Acará disco

Acará disco

Acará disco

Em colaboração com a Tetra

Como o próprio nome indica, a espécie acará-disco tem a forma de um disco, mas não se trata de um disco qualquer – tem as cores mais extraordinárias! Originalmente da região amazónica da América do Sul, estes exemplares são agora as grandes atrações dos aquários. São mantidos em grupos de 5 a 8 animais, o que é sinónimo de custos de manutenção mais elevados.

Qual o aspeto do acará-disco?

O acará-disco pertence à família dos ciclídeos e capta a atenção pela forma particular do seu corpo, achatado e circular. As escamas apresentam diferentes cores. Os tons mais frequentes são o amarelo, o azul e o vermelho fluorescentes. Abaixo da longa testa encontra-se a boca, achatada, cujos lábios são, por vezes, inchados. As barbatanas decoram as costas e o ventre, sendo que não é raro as suas cores contrastarem com o resto do corpo. Por comparação, a barbatana caudal é pequena e estreita. Uma particularidade é a mudança nas faixas à superfície do corpo, que alteram de intensidade de acordo com o temperamento do peixe, sendo, assim, importantes indicadores de stress e de inquietação. Os acará-disco têm em média entre 12 a 16 cm de comprimento; no caso de animais em processo de reprodução podem ser atingidos os 20 cm.

diskusfische

Que espécies de acará-disco existem?

O primeiro acará-disco foi descoberto no século XIX no Brasil por exploradores europeus e foi então designado como o verdadeiro acará-disco. Apresentava a clássica forma achatada com riscas horizontais amareladas, fundo branco e uma larga faixa longitudinal negra. Depois desta primeira descoberta, mais e mais espécies foram catalogadas. Notou-se que os animais com diferentes bandas de cor nas barbatanas e nas escamas se encontravam em ambientes distintos. Atualmente é ponto assente que não é possível dividir e organizar o acará-disco em espécies distintas, tendo em conta que as características determinantes não conduzem a uma demarcação exata. Mesmo dentro de uma espécie, podem diferir consideravelmente o número de escamas, a cor e as listras das barbatanas. Ainda assim, muitos aquariófilos distinguem quatro espécies de acará-disco que se encontram no seu habitat natural: o acará-disco Heckel, vermelho e azul, com cinco listras; o acará-disco castanho com diversos tons de castanho; o acará-disco verde do Peru; e o acará-disco azul. No que diz respeito à manutenção em cativeiro, o Heckel é o mais difícil de manter, pois necessita de água macia e quente, com um pH extremamente baixo. Alguns criadores têm criado muitas outras espécies, como é o caso das variantes em azul-turquesa e a “Blue Diamond”, esta última com magníficos efeitos de brilho. Além destas, também as variantes amareladas “Pigeon Blood” e “vermelho-turquesa” são animais de estimação bastante populares.

O acará-disco como rei do Amazonas

Descoberto o primeiro exemplar acará-disco, este foi desde logo apelidado pelos biólogos como “Rei do Amazonas”. Vive nas águas doces do Amazonas, no delta do rio, tal como em afluentes do mesmo, como o rio Negro e o rio Madeira, sendo que, geograficamente, alcançam o Peru. Hoje em dia, os deslumbrantes ciclídeos podem encontrar-se em praticamente todos os afluentes do Amazonas. Em ambiente selvagem, a mistura de diferentes “espécies” ou famílias de peixes é rara e é desta forma que se explica a variação de região para região – embora se tratem, no fundo, da mesma espécie. Como animais de estimação, os acará-disco são normalmente criados e depois distribuídos através de lojas de animais, físicas ou online. É sempre vantajoso dirigir-se presencialmente à loja, pois assim poderá receber alguns conselhos valiosos.

Alimentação do acará-disco

Os exemplares jovens começam por se alimentar da pele dos seus pais. Assim que as larvas chegam às quatro semanas, começam a consumir outros alimentos. Na natureza, a maioria dos peixes alimenta-se de algas e de plantas aquáticas mortas, além de pequenos invertebrados como mosquitos, minhocas e larvas. Na vida em aquário, o essencial é oferecer aos animais uma dieta variada. Os clássicos granulado e flocos não devem ser oferecidos em grandes quantidades, especialmente os primeiros, pois podem levar à obstrução intestinal e mesmo à morte. Os flocos devem ser previamente demolhados, isto para que não inchem no estômago do peixe. O mix de camarão e filete de peixe é ideal. Deve também ser administrada astaxantina ou até beta-caroteno para que se consiga alcançar um tom vermelho bem pronunciado. Estas substâncias são igualmente importantes para que os níveis de stress dos peixes diminuam, podendo, assim, reproduzir-se mais tranquilamente. Uma alternativa à comida seca é a comida congelada, onde se incluem as larvas de mosquito, os camarões, a artémia e o krill. Não raras são as ocasiões em que os acará-disco são alimentados com corações de vaca e de peru; nestes casos, a carne deve ser pobre em gordura e finamente cortada. Os corações contribuem para um rápido crescimento mas não para a cor intensa. Também alguns crustáceos e pimentão são oferecidos a estes peixes. As surpresas no menu são muito bem vindas e colocar alimentos vivos no aquário é uma excelente opção – minhocas, crustáceos e larvas vermelhas de mosquito estimulam o instinto de caça e satisfazem os peixes. É aconselhável misturar minerais e vitamina B12 por debaixo da comida. As fibras são excelentes auxiliares digestivos, evitando situações de sobrealimentação, e estão contidas nas cascas dos crustáceos. Deverão ser três as refeições diárias – e em pequenas porções. No caso dos animais mais jovens, o número de refeições sobe para cinco.

