Mixomatose This article is verified by a vet

coelho com nódulos no focinho provocados pelo vírus da mixomatose

Mixomatose: nódulos e retenção de água na cabeça são sintomas típicos.

Descobriu um nódulo na cabeça do seu coelho? Então, é possível que o animal tenha contraído mixomatose. Leia este artigo e conheça os factos mais importantes acerca desta doença, incluindo tratamentos e prognóstico.

O que é a mixomatose?

A mixomatose é uma doença viral altamente contagiosa e mortal. É causada pelo poxvírus mixoma do género Leporipoxvirus. Os coelhos domésticos contraem a doença através de coelhos selvagens infetados, embora não doentes.

Como é transmitida a mixomatose?

Estes vírus altamente contagiosos transmitem-se sobretudo através de insetos que se alimentam de sangue, como mosquitos, pulgas ou carraças. Portanto, é mais comum os coelhos desenvolverem mixomatose nos meses de verão.

Além disso, o poxvírus também pode chegar aos coelhos domésticos por contacto direto. Por exemplo, através de secreções de feridas, oculares e nasais de coelhos selvagens contaminados.

O seu coelho também pode contrair a doença pelo contacto com objetos contaminados ou alimentos frescos. Assim, os vírus podem chegar à coelheira ou à gaiola através de dentes-de-leão ou ervas de campo recém-colhidas por si.

Sintomas: quais os sintomas da doença?

O período de incubação do poxvírus é de três a dez dias. Portanto, o animal mostra sintomas de mixomatose passados esses dias. Porém, o quadro clínico da doença pode diferir bastante de animal para animal. Depende da estirpe do vírus e da vulnerabilidade de cada coelho.

De acordo com a evolução da mixomatose, podem observar-se os seguintes sintomas:

Evolução hiperaguda Os coelhos morrem em poucas horas sem sintomas pronunciados.
Evolução aguda

As pálpebras, orelhas e lábios dos coelhos doentes incham bastante. Estes mixomas são causados por retenção de água (edemas) na cabeça. Portanto, os veterinários também chamam a isto "cabeça de leão".

Sai-lhes corrimento purulento do nariz e dos olhos, além de febre e tosse intensa. Passadas cerca de duas semanas, os coelhos morrem. Pois não conseguem comer o suficiente devido ao inchaço severo.

Evolução crónica Os coelhos não têm mais do que sintomas leves. Formam-se nódulos e ligeiros edemas nas zonas da cabeça e genital. Se estes nódulos rebentarem, liberta-se uma secreção infeciosa. Neste caso, normalmente os coelhos sobrevivem.

Quando um grupo de coelhos adoece com mixomatose, a maioria dos animais morre antes do início da epidemia. No entanto, o sistema imunitário dos coelhos remanescentes adapta-se gradualmente. Assim, até ao fim da epidemia, estes exibem apenas sintomas leves e costumam sobreviver.

coelho com grande nódulo de mixomatose na boca e outros em redor do olho
Mixomatose numa imagem: retenção de água acentuada (edemas) e nódulos.

Diagnóstico e tratamento da mixomatose

A mixomatose tem um aspeto e evolução característicos. Portanto, a maioria dos veterinários reconhece de imediato esta doença viral. Para confirmar a suspeita, o médico pode recolher um esfregaço cutâneo para análise em laboratório.

Infelizmente, se se confirmar o diagnóstico, a mixomatose não se pode tratar especificamente. No entanto, as infeções bacterianas secundárias que costumam surgir podem ser prevenidas com antibióticos.

Além disto, para melhorar os sintomas clínicos pode reforçar-se o sistema imunitário do coelho. Para tal, recorre-se a determinados medicamentos ou suplementos. Também se podem utilizar pomadas para os olhos, pois aliviam as secreções oculares, e ainda a inalação de soluções salinas, úteis para os problemas respiratórios.

É possível proteger os coelhos da mixomatose?

Existem várias formas de proteger o seu coelho da mixomatose:

1. Vacinação

Pode, então, começar por vacinar o seu coelho contra a mixomatose no veterinário. A primeira vacina deve acontecer entre a quarta e a sexta semana de vida. Mas para que a vacina seja suficientemente eficaz, é necessário tomar um reforço passadas quatro semanas e, depois, a cada seis meses.

No entanto, há uma desvantagem: a vacina pode provocar mixomatose. Ou seja, pode formar-se um nódulo na pele, na zona da injeção. Contudo, este nódulo costuma desaparecer passadas umas semanas.

2. Higiene

Se não quer vacinar o seu coelho ou pretende oferecer-lhe proteção adicional, limpe-lhe a gaiola com frequência. Porém, existem muitos produtos de limpeza que não são eficazes contra o vírus da mixomatose. Portanto, deve usar água quente, acima dos 60 °C. Além disso, troque as aparas ou palha todos os dias e lave bem as mãos e use calçado diferente para entrar na coelheira.

3. Proteção contra os parasitas

O vírus da mixomatose transmite-se sobretudo através de parasitas. Portanto, é importante proteger o seu coelho destas pragas.


Franziska G., veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Gütgeman mit Hund

Estudei medicina veterinária na Universidade Justus-Liebig em Gießen, onde pude ganhar alguma experiência em vários campos, como medicina para pequenos e grandes animais, medicina exótica, farmacologia, patologia e higiene alimentar. Desde então, não trabalhei apenas como autora veterinária. Também trabalhei na minha tese, que foi influenciada cientificamente. O meu objetivo é proteger melhor os animais contra patógenos bacterianos no futuro. Além do meu conhecimento, partilho as minhas próprias experiências como dono de um cão e, assim, consigo entender e dissipar medos e problemas, bem como outras questões de saúde animal.


Os nossos artigos mais relevantes