Viajar de carro com gato

viajar de carro com gato

viajar de carro com gato

Os gatos não gostam particularmente de viajar. Mudar de um local para outro é sinónimo de stress para estes animais tão sensíveis – os sons e os cheiros podem perturbá-los e torná-los ansiosos. Porém, são várias as situações em que os donos não têm outra escolha se não transportar os animais de um sítio para outro, seja para a visita anual ao veterinário, numa mudança de casa ou nas férias. Andar de automóvel pode não ser a forma mais desejada de viajar – mas com alguma preparação poderá libertar o gatinho deste medo.

A segurança em primeiro lugar

Deve ser único o gato que entra voluntariamente na caixa transportadora, pois a verdade é que o aspeto e o cheiro da caixa lhe recordam visitas desagradáveis ao veterinário ou viagens de automóvel mais longas. Acima de tudo, o animal deve ser mantido em total segurança durante o passeio de carro – e isso apenas é possível com uma caixa transportadora feita de plástico resistente, com um cesto de vime ou com uma mala de transporte estável, sendo que todos estes acessórios têm que ter sido aprovados para o transporte de animais. Por mais tentador que pareça colocar uma trela, coleira ou peitoral ao animal, estes não irão protegê-lo de lesões em caso de acidente. Um gato a saltitar dentro automóvel durante a condução não deixa também de ser uma possível causa de acidente – tão depressa o animal pode saltar no encosto de cabeça, saltar para o colo ou esconder-se debaixo do acelerador... A conclusão é fácil: apenas uma caixa ou mala de transporte para gatos é a opção segura e adequada.

Preparação antes da viagem de carro

Fazer com que o animal entre na caixa transportadora é apenas o primeiro passo para tornar a viagem de automóvel segura. Para tornar mais fácil esta tarefa, o melhor é tornar o objeto o mais atrativo possível para o gato. Em vez de colocar a caixa à vista somente para as desagradáveis idas ao veterinário, experimente trazê-la para a sala de estar alguns dias, ou até semanas, antes da viagem. Tanto a valeriana como a erva gateira dão um cheiro mais atrativo à caixa ou saco, ao mesmo tempo que relaxam os gatos mais nervosos. Os sprays de feromonas como o da Feliway tem um efeito semelhante. Ofereça ao animal pequenas recompensas e integre a caixa nas brincadeiras e jogos do quotidiano – tudo isto para que o animal associe o objeto a algo positivo. Logo que o receio da caixa, enorme e com um cheiro desagradável, desapareça, poderá tentar que o animal entre com o auxílio de um brinquedo, uma cana de brincar ou uma guloseima. Muito importante: não feche a porta e certifique-se que o gatinho não se sente claustrofóbico.

Durante a viagem de carro

É claro que a recomendação acima não se aplica ao dia da viagem... Antes de iniciar a condução, coloque, de forma segura, o animal dentro da caixa transportadora e, desta vez, feche a porta, para que este não consiga escapar. Colocar uma toalha velha dentro da caixa ajuda o animal a ficar mais confortável e absorve algum descuido que possa acontecer – nem só os gatos mais ansiosos podem, sem intenção, esvaziar a bexiga... A viagem de automóvel pode, por si só, ser motivo de enjoo e fazer com que o animal vomite. Quanto a outras medidas de segurança, a caixa transportadora tem que ir com o cinto “colocado“. Esta é a única forma de se se certificar que esta não resvala do banco nas travagens ou acelerações, saindo o animal magoado. E a verdade é que tirar a mão do volante para impedir que a caixa caia não parece uma boa solução...

Para tornar a viagem o mais agradável possível para o seu gatinho, experimente arejar o automóvel antes do transporte. Durante a viagem, todas as janelas devem estar fechadas, tanto quanto a temperatura no veículo o permita. Facto é que a maioria dos gatos é sensível às correntes de ar. São também animais sensíveis aos ruídos, portanto, idealmente o rádio deve ir desligado. Em momentos assim, lembre-se, você é a pessoa de referência para o animal – fale com ele, de forma meiga e tranquila, e verá como ambos ficarão mais relaxados.

Dependendo da duração da viagem, deve oferecer ao animal alguma comida e água. Talvez a toalha tenha de ser trocada... Para que o gatinho não possa escapar é essencial que a porta da caixa de transporte e a porta do automóvel não estejam abertas ao mesmo tempo. Se se trata de uma viagem de alguns minutos ou horas o melhor é deixar o animal dentro da transportadora – lá sentir-se-á mais seguro do que no interior desconhecido do veículo...

Depois da viagem

E já está! Imediatamente após parar o automóvel, é provável que o seu gato ainda se sinta um pouco instável. Poderá ter vomitado, o que significa que, mesmo que não queira, ele poderá querer limpar-se... Dê-lhe tempo! Idealmente, deixe a transportadora na área de ação do animal durante alguns dias e repita os exercícios realizados anteriormente.

O melhor do mundo para si e para o seu gatinho!

Os nossos artigos mais relevantes