Ácaros nos cavalos This article is verified by a vet

cavalo castanho a coçar-se por causa dos ácaros

Os ácaros provocam comichão intensa nos cavalos.

Chega ao estábulo e o seu cavalo mostra-se particularmente inquieto. Além disso, bate com os cascos. E contorce-se quase acrobaticamente para se coçar? Então, é possível que se trate de uma infestação de ácaros. Leia este artigo e fique a saber mais sobre os ácaros nos cavalos.

O que são ácaros? 

Os ácaros são aracnídeos que, como parasitas, atacam pessoas e várias espécies de animais. E os cavalos são uma das espécies afetadas pelos ácaros, tanto na pele como no pelo.

A maioria das espécies de ácaros apreciam locais húmidos e quentes. Portanto, não é de estranhar que se multipliquem muito rapidamente quando o tempo está mais húmido (outono, transição do inverno para a primavera). Se, devido à muda do pelo, o sistema imunitário do cavalo estiver enfraquecido e a barreira cutânea lesada pela humidade, os ácaros têm o caminho facilitado.

Portanto, os animais afetados sofrem de comichão praticamente insuportável. Assim, dependendo da área afetada, o cavalo esfrega ou morde as zonas do corpo onde tem comichão. Perda de pelo e infeções secundárias bacterianas são duas das consequências.

cavalo cinzento a pastar
A humidade facilita a multiplicação dos ácaros.

Que ácaros atacam os cavalos? 

Existem muitos tipos diferentes de ácaros e, claro, nem todos são significativos para o caso dos cavalos. Porém, todos os ácaros podem provocar sarna nos cavalos. É possível diferenciar as duas situações de acordo com a gravidade e a região do corpo afetada.

Ácaros corioptes (Chorioptes bovis) 

Os ácaros corioptes são muito comuns em cavalos e provocam a chamada pata escamosa. Então, esta doença começa habitualmente na área do travadouro. Mas se não for tratada, pode alastrar-se às patas da frente e ir na direção do casco.

Os sintomas típicos são caspa e eczema com crosta no travadouro que inicialmente parecem borbulhas. Durante os cuidados com o pelo, soltam-se grandes crostas e também pelo. Além disso, à medida que a doença progride, a pele engrossa e surgem depósitos de gordura.

Tendo em conta que estes ácaros apreciam humidade e calor, os cavalos de sangue frio com as suas longas crinas, são especialmente afetados. Mas os animais de sangue quente também não escapam aos parasitas.

Estes são os ácaros mais comuns nos cavalos, acompanhados do respetivo tipo de sarna que provocam:

Ácaro sarcoptes (Sarcoptes scabiei var. equi) 

Esta espécie de ácaro enterra-se nas camadas superiores da pele do cavalo e põe aí os seus ovos. Os ácaros preferem as zonas menos peludas do corpo. Portanto, as primeiras alterações cutâneas costumam surgir na cabeça. É por este motivo que a infestação por ácaro sarcoptes é também chamada sarna da cabeça. Porém, mais tarde, a doença também alastra às zonas laterais do pescoço, à cernelha e, no pior dos casos, a todo o corpo.

Além de comichão intensa, caspa, pústulas e perda de pelo são alguns dos sintomas clássicos. Infeções secundárias e alterações cutâneas generalizadas vão enfraquecendo o cavalo. Além disso, este tipo de ácaros pode transmitir-se aos humanos (zoonose) e desencadear pseudo sarna.

Ácaro psoroptes (Psoroptes equi) 

Inicialmente, o psoroptes equi coloniza áreas densamente peludas, como a crina e a cauda. Porém, a partir daí rapidamente alastra a todo o tronco do cavalo. Mais tarde, até mesmo a barriga e a parte interna das coxas são afetadas. Portanto, é por isto que a doença é designada sarna do corpo.

Formam-se, então, depósitos semelhantes a casca. Os ácaros estão por debaixo desses depósitos e alimentam-se de sangue e de linfa.

O psoroptes cuniculi é outra espécie destes ácaros e especializou-se nos canais auditivos dos cavalos. Os cavalos afetados esfregam vigorosamente as orelhas e sacodem a cabeça. No entanto, a sarna dos ouvidos raramente ocorre em cavalos.