Comportamento no aquário: tudo o que precisa de saber

Tudo se inicia com a compra do aquário apropriado. Tendo em conta que estes animais são normalmente mantidos em grupos, quanto mais espaço, melhor. A cada peixe devem corresponder cerca de 60 litros de água, o que significa que para um grupo de, por exemplo, três peixes, falamos praticamente de 200 litros. Porém, grupos de quatro e cinco animais são habituais; aqui ficamos perto da marca dos 300 litros. Neste caso, o recomendável é um aquário com um mínimo de 15 centímetros de profundidade. Quanto maior for o aquário, mais estável deverá ser. E tendo em conta a pressão hidráulica, para uma situação de 400 litros o vidro do aquário não deve ter menos do que 12 milímetros de grossura. Uma subestrutura sólida em pedra é também essencial.
Todo este aparato fica melhor localizado num canto sossegado da sala de estar, onde os animais não serão constantemente perturbados. Stress permanente pode contribuir para o aparecimento de doenças e até conduzir à morte. A iluminação correta é também primordial. No seu habitat natural, os acará-disco vivem no fundo do rio Amazonas. Se tem consigo animais oriundos de ambiente selvagem, deve levar isto em conta no momento de montar a iluminação. Peixes provenientes de criação estão, por outro lado, habituados a um ambiente mais luminoso. Ainda assim, lâmpadas de néon com uma maior proporção de vermelho são as recomendadas. Ao ligá-las e desligá-las, pode também regular o ciclo dia-noite. Após doze a catorze horas, a luz do aquário deve diminuir, correspondendo ao período da noite.

Para os peixes tropicais as temperaturas elevadas são um imperativo, sendo que a temperatua ideal deve rondar os 29 °C. Ao alcançarem os 27 °C, os animais podem ficar ansiosos. O pH total da água deve manter-se entre seis a sete. Em ambiente selvagem, o pH pode descer até 5 valores. Quanto mais elevado for o pH, menos excreções de amónio podem ocorrer e menores são as probabilidades de intoxicação. Quanto à dureza da água, o recomendável é que se mantenha entre os 4 e os 14 graus. No que diz respeito à dureza de carbonatos, esta deve manter-se entre os 3 e os 12 graus.

Os filtros são acessórios indispensáveis para um ambiente limpo, especialmente tendo em conta o grande volume de água. Os sistemas de filtro com uma base de carvão ativado não requerem muita manutenção e mantêm os poluentes fora da água. O aquário é assim enriquecido com oxigénio; devem também encontrar-se esferas de argila e pedras de lava. Em algumas circunstâncias pode ainda optar-se por turfas nas câmaras de filtragem. A mudança parcial de água é, ainda assim, necessária – semanalmente, deve trocar entre 20 a 30% do conteúdo do aquário. Em alternativa, pode considerar implementar um sistema de bombeamento para o fornecimento constante de água, embora se trate de um acessório bastante dispendioso.
Antes de adquirir o acará-disco, o aquário deve ser, digamos, “introduzido”. Durante um período de cerca de duas semanas, formam-se as bactérias relevantes para o biótopo e que irão, assim, deteriorar os poluentes da água. Somente quando o habitat estiver, digamos, concluído, é que poderá colocar os peixes no aquário. As plantas aquáticas fazem, naturalmente, parte do biótopo. É difícil, por vezes, encontrar as espécies adequadas, pois as temperaturas dos peixes tropicais têm que ser elevadas. Tanto a fertilização como o fornecimento de CO2 são indispensáveis.

Socialização do acará-disco

Como foi previamente mencionado, o acará-disco vive em pequenos grupos compostos, no máximo, por oito animais. Este é um facto de especial importância, pois contribui para o estabelecimento de dinâmicas de grupo e de hierarquia naturais e a verdade é que só assim os peixes se sentirão confortáveis. O grupo ideal de acará-disco oscila entre os cinco e os oito exemplares, mas em alguns casos pode manter apenas três animais juntos. A vivência no aquário pode ser partilhada com outras espécies, como os Anabantoidei, os barbos, os peixes-gato, os cobitídeos e os robalos de África.

Onde posso adquirir os acará-disco?

Naturalmente, a primeira pessoa com quem deve contactar é o vendedor da loja de animais mais próxima, que certamente o poderá aconselhar em detalhe acerca do comportamento e necessidades da espécie. É na loja que poderá também encomendar, a pedido, diferentes espécies. Tratando-se o acará-disco de um dos mais comuns peixes de aquário, a verdade é que a maioria das lojas os tem em stock. Além disso, existe um grande número de lojas online a disponibilizar os acará-disco, desde o eBay até enormes lojas online exclusivamente dedicadas a peixes e acessórios para os mesmos.

Todos os produtos relativos à temática da aquariofilia, como comida para peixes, aquários ou plantas podem ser encontrados na loja online da zooplus.

Os nossos artigos mais relevantes
A maioria dos elementos da família dos ciclídeos fazem parte do grupo dos peixes ornamentais originários dos trópicos e subtrópicos.
Os peixe-palhaço são animais de água salgada, oriundos do Pacífico e apresentam tons que variam entre o preto, laranja, amarelo e vermelho.