos são animais solitários e defendem energeticamente o seu território. Só durante a época do acasalamento é que estes lagartos procuram um companheiro. Quando dois Dragões Barbudos se encontram eles comunicam através da linguagem corporal. Por exemplo, o comportamento dominante expressa-se através de acenos rápidos com a cabeça, com a boca aberta e com movimentos rápidos da cauda. Estes répteis lutam frequentemente pelo controlo do território em estado selvagem.

Os Dragões Barbudos são animais fortes, com pernas musculosas as quais lhes permitem correr com velocidade considerável. Além disso são também caçadores habilidosos e de sucesso. Tal como os outros répteis diurnos, também os Dragões Barbudos têm sangue frio. Assim, como não conseguem reter o calor, precisam de se aquecer ao sol. Com os cuidados adequados o seu Dragão Barbudo pode fazer-lhe companhia durante 10 a 15 anos.

A hibernação dos Dragões Barbudos

Em estado selvagem estes répteis hibernam dois a três meses no inverno. Durante este período o seu metabolismo desacelera consideravelmente e o animal permanece quase inativo. É importante criar as condições no terrário para que o seu Dragão Barbudo também possa hibernar, mantendo assim o seu ciclo de vida natural. Para preparar a hibernação tenha em atenção os seguintes fatores:

  • A hibernação dura 2 a 3 meses
  • A hibernação começa em novembro ou dezembro
  • A temperatura do terrário deve baixar para os 18°C durante 3 semanas
  • Reduza o período de iluminação do terrário para 7 a 8 horas por dia, até desligá-la completamente
  • Reduza gradualmente a quantidade de comida até retirar completamente uma semana antes da hibernação
  • Deixe água fresca sempre à disposição do seu Dragão Barbudo
  • Passadas 3 semanas aumente lentamente a temperatura e a iluminação do terrário

Cuidados a ter com o Dragão Barbudo

Visto que estes répteis são animais solitários, eles devem viver sozinhos no terrário. No entanto, se pretender ter um grupo de Dragões Barbudos só deve ter um macho por grupo. As espécies mais adequadas para viver em grupo são o Pogona vitticeps e o Pogona henrylawsoni.

Os Dragões Barbudos também conseguem conviver com outras espécies de lagartos. No entanto, para tal eles devem ter as mesmas necessidades de temperatura. É também importante que os companheiros dos Dragões Barbudos sejam relativamente grandes para não serem confundidos com comida. Pode por exemplo ter um Lagarto de gola. No entanto, se não tem muita experiência com répteis é aconselhável começar por ter apenas um.

Características do terrário

Os Dragões Barbudos andam geralmente no chão e por isso o terrário deve ser bastante largo. Assim, para um casal de Dragões Barbudos o tamanho aconselhado é:

  • 160 cm x 80 cm x 80 cm (Comprimento, Largura, Altura) para os Pogona vetticeps
  • 120 cm x 60 cm x 60 cm (Comprimento, Largura, Altura) para os Pogona henrylawsoni

Os Dragões Barbudos gostam de viver em locais com temperaturas entre os 28 e os 30°C devido ao seu funcionamento metabólico. Assim, é este o intervalo de temperatura aconselhado para o terrário. Além disso, o terrário deve ter zonas com temperaturas diferentes e locais onde o seu Dragão possa apanhar sol.

É igualmente importante manter o terrário com uma humidade baixa, de cerca de 40 por cento. A ventilação e iluminação devem ser apropriadas à espécie. Por exemplo, os Dragões Barbudos precisam de um ciclo de luz de cerca de 12 a 13 horas por dia na primavera. No entanto, a necessidade de luz diminui no outono para cerca de 10 horas.

Aspetos técnicos do terrário

Temperatura – Holofotes para criar os locais ensolarados

– Tapetes de aquecimento no chão

– Zonas com diferentes temperaturas

– Termómetros colocados em vários locais do terrário

Ventilação – O terrário deve ter uma boa circulação de ar. Para tal a tampa assim como as paredes laterais do terrário devem ter orifícios.
Iluminação – O terrário deve ter iluminação exterior

– A fonte ideal de luz deve ser a luz florescente UV

– Zonas obscuras

– Temporizador para controlar o tempo de iluminação

Cuidados a ter com o terrário

Os Dragões Barbudos precisam de uma superfície lisa, livre e grande. No entanto, eles também são grandes trepadores e por isso é aconselhável ter elementos para escalar. O chão do terrário deve ser coberto com um substrato robusto. Além disso, as paredes traseiras podem ser cobertas por uma tela que dá privacidade e também a possibilidade de escalar. Por fim, as plantas não têm qualquer influência na vida dos Dragões Barbudos. Assim, se tiver plantas o seu efeito é meramente decorativo. Pode por exemplo ter plantas suculentas, como Agave.

É importante limpar o terrário diariamente de fezes e urina. Além disso, é aconselhável trocar completamente o substrato pelo menos duas vezes por ano, ou sempre que este estiver muito sujo.

Os Dragões Barbudos também gostam muito de tomar banho. Assim, é a sua higiene é muito simples. Para o banho deve ter um pequeno recipiente de plástico e a água deve estar a cerca de 30°C. Tenha atenção ao nível da água porque o seu Dragão Barbudo deve ter sempre a possibilidade de ficar de pé dentro de água.

A alimentação do Dragão Barbudo

Estes répteis comem alimento vivo. Assim, pode dar-lhe pequenos insetos como grilos, gafanhotos ou baratas. Também deve dar plantas ou vegetais como complemento. Por exemplo, pode dar dentes de leão, trevos ou margaridas no verão e alface ou cenoura no inverno. Para evitar deficiências de vitaminas ou minerais pode dar-lhe suplementos. E por fim, ao ter sempre uma taça com água fresca no terrário tem a certeza de que o seu lagarto não fica desidratado.

Resumo

  • Origem das espécies: Austrália
  • Habitat: regiões semidesérticas, florestas secas
  • Peso: Entre 35 e 400 gramas, de acordo com a espécie
  • Esperança de vida: 10 anos ou mais
  • Tamanho do terrário: 160 cm x 80 cm x 80 cm (Comprimento, Largura, Altura) para um casal de Pogona vetticeps. 120 cm x 60 cm x 60 cm (Comprimento, Largura, Altura) para um casal de Pogona henrylawsoni
  • Companhia: Sozinho, em casal ou harém
  • Temperatura do terrário: 28 – 33 °C
  • Humidade do terrário: 40 % durante o dia
  • Substrato para cobrir o chão: cascalho fino ou areia vermelha argilosa
  • Elementos adicionais: pedras lisas, raízes, ramos e plantas suculentas
  • Alimentação: animais e plantas
  • Características particulares: ativo durante o dia, hiberna no inverno
  • Comportamento social: animal solitário
  • Problemas de comportamento: agressivo contra outros machos
  • Convivência com outros lagartos: Por exemplo, lagartos de gola

Esperamos que esta informação mostre que é fácil e recompensador ter um Dragão Barbudo. Esperamos que se divirta muito com o seu novo réptil.

Os nossos artigos mais relevantes
10 min

Gecko Leopardo

Descubra mais sobre o comportamento e cuidados a ter com os Gecko Leopardo assim como informações sobre as características que o seu terrário deve ter.
10 min

Camaleões

Que terrário tem de comprar, o que comem os camaleões, que cuidados deve ter, como manter o terrário de forma a que o camaleão esteja saudável...
9 min

Dragão Barbudo

O Dragão Barbudo é um réptil muito popular pois com alguma paciência estes répteis podem ser domesticados e tornarem-se mesmo bastante dóceis.