Ácaro da colheita (Neotrombicula autumnalis) 

Neste caso, não são os ácaros que atacam os cavalos, mas sim as larvas. Aliás, estas larvas afligem tanto animais como pessoas, especialmente no fim do verão.

Estas agregam-se em áreas de pouco pelo, como no interior das coxas, na ponte do nariz ou na base das orelhas. Em consequência, a pele fica vermelha e manchada.

Os ácaros da colheita alimentam-se das células da pele. Passados entre um a cinco dias, as larvas caem por si só. Portanto, nestes casos normalmente não é necessário tratamento.

Diagnóstico: como reconhecer se o meu cavalo tem ácaros? 

A comichão intensa é o primeiro indicador importante de uma infestação de ácaros. Além disso, na maioria dos casos, as alterações na pele em determinada parte do corpo já sugerem o tipo de ácaro presente.

De modo a excluir outras causas (dermatite estival equina, por exemplo) e a determinar o tipo de ácaro, o veterinário precisa de uma amostra da área de pele afetada. Portanto, raspa cuidadosamente a pele com uma lâmina de bisturi. De seguida, examina o material obtido através do microscópio.

Assim que o culpado tiver sido identificado, o veterinário dá início a um tratamento apropriado.

Tratamento: como são tratados os ácaros nos cavalos? 

O tratamento dos ácaros nos cavalos implica normalmente medidas internas e externas.

Em relação ao tratamento local, o veterinário usa champôs e soluções especiais. E o tratamento é repetido a intervalos regulares. Mas se o pelo das áreas afetadas for particularmente denso ou comprido, antes de mais é importante cortá-lo ou tosquiá-lo.

Porém, um tratamento exclusivamente local normalmente só alivia os sintomas. Isto é, não elimina completamente os ácaros. Assim, o veterinário também poderá ter que administrar ivermectina, oralmente ou por injeção. Este tratamento tem que ser repetido várias vezes.

Além disto, é fundamental tratar a área envolvente ao cavalo. E não falamos apenas do estábulo, mas de todos os objetos com os quais o animal tenha tido contacto.

Infelizmente, os ácaros alastram-se incrivelmente rápido a outros cavalos. Portanto, por uma questão de segurança, deve tratar todos os cavalos do estábulo.

Qual a duração estimada do tratamento? 

Se o seu cavalo tiver sarna, prepara-se para um tratamento mais longo. Dependendo da gravidade da doença, o tratamento pode durar semanas ou até meses. Porque os ovos dos ácaros podem sobreviver no ambiente durante vários meses.

Portanto, o tratamento consistente do cavalo, dos companheiros de estábulo e do ambiente em redor é imoprtante para o sucesso terapêutico.

Existem remédios caseiros para os ácaros nos cavalos? 

Independentemente do tipo de sarna do cavalo - a doença não pode ser curada com remédios caseiros. Porém, pode recorrer ao óleo da árvore do chá ou ao óleo de coco para complementar o tratamento. Os unguentos de zinco promovem a cicatrização das feridas em infeções bacterianas secundárias.

Prevenção: como evitar os ácaros nos cavalos? 

Se o seu cavalo tiver um sistema imunitário forte, os ácaros normalmente não o afetam. Portanto, procure oferecer-lhe uma dieta equilibrada. O fornecimento suficiente de vitaminas e minerais é essencial para o seu cavalo se manter saudável, sobretudo no período da muda do pelo.

Além disto, também as condições de acomodação têm uma influência decisiva na saúde do cavalo. A boa higine do estábulo e a limpeza regular das mantas, dos acessórios de limpeza e cuidados e da sela são fulcrais.

Por fim, cuidar regularmente do pelo evita que os ácaros se multipliquem tão rapidamente. Quando o tempo está mais húmido, o melhor é cortar os pelos compridos junto aos tornozelos.

Fontes:

  • thieme-connect.de
  • Peter Deplazes et. al., Parasitologie für die Tiermedizin, 4. Aufl., Stuttgart 2021

Franziska Pantelic, veterinária
Profilbild von Tierärztin Franziska Pantelic

I am supporting the zooplus magazine for several years with my extensive expertise. I became a licensed veterinarian as early as 2009 and currently operate a mobile small animal practice in the metropolitan area of Munich.


Os nossos artigos mais relevantes