Como acalmar os latidos do meu cão?

Cães que ladram muito

Cães que ladram muito

Não importa se é a campainha a tocar, se é alguém a passar pela vedação da casa ou pelas escadas do apartamento, se cães ou desconhecidos se aproximam demasiado ou se o dono regressa a casa depois de umas breves compras: alguns cães gostam de comentar qualquer acontecimento em seu redor com latidos. Sim, os latidos são parte destes animais e correspondem a uma forma de comunicar. Mas se os cães ladram e ladram incessantamente durante um longo período de tempo, é um sinal para estar atento: se o animal ladra desproporcionalmente, um sério problema comportamental pode estar presente.

Personalidade dos cães

Enquanto alguns cães quase nunca levantam a voz, outros ladram por tudo e por nada. Tal como no caso dos humanos, também há cães mais comunicativos e outros mais silenciosos. Chihuahua, Spitze, Pug, Boiadeiro de Appenzell ou Pastor-alemão fazem parte do lote de raças considerado mais comunicativo; do outro lado estão o Dogue alemão, o São Bernardo, o  Eurasier ou o Lébrel irlandês. Embora existam diferenças significativas entre estas raças, desde que os latidos estejam dentro dos limites aceitáveis e cessem perante as ordens do dono, tudo está sob controlo. No entanto, caso o seu cão ladre a qualquer pessoa que passe ou a cada visita que recebe e dificilmente se acalma, a causa deste comportamento pode ir além de uma personalidade beligerante.

Por que ladram os cães?

A verdade é que os cães não ladram sem razão. Não ladram por gostarem de chatear o dono ou porque o adoram fazer. O facto é que latem para se exprimirem. Estão felizes por terem finalmente o dono de volta ou porque vão passear. Porém, os cães também ladram desproporcionalmente e em situações em que tal não é desejado, por exemplo ao encontrarem outros cães na rua ou no caso de alguém passar junto de casa – aqui, estão a expressar sentimentos negativos. Insegurança, ansiedade, frustração ou tédio são as causas mais comuns do ladrar excessivo.

Causa: insegurança

Se o seu cão ladra, por exemplo, em consequência da passagem de outro cão ou de transeuntes e anuncia de forma barulhenta a aproximação de alguém da vossa casa, esta atitude é um comum sintoma de insegurança ou medo. E a causa pode estar associada ao comportamento do seu dono. Acontece que pessoas que são nervosas por natureza e que se sentem assim pela presença de outros cães ou que hesitam à passagem de um grupo de crianças na sua direção, acabam por transmitir esse sentimento ao animal. Este sente que o dono não tem a situação sob controlo e que precisa da sua ajuda. Assim, os cães ladram neste tipo de situações por acreditarem que o dono precisa de proteção.

Causa: frustração e tédio

Uma outra causa de ladrar contínuo pode ser a frustração. Cães que se sentem frustrados por, por exemplo, estarem pouco ocupados, não poderem correr e, em consequência, ficarem aborrecidos, ladrem sempre que o dono se ausenta ou entra em casa e também quando há visitas. Para os donos, estes animais latem sem motivo e simplesmente porque os donos se encontram perto deles. Mas a razão para o latir barulhento é bastante óbvio: o cão está a pedir a sua atenção! Quer que se dedique a ele, que o respeite e que passem tempo juntos.

Causa: dor

Naturalmente, existem animais que ladram não por insegurança, frustração ou tédio; por detrás do seu ladrar poderá estar uma dor crónica ou outro tipo de desconforto associado a um problema de saúde. Assim, antes de tentar silenciar os latidos, é recomendável uma visita ao veterinário, pois apenas desta forma poderá saber que a causa do ladrar frequente é física.

Como posso fazer o meu cão parar de ladrar?

Saber a razão do ladrar incessante do seu cão é não só importante para eliminar o desconforto físico da situação, mas também para lutar de forma eficaz contra os latidos. Somente se conhecer as razões para o ladrar é que o conseguirá parar através de métodos de treino direcionados. Primeiro, é importante observar o seu animal atentamente e analisar as situações nas quais se faz ouvir. A verdade é que pode facilmente deduzir algumas das causas – por exemplo, se o cão ladra quando outras pessoas se aproximam, significa que o quer proteger e defender. Por outro lado, quando o vê a sair de casa e a conduzir sem ele o ladrar pode significar “Estou aborrecido e chateado porque estou fechado em casa!“.

Mais atividade, menos latidos

Se o ladrar constitui um problema em sua casa, é natural que o seu cão precise de mais ocupação e exercício físico. Um pequeno passeio no quarteirão é suficiente para muito poucos cães. A verdade é que no passado os cães desempenhavam papéis e tarefas importantes, mantendo-se ocupados, e ainda transportam essa herança consigo. Deste modo, até os cães de família precisam de ser estimulados física e mentalmente. Passeios longos, jogos de lançar e recuperar objetos, procura de recompensas e aprendizagem de pequenos truques fazem qualquer cão feliz. Caso estas atividades não sejam suficientes para o seu cão, talvez por ser descendente de uma linhagem de cães trabalhadores, o desporto para cães pode ser uma boa soluçãoAgility, obedience, dogdancing, mantrailing – existem desportos para cães indicados para praticamente todos os companheiros de quatro patas. Qualquer uma destas atividades irá fortalecer os laços entre cão e dono, pois têm oportunidade de se conhecer melhor e desenvolver a confiança. Cães física ou mentalmente exaustos apresentam-se mais calmos e equilibrados, o que tem um efeito positivo no ladrar excessivo.

Transmita confiança ao seu cão

Se os sentimentos de insegurança ou medo estão por detrás do ladrar constante do seu cão, talvez não se consiga simplesmente resolver através de passeios longos ou brincadeiras. Acima de tudo, deve transmitir ao animal que tem tudo sob controlo e que não há motivo para preocupações. Devem, digamos, desenvolver uma nova relação de confiança, o que naturalmente requere muita paciência e disciplina. Mostre ao animal que é o líder e convença-o de que tem confiança suficiente para lidar com diferentes situações. No entanto, tal nem sempre é fácil. Os exemplos apresentados de seguida são representativos de comportamentos que mostram ao seu animal que “não há necessidade de ladrar, está tudo sob controlo!“.

Dica 1 – Cães que ladram com o toque da campainha

Quando tocam à campainha e o seu cão começa a ladrar furiosamente, a verdade é que a reação da maior parte dos donos é gritar frases como “Chega! Calado!“ para cessarem os latidos. Os cães, que não entendem o significado das palavras, percebem, pelo contrário, que o dono está igualmente excitado com o som da campainha e que o está a elogiar quando ladra -  o que entendem é “Estou a fazer tudo bem!“. Desta forma, a reação do dono encoraja subconscientemente o animal e fá-lo acreditar que é necessária a sua intervenção. Antes de abrir a porta deve, de forma afetuosa e simultaneamente firme, indicar ao animal um lugar para ficar. Mostre-lhe que está em posição de controlar a situação. Se ele se senta e não ladra, elogie-o. Se continuar a ladrar, ignore-o – com palavras ou por contacto visual. A sua visita deve fazer o mesmo. Apenas quando o animal parar de ladrar, ainda que por um momento, é que o deve elogiar. Ao elogiar o comportamento desejável e ignorar o indesejável estará decisivamente a influenciar a sua atitude.

Dica 2 - Para os passeios com o seu cão

Para que o seu cão se sinta seguro durante os vossos passeios juntos deverá colocar-lhe inicialmente uma trela – não como para o punir, mas como uma extensão da sua proteção enquanto dono. Não deixe o animal levar a melhor e seja você a decidir o ritmo e a direção do passeio. Ao cruzar-se com alguém na rua continue a andar sem reagir. Desta forma, estará a oferecer confiança ao animal e a mostrar-lhe que não existem motivos para ladrar. Não o tente acalmar com palavras doces nem repreendê-lo. Tal fará o animal ficar mais inseguro e, assim, confirmar o seu comportamento. Da mesma forma não o elogie até que pare de ladrar.

Dica 3 – Para cães que ficam sozinhos em casa

Naturalmente, há muitos cães que também ladram porque o dono os deixa sozinhos. Somente quando o animal se mantiver calmo nesta situação é que o deve elogiar. O melhor é praticar passo a passo – experimente deixar o cão sozinho durante certos períodos de tempo. Quando ladrar, ignore-o. Se se mantiver calmo, ainda que por pouco tempo, deve elogiá-lo, por palavras ou através de guloseimas.

Dica 4 – Para maior segurança do cão

Qualquer cão deseja segurança e estabilidade na sua vida. É essencial ser um dono consciente que demonstre a cada passo qual o caminho certo e que inspira confiança. Demonstrar confiança ao seu cão pode ser em grande parte feito através da definição de rotinas diárias fixas a partir das quais o animal se poderá orientar. É o dono quem define os planos do quotidiano – não o cão. Comece cada um dos passeios matinais com, por exemplo, alguns momentos de treino de obediência. Ensine-lhe as ordens mais básicas e elogie-o caso responda adequadamente na primeira tentativa. Estabeleça rotinas fixas para as refeições, passeios e momentos de brincadeira, mostrando-lhe que é você quem lidera. E, tal como nos exemplos acima apresentados, só deve recompensar o seu fiel companheiro pelas atitudes corretas. Lembre-se – não o repreenda caso faça algo de errado, como ladrar, por exemplo, optando por o elogiar se cessar o latir às suas ordens.

Escola de treino para cães

Com a ajuda da técnica de reforço positivo é possível ensinar muito a um cão. Mesmo cães cujo ladrar é uma constante há anos podem ser persuadidos a alterar este comportamento através de um treino consistente. Naturalmente, quanto mais velhos forem os animais e há quanto mais tempo fizerem os latidos parte da sua vida, mais demorado será o processo de reeducação. Mas mesmo que não tenha um cachorrinho a seu cargo não desespere: até o mais barulhento dos cães se pode acalmar! Porém, nem sempre é possível fazê-lo sozinho. Não hesite em procurar ajuda de profissionais, que poderão oferecer-lhe e ao seu cão apoio individual. Uma visita à escola de treino, ao veterinário ou a um terapeuta comportamental são opções comprovadamente úteis para uma convivência mais tranquila.

Os nossos artigos mais relevantes