Doenças urinárias e venéreas nos cães

doenças urinárias nos cães

Doenças urinárias nos cães

Problemas em urinar podem ser sinal de doenças urinárias nos cães. Nestes casos, consulte de imediato um veterinário, pois só um profissional poderá fazer um diagnóstico preciso para livrar rapidamente o seu cão deste problema.

Além do mais, anomalias no trato urinário podem ser a manifestação de doenças resultantes de um maior consumo de água. Podem, então, conduzir a poliúria, isto é, à micção excessiva. Alguns exemplos são doenças renais ou diabetes.

Este artigo foca-se apenas em duas doenças comuns do aparelho urinário. Porém, os sintomas nesta parte do corpo podem também atribuir-se a stress, tumores, doenças da próstata ou da medula ou a malformações congénitas.

Formação de cálculos renais ("pedras nos rins")

Uma doença comum do aparelho urinário são as chamadas "pedras nos rins". Tratam-se de pequenos cristais na urina que irritam as mucosas e que se podem aglomerar, formando grandes cálculos renais. A irritação das mucosas conduz a infeções recorrentes da bexiga. Estas podem ser acompanhadas dos seguintes sintomas:

  • Constante necessidade de urinar
  • Dor ao urinar
  • Perdas frequentes de pequenas quantidades de urina
  • Alterações no cheiro e/ou cor da urina (sangue na urina)

Se o seu patudo apresentar estes sintomas, leve-o de imediato ao veterinário. Por um lado, é uma doença bastante dolorosa. Por outro, há o risco de os cálculos renais obstruírem o fluxo da urina. Estes casos rapidamente se podem tornar fatais. Em suma, quanto mais cedo o seu cão for tratado, melhor é o prognóstico.

Doenças urinárias nos cães: incontinência

A perda ocasional de algumas gotas de urina passa muitas vezes despercebida. Porém, à medida que o patudo tem cada vez menos controlo sobre a bexiga, o problema é bem real. As cadelas esterilizadas e as cadelas seniores, cujo esfíncter está enfraquecido, são as mais afetadas. O excesso de peso pode ainda contribuir para incontinência. Além disto, cães de grande porte têm maior predisposição para incontinência do que os pequenos.

As causas de incontinência podem, no entanto, ser doenças internas. Por esta razão é tão importante consultar um veterinário aos primeiros sinais.

Lembre-se: os cães têm excelente olfato e, como animais asseados, acham as imprevistas poças de urina tão horríveis quanto os donos. Assim, ao encontrar restos de urina nunca castigue o patudo.

Regra geral, o veterinário poderá ajudar. A toma diária de comprimidos promove a capacidade de contração do esfíncter, conduzindo, assim, à melhoria dos sintomas. Mesmo em casos de incontinência por inflamação da bexiga, o veterinário pode ter uma solução rápida.

A incontinência também pode ser causada por hérnias discais, tumores ou artrose da coluna. Por outro lado, incontinência provocada por motivos psicológicos, como insegurança, afeta, por norma, cães muito jovens ou ansiosos. Se estes animais forem fisicamente saudáveis, pode contrariar-se a ansiedade com treinos orientados.

Doenças venéreas (órgãos sexuais) nos cães

São diversas as causas para problemas de saúde nos órgãos sexuais. Logo que detetadas deve consultar um veterinário. Abaixo encontra um resumo das principais doenças dos genitais, que também podem ser afetados por tumores.

Doenças venéreas contagiosas

As infeções bacterianas podem provocar sintomas na área genital dos nossos patudos. Entre as bactérias mais comuns contam-se E. coli, Staphylococcus e Streptococcus. Estas causam inflamações inespecíficas. Os sintomas gerais incluem fadiga, perda de apetite e dor na zona afetada, como os testículos.

A brucelose canina é uma das doenças bacterianas que se especializa no trato genital. Esta doença contagiosa é bastante comum no Reino Unido, no sul de França, na Roménia e na Hungria. Manifesta-se nos machos através de orquite e epididimite e nas fêmeas em abortos, endometrite e infertilidade.

Especialmente durante o acasalamento pode transmitir-se o tumor venéreo transmissível, sarcoma que conduz à formação de tumores nas membranas. Esta doença verifica-se sobretudo nos países do Sul e em cadelas com sistema imunitário enfraquecido. As células cancerígenas penetram, então, nas membranas da vagina e desenvolvem úlceras em semanas.

Os cães podem ainda padecer do herpesvírus canino. Infelizmente, os cães adultos raramente apresentam sintomas, mas podem transmitir o vírus aos cachorros. Na verdade, o herpesvírus canino é a principal causa de morte em cachorros até às três semanas. A taxa de mortailidade dos cães infetados desta idade é quase de 100%.

Malformações congénitas

Malformações congénitas também podem levar a problemas na zona genital. Veja-se o exemplo da criptorquia: ausência de ambos os testículos do escroto em animais com cerca de dois meses. Estes encontram-se ainda na região abdominal ou no canal inguinal.

São raros os casos em que a terapia hormonal é útil e apenas até aos seis meses de idade. A partir daí, o canal inguinal é demasiado pequeno e só se deve considerar o tratamento cirúrgico. A criptorquia é motivo para excluir o animal da criação.

Em alguns machos, a abertura do prepúcio é demasiado pequena, impedindo a exteriorização do pénis. Além de dificuldades durante o acasalamento, a fimose pode também manifestar-se durante a micção. Na verdade, os animais afetados não conseguem urinar "de jato". Por norma, a constrição do prepúcio é congénita. Porém, raras vezes, pode dever-se a lesões e subsequente cicatrização em cães adultos. O veterinário pode remediar a situação com uma pequena operação cirúrgica.

Os nossos artigos mais relevantes
11 min

Castração de cães

A castração constitui um procedimento de rotina na medicina veterinária – mas será sempre recomendada? Qual a diferença entre castração e esterilização?