Dog sharing: um cão, dois donos

cão a ser agarrado por dois donos no modelo dog sharing

O dog sharing não funciona sem confiança mútua.

São muitos os donos de cães sem possibilidade de se dedicarem ao seu cão durante todo o dia. Há ainda quem gostasse de adotar um cão mas não pode tê-lo no apartamento. Será o dog sharing uma solução?

Car sharing, job sharing, home sharing e food sharing – se todas estas modalidades existem, porque não dog sharing? Mas será possível partilhar um cão?

Uma ideia que parecia absurda para muitos amantes de cães é agora um modelo muito bem-sucedido. O dog sharing é especialmente popular nas grandes cidades, onde as casas são pequenas, é raro o trabalho poder ser feito a partir de casa e as pessoas não dispõem de tempo para conduzirem até ao campo com o seu próprio cão.

Mas como funciona exatamente o dog sharing? Quais as vantagens e desvantagens do dog sharing para os donos e para os amantes de cães? E em relação ao cão? Respondemos a estas e outras questões neste artigo.

O que significa dog sharing?

No modelo dog sharing, uma ou mais pessoas que não habitam no mesmo espaço decidem partilhar um cão. Por outras palavras, partilham os cuidados do animal. Na prática, se um dono não tem tempo suficiente para o seu cão, o seu parceiro de dog sharing encarrega-se do animal a determinadas horas ou dias da semana. Leva o cão a passear, dá-lhe comida e atenção quando o dono principal, digamos assim, não pode estar presente.

Ao contrário do dog sitting, em que o dog sitter apenas vai buscar o cão de vez em quando para o levar à rua, no dog sharing o animal passa bastante mais tempo com o outro parceiro. E, por norma, a relação entre o cão e o cuidador é mais intensa. No dog sharing, o animal tem várias pessoas de referência e vive em dois ambientes diferentes. Do ponto de vista do cão, podemos falar de uma “família patchwork”.

Família patchwork para o cão – pode funcionar bem?

Os críticos do modelo dog sharing questionam sempre se o modelo patchwork é realmente bom para seres tão sociais como os cães. Afinal, um cão não é um carro que simplesmente troca de condutor, como no car sharing. Para um cão é importante saber quem está na outra ponta da trela e quem está lá para ele. Isto é indiscutível.

Mas, dizem os entusiastas do dog sharing, é precisamente aqui que está a vantagem. De facto, raros são os cães que gostam de estar sozinhos, pois precisam da proximidade dos donos. Se não estiverem por perto, os animais sentem que lhes falta algo. Um parceiro de dogsharing pode preencher esse vazio.

cão com bola azul na boca a ser abraçado pelo dono
O dog sharing pode ser uma excelente possibilidade caso não disponha de tempo suficiente para ter um cão.

Requisitos para um dog sharing bem-sucedido

O aspeto mais importante no dog sharing é o cão aprender a confiar no seu segundo dono e aceitá-lo como cuidador. Afinal, o animal terá que obedecer a ambos.

Por outro lado, a relação entre as duas partes do dog sharing tem que ser harmoniosa. Sem simpatia e confiança, o dog sharing não funciona a longo prazo.

Requisito essencial: tempo para se conhecerem

Entregar o animal ao fã de cães que estiver mais à mão – não é assim que o dog sharing funciona. É necessário tempo para as partes de duas e quatro patas confiarem uma na outra. Antes de o cão se mudar para a sua “segunda casa”, por algumas horas ou dias, devem ter lugar várias visitas.

É essencial que o cão possa cheirar com calma o parceiro de dog sharing. Enquanto isso, os dois donos têm oportunidade de se conhecer melhor, além de esclarecerem detalhes importantes da parceria.

Comprar um cão em conjunto – é possível?

Na maior parte das configurações de dog sharing, o dono procura outro cuidador para o seu companheiro de quatro patas. No entanto, as principais responsabilidades, isto é, relativas a documentação, seguros ou idas ao veterinário, apenas dizem respeito ao dono.

Por outro lado, há quem queira ter um cão mas não disponha de tempo suficiente. Um parceiro de dog sharing que assuma o papel de cuidador pode ser uma boa solução para concretizar este desejo. É importante que ambas as partes estejam conscientes da responsabilidade partilhada.

Além de definirem algumas questões básicas antes da adoção do cão, como a raça, se pretendem um cachorro ou um cão adulto do canil, todos os outros aspetos devem ser inequivocamente controlados e partilhados entre si.

Consensos importantes entre os parceiros de dog sharing

Uma parceria do modelo dog sharing deve ser bem planeada. Quanto mais específico for a expressar os seus desejos e regras, menor é o risco de conflito.

Assim, antes de dar início a esta parceria, deve clarificar as seguintes questões:

  • Quem é o principal dono do cão?
  • Quem paga os impostos e o seguro (se se aplicar)?
  • Qual a comida do cão? Quando come e com frequência deve ser alimentado?
  • Os custos com a alimentação são partilhados?
  • Com que frequência e qual a duração dos passeios?
  • Quem assume as despesas veterinárias? (Sobretudo se decorrerem de um acidente passado no “turno” do parceiro.)
  • Em que dias e horas é o cão entregue?
  • E em termos de educação? O que pode o cão fazer? E o que não pode fazer?

Dica: Se possível, deixem por escrito tudo aquilo que estipularam. Cuidar de um cão é um assunto bastante emocional e os conflitos entre as duas partes nunca podem ser totalmente excluídos.

A rotina de um cão no dog sharing

Uma rotina diária normal é importante para os cães. Também no dog sharing uma certa rotina não deve faltar. Tanto a comida como as horas para ir à rua devem ser semelhantes, pois facilitam imenso a troca entre os dois donos.

Sobretudo no início, é útil se os objetos do dia a dia do cão forem entregues ao coproprietário. Destacamos a mantinha de eleição, o cesto e os brinquedos favoritos.

corgi deitado na cama com brinquedo
Objetos familiares, como cestos, brinquedos ou uma mantinha macia, podem facilitar as mudanças entre as duas casas.

O dog sharing é indicado para todos os cães?

Se um cão for demasiado fixado no dono, tender para a ansiedade de separação e se mostrar stressado ou nervoso perante outras pessoas, é provável que o dog sharing não seja um modelo indicado para ele.

Além disto, é importante estar atento a outros aspetos. Ao notar que o animal sofre com a mudança de casa (por não aceitar o outro dono, por exemplo), que rapidamente se torna agressivo ou que perde apetite, deve desistir de imediato do dog sharing. Procure outra solução para si e para o seu patudo.

Como encontrar um parceiro indicado para o dog sharing?

“Amante de cães procura cão para cuidar em part-time“, “Família procura coproprietário para dog sharing” ou “Amante de cães oferece ajuda para cuidar de cão”. Estes são alguns dos anúncios que se podem encontrar nas redes sociais e em plataformas online dedicadas a anúncios e a propostas de dog sharing. No fundo, são pessoas que adoram cães mas que não os podem ter.

Muitas vezes são pessoas que cresceram com animais ou que já tiveram cães. Noutros casos, os pais pretendem que os seus filhos estabeleçam contacto com cães desde cedo mas sem terem um cão a full-time. Pode ser uma boa oportunidade para cães que adorem crianças mas que vivem com solteiros ou casais sem filhos. Assim, divertem-se juntos e podem fazer o que mais gostam: brincar.

As condições de vida ou as constelações familiares dos dois parceiros de dog sharing não têm que ser idênticas. Mesmo um cão de uma família numerosa, em que tudo é mais caótico, irá definitivamente apreciar uma pausa e desfrutar do silêncio num agregado familiar mais pequeno.

Dog sharing: muitas vantagens e algumas desvantagens

Em jeito de conclusão, um modelo de dog sharing eficaz tem muitas vantagens. A principal é que permite ter um cão sem ser necessário olhar por ele 24 horas por dia. No fundo, o animal conta com outro cuidador fixo.

Simultaneamente, e graças ao dog sharing, quem não pode ter o seu próprio cão tem a oportunidade de passar tempo com um animal. E quanto aos cães? Bem, estão menos sozinhos e recebem muita atenção e amor.

Por outro lado, o dog sharing é desvantajoso se uma das partes envolvidas sofrer com a situação. Acontece quando o cão sente demasiadas saudades do dono, por exemplo. Também o dono principal pode ter ciúmes por já não ser o único cuidador. Do mesmo modo, o coproprietário, ao desenvolver uma ligação tão próxima com o animal, já não está disposto a abdicar dele.

Conflitos deste tipo podem felizmente ser resolvidos através de consenso, planeamento exaustivo e diálogos abertos e construtivos. É importante que todas as decisões sejam tomadas para benefício do cão.

Os nossos artigos mais relevantes
7 min

Adoção de cães

Se quer adotar um cão e está à procura dum cão sem raça definida, deve dirigir-se a uma associação protetora de animais